MotoGP, 2020, Valência: Viñales preocupado

Por a 30 Outubro 2020 14:00

Quando a defesa do título de campeão de MotoGP de Marc Márquez foi arruinada por um braço partido, os favoritos para assumir a coroa passaram a ser Andrea Dovizioso e Maverick Viñales

A dupla terminou em segundo e terceiro lugar respetivamente, na classificação atrás de Márquez, nas duas últimas temporadas.

Mas à medida que a série de 2020 avança para o seu último triplo encontro decisivo, ambos duvidam abertamente das suas hipóteses de bater Joan Mir, da Suzuki.

A causa das dores de Dovizioso é mais óbvia, ele e a Ducati ainda estão a lutar para desbloquear o desempenho do novo pneu traseiro da Michelin, que o deixou fora do pódio nas últimas sete corridas.

Entretanto, Viñales está a lutar contra a inconsistência e não conseguiu terminar entre os cinco primeiros duas corridas consecutivas desde a estreia da temporada em Jerez.

Em contraste, Mir, apesar de ainda não ter uma vitória, só esteve fora do top 4 uma vez nas últimas oito provas. Atualmente, lidera o campeonato com 14 pontos, sobre Fabio Quartararo, que tem 3 vitórias na Yamaha Petronas e 19 à frente de Viñales da Yamaha Monster que tem 1 vitória.

“O objetivo é ganhar o título. Mas com estes resultados inconsistentes e esta sensação que tenho na moto, vai ser muito difícil conquistar este título”, disse Viñales após um quarto lugar a apenas uma fração de Mir e do pódio, em Aragón 1, que foi seguido por um distante sétimo em Aragón 2.

“Estamos a cometer muitos erros, também do ponto de vista técnico. Não posso dizer muito. A moto não estava a funcionar, tive muitos problemas. Para mim, algo que ainda não entendo é como sou capaz de andar tão rápido num TL4 e depois não posso igualar os tempos de volta na corrida, onde normalmente arrisco mais e dou o meu máximo.”

“Tudo o que posso fazer é manter a calma, relaxar e dar a melhor informação à Yamaha.”

Mas Viñales também avisou que apanhar Mir é “impossível com a moto que temos neste momento. As Suzuki agora estão noutro nível. Pode ver os resultados que Mir está a fazer: 2º, 2º, 3º, 2º. Só não ganha, porque começa muito longe na grelha.”

“As Suzuki parece que são capazes de rodar mais rápido, com mais velocidade em curva e menos tempo a curvar. Não se pode recuperar isso, só abrindo mais o gás.”

Viñales tinha terminado a 2,8s do companheiro de equipa de Mir, Alex Rins, em Aragón 1. O tempo de vitória melhorou em quase seis segundos em Aragón 2, mas Viñales foi mais lento do que no fim de semana anterior.

Mais estranho ainda, o vencedor foi Franco Morbidelli, montando a Yamaha sem o pacote de especificações de fábrica de 2020, e Viñales não foi o único piloto da Yamaha a sofrer.

O colega de equipa de Morbidelli, Quartararo, terminou a meio segundo de Viñales no oitavo lugar, questionando depois por que razão a Yamaha não parece melhorar à medida que o fim de semana avança, uma tendência exagerada por corridas consecutivas.

“Quando a nossa moto funciona bem a partir da sexta-feira podemos ganhar corridas. Mas quando não funciona, não se pode fazer nada para que funcione“, ecoou Viñales.

“Somos nós que perdemos mais lugares durante a corrida. Se houver aderência na pista, a Yamaha é a melhor moto. Quando não há, é impossível andar. Hoje mudei o travão motor, o controlo de tração, tentei andar suavemente, tentei andar agressivamente… o tempo por volta foi o mesmo!”

“De qualquer forma, tirei um ponto ao Fábio. Este era o nosso objetivo, ser a primeira Yamaha em 2020, é o que podemos fazer.”

As diferenças exatas entre a máquina de Morbidelli e as três motos de Viñales, Quartararo e Valentino Rossi não são completamente claras.

O que se sabe é que a moto de Morbidelli é uma evolução mais próxima da máquina de 2019 (mas ainda atualizada) em comparação com a direção tomada para a especificação de fábrica de 2020.

A diferença mais visível é a entrada de ar revista e, portanto, o rendimento do motor nas máquinas de fábrica, que são ligeiramente mais rápidas na reta (Morbidelli juntou-se a Mir na parte inferior das tabelas de velocidade de ponta em Aragón).

Viñales sentiu que os pontos fortes da moto  de 2019 de Morbidelli são, “basicamente, o ADN da Yamaha: a inserção e velocidade em curva. A moto de fábrica deste ano é um pouco mais difícil, não só do meu lado, mas para os outros pilotos, que também estão a lutar com dificuldades com esta moto.

“Esta direção técnica foi decidida na Malásia, há muitos meses. É a moto que temos.”

E acrescentou: “No ano passado, tive problemas porque pus demasiado travão motor na mota. Foi muito fácil de resolver. Destruíamos o pneu na travagem, mas em aceleração a mota era fantástica.”

“Tentámos muitas vezes a moto de 19 e 20 de fábrica lado a lado durante o inverno e finalmente fomos com a moto de 2020, mas de certeza que não é o melhor pacote que podemos ter.”

“Ainda assim, o campeonato está em aberto, por isso temos de nos manter fortes e encontrar algo por magia para sermos rápidos.”

“Veremos em Valência, com a mente fresca, vamos tentar puxar. Se a moto funcionar bem, seremos bons. Se não, tentaremos sobreviver e obter o máximo de resultados.”

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x