MotoGP, 2020, Misano: Dez pilotos a menos de 30 pontos até Oliveira

Por a 17 Setembro 2020 14:30

Quando tudo está tão apertado, quatro vencedores estreantes em seis corridas é mais uma estatística interessante. Que tal cinco em sete? O GP da Emilia Romagna a seguir pode dar isso mesmo…

Mais uma semana, mais outro vencedor… e outra grande reviravolta no Campeonato. Poderá 2020 ficar ainda mais dramático? Estamos prestes a descobrir pois o MotoGP prepara-se para enfrentar o Misano Marco Simoncelli no Grande Prémio Tissot dell’Emilia Romagna e della Riviera di Rimini, regressando à mesma pista não só depois do GP de San Marino, mas também depois de um dia de testes que poderiam aumentar ainda mais a intriga, fazendo as equipas menos favorecidas mais competitivas.

O homem a abater agora, apesar de todas as voltas e reviravoltas e surpresas da temporada, é o veterano Andrea Dovizioso da Ducati Team.

O italiano teve um fim de semana de corrida mais discreto desta vez, mas a sua proverbial consistência trouxe-o a casa com alguns pontos sólidos e mais do que suficiente para passar o ex-líder dos pontos Fabio Quartararo (Yamaha Petronas SRT) depois de o francês ter caído.

Dovizioso está seis pontos à frente e isso pode não parecer muito, mas estava cheio de positividade após o teste e podemos esperar que ele esteja um pouco mais acima no tabuleiro este fim de semana. Quando Dovizioso diz que está feliz com o que conseguiu, está a falar a sério…

A Ducati mais rápida no domingo, no entanto, foi Francesco Bagnaia (Ducati Pramac). Voltando de uma perna partida, ninguém esperava que ele retomasse exatamente onde tinha ficado, mas sim. O impressionante italiano atravessou o plantel para subir ao seu primeiro pódio e fez com que isso parecesse fácil… será que o pode fazer novamente?

E será que pode mesmo vencer? Foi candidato a cinco vitórias em sete corridas. O seu colega de equipa Jack Miller também estava na molhada no GP de São Marino, e depois desvaneceu.

Danilo Petrucci (Ducati Team) também vai querer dar um passo em frente, e Johann Zarco (Ducati Esponsorama) pode ser mais um a seguir. Ainda com dificuldades em voltar à forma física, fez, no entanto, uma grande mudança nos testes e foi o terceiro mais rápido.

O vencedor do GP de São Marino, Franco Morbidelli (Yamaha Petronas SRT), não tomou parte, no entanto. Pela primeira vez, o vencedor foi afastado por doença, mas vai voltar para o fim-de-semana, por isso será interessante ver quem conseguiu reduzir a diferença.

O seu colega de equipa Fabio Quartararo nem sequer mostrou a sua mão em Misano, também porque caiu demasiado cedo para desencadear o seu ritmo, por isso, poderá voltar a andar à frente?

Sinistro para o homem que desapareceu na distância em Jerez, disse que estava a trabalhar no ritmo de corrida no teste de Misano…

Com os dez melhores pilotos, até Miguel Oliveira, separados por 28 pontos na perseguição ao título, está tudo em jogo em Misano mais uma vez.

Na Yamaha Monster Energy, entretanto, há ainda mais para falar. Maverick Viñales estava no ritmo e depois desvaneceu-se no pneu mais duro… antes de encontrar alguma velocidade séria mais tarde na corrida. Os seus problemas estarão ultrapassados? No teste, o espanhol foi o mais rápido e focado em trabalhar com o pneu médio durante grande parte do dia, dizendo ser um trabalho que vai continuar durante o fim de semana de corrida. Se conseguir resolver isso e entrar na luta mais cedo…

Valentino Rossi, por sua vez, esteve tentadoramente perto do almejado 200º pódio no GP de São Marino. Ao longo de mais de 400 curvas da corrida, ‘The Doctor’ esteve lá e depois, a um punhado de curvas do fim, foi assaltado por Joan Mir (Suzuki Ecstar).

O seu ritmo foi bom e a sua defesa de posição exemplar como sempre, por isso não descontem o Rossi… especialmente em território caseiro.

Sobre o tema de Joan Mir, o espanhol da Suzuki somou mais pontos do que qualquer outro nas últimas corridas, apesar da Bandeira Vermelha na Estíria ter interrompido o que parecia ser uma carga para a vitória, e o GP de São Marino viu Mir sair em força e subir ao seu segundo pódio. A sua brilhante carga através de códigos postais de distância no domingo para apanhar os outros e chegar ao terceiro lugar foi algo digno de se ver, e agora diz que ainda encontrou mais ritmo de corrida no teste.

A sua diferença para o topo do Campeonato é de apenas 16 pontos… e é o único homem nos 7 perto no topo que ainda não ganhou.

Mir é, certamente, um dos candidatos, se não o favorito, a continuar a série histórica de vencedores estreantes.

O seu colega de equipa na Suzuki Ecstar, Alex Rins, também não esteve mal. Ainda a recuperar da lesão no ombro sofrida no início da temporada, o número 42 estava na luta pelo pódio até às últimas voltas. Explicou ainda que compensar o ombro mais fraco acabou por lhe dar uma tendinite nas últimas voltas, mas mais uma nova semana é um pouco mais de tempo para recuperar e mais algum tempo nos testes para trabalhar para uma solução.

A última vez que uma Suzuki subiu ao pódio em Misano antes do segundo lugar de Mir foi em 2007, mas nesse dia… houve duas. Podemos voltar a ver isso no GP da Emilia Romagna? É uma batalha impressionante na fábrica de Hamamatsu entre dois pilotos muito rápidos.

Na KTM, entretanto, a euforia das últimas corridas desvaneceu-se num primeiro fim de semana mais difícil em Misano, mas a fábrica austríaca parece ter tido um dia positivo de testes, com Pol Espargaró (KTM Red Bull Factory Racing) feliz com uma melhoria no ritmo de corrida e terminando o dia em 4º lugar. Poderá Pol avançar agora?

O seu companheiro de equipa e vencedor de Brno, Brad Binder, também é sempre uma perspetiva interessante, e Misano foi a primeira vez que o sul-africano não se provou uma ameaça séria no dia da corrida.

O vencedor do GP da Estíria Miguel Oliveira (KTM Red Bull Tech 3) também esteve a testar e disse que o foco foi nos detalhes… Se resolverem os seus problemas, o que poderemos esperar da KTM na Emilia Romagna?

Takaaki Nakagami (Honda LCR Idemitsu) continua a liderar a Honda, e apesar de uma corrida mais difícil no GP de São Marino, há positivos a esperar na próxima. Os testes viram o piloto japonês terminar o dia muito feliz, e vai querer voltar aos cinco primeiros lugares que frequentou até agora em 2020.

Alex Márquez (Honda Repsol Team) também vai querer dar um passo em frente depois de um período mais difícil desde as corridas iniciais.

Aleix Espargaró e Bradley Smith da Aprilia Racing Team, depois de um dia sólido de testes e um montão de voltas, também estarão à procura de mais numa das corridas em casa da Aprilia. A fábrica de Noale continua a trabalhar na sua nova moto e ambos marcaram pontos sólidos, mas vão definitivamente querer mais à medida que a temporada continuar…

Dez pilotos estão a menos de 30 pontos no topo do Campeonato. Cada um deles já ganhou uma corrida na classe rainha menos Mir… e ele é o homem em forma do momento. Quatro estreantes nas primeiras seis corridas não acontecia desde a primeira temporada do Campeonato do Mundo de MotoGP em 1949. Mir, ou talvez Bagnaia, poderão fazer cinco de sete? Estamos prestes a descobrir.

5 1 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x