MotoGP, 2020, Aragón: Petrucci: “Já sabia que não estaria na Ducati desde 2019″

Por a 14 Outubro 2020 13:00

Danilo Petrucci, vencedor em França, sabia que a Ducati decidira já em 2019 que ele não seria retido para 2021, e diz que a confirmação prematura do despedimento prejudicou a sua motivação para 2020.

Danilo Petrucci diz ter a certeza desde “o final do ano passado”, que não seria retido pela Ducati para além de 2020, admitindo que esse conhecimento afetou a sua motivação.

Petrucci conseguiu uma notável segunda vitória no MotoGP no fim de semana em Le Mans, depois de ter superado condições complicadas, ao liderar todas as voltas numa luta tensa que incluiu os seus homólogos da Ducati, Andrea Dovizioso e Jack Miller.

O resultado representa alguma redenção pessoal para Petrucci, que entrou na temporada de 2020, sabendo que não seria retido pelo fabricante para 2021, apesar de o próprio Dovizioso, que viria a anunciar a sua saída, também não ter sido confirmado no outro lugar da equipa.

Embora a Ducati tivesse inicialmente esperado utilizar as rondas iniciais do calendário original de 2020 para decidir entre Petrucci e Jack Miller, a decisão final foi tomada em Maio.

A Ducati diz que baseou a sua escolha na forma de 2019 porque enquanto Petrucci foi um famoso vencedor o ano passado em Mugello, teve dificuldades no resto da época.

Apesar de Petrucci aceitar que a sua forma até Le Mans não tem sido suficientemente forte, com o seu melhor anterior em 2020 um sétimo lugar , também acredita que a decisão foi tomada muito antes de ser anunciada, quase de certeza no final de 2019.

“No final, todos precisam de tomar as suas decisões”, disse num aceno à decisão da Ducati. “Em primeiro lugar, percebi que era um ano estranho porque não tínhamos corrido, mas não foi bom perder o lugar antes do início da época.

“Não te dá a motivação certa para correr naquela equipa o resto do ano, e senti que já não estava na lista no final do ano passado.”

A saída da Ducati de Petrucci após duas temporadas, e agora pelo menos duas vitórias com a equipa de fábrica, surgiu depois de um longo período a entrar naquela posição, incluindo quatro anos com a Pramac, o que, diz, acrescenta frustração ao seu longo adeus.

“A minha história com a Ducati foi tão longa, que tive de lutar muito com outros pilotos para conseguir aquele lugar, por isso talvez as pessoas na Ducati tivessem outras ideias.”

“Entendi que no final é melhor assim, estou feliz por voltar a ganhar e recuperar uma boa sensação na moto, que me pode ajudar a terminar no pódio nas restantes corridas deste ano.”

Apesar da relativa falta de opções disponíveis na grelha de MotoGP de 2021, Petrucci diz estar satisfeito por outros terem “confiado” nele, numa discreta referência à KTM, que o contratou para competir com a Tech 3 para 2021.

Ironicamente, esse espaço só se abriu porque Pol Espargaró foi contratado pela Honda Repsol, o que, por sua vez, significa que Alex Márquez , que juntamente com Espargaró partilhou o pódio com Petrucci em Le Mans, também sabia que seria transferido da Repsol para a LCR em 2021 antes mesmo de se estrear no MotoGP.

“Felizmente, outras pessoas confiaram em mim. Tenho de agradecer a toda a minha equipa e às pessoas em casa que sempre confiaram em mim e acreditaram que sou bom a andar de moto, esta é a prova de que posso ganhar corridas de MotoGP.”

“Tal como eu, o Alex perdeu o lugar de fábrica antes do início da época, é campeão do mundo e quer provar que é muito rápido no MotoGP.”

“No final, foi para quem queria mais ganhar, e felizmente ele começou detrás e eu comecei na primeira fila. Além disso, o Dovi ajudou-me a detê-lo, mesmo que não fosse de propósito.”

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x