18ª edição do Portugal de Lés-a-Lés promete

Por a 24 Maio 2016 14:48

A organização do Portugal de Lés-a-Lés divulgou mais pormenores sobre a 18.ª edição da maior maratona mototurística da Europa, que volta a unir os extremos de Portugal continental. De Albufeira ao Luso/Bussaco e daí a Vila Pouca de Aguiar, o evento pretende descobrir alguns dos mais secretos encantos nacionais ao longo de 1000 quilómetros de aventura. Aqui ficam mais algumas dicas para reforçar o apetite dos 1600 participantes. E dos muitos mais que gostariam de integrar a enorme e multifacetada caravana.

O reconhecimento levado a cabo pela Comissão de Mototurismo da Federação de Motociclismo de Portugal revelou mais alguns motivos de interesse da grande aventura, a começar pelo prólogo, de grande intensidade, com 67 quilómetros de extensão, alternando hotéis, praias e outros locais de enorme interesse como o Castelo de Paderne. Exemplo marcante da arquitetura militar muçulmana cujo valor estratégico valeu estatuto de ser um dos sete castelos representados na Bandeira Nacional. Descoberta histórica que ajudará a ganhar apetite para o jantar servido com vista sobre a Praia dos Pescadores, local de onde será dada a partida do dia seguinte.

Quase 1600 inscritos

Primeira etapa, longa de 530 quilómetros, de perfil bem rolante mas a exigir concentração para não chegar demasiado tarde ao Luso, e com dois pontos realmente «picantes». Com 12 controlos de passagem que assinalam o cumprimento de todo o percurso delineado pelo road-book, esta etapa conta com passagem por muitos locais em estreia absoluta no Lés-a-Lés, de grande beleza e enorme interesse, além dos Oásis onde a caravana pode ir petiscando e matando a sede, com águas ou sumos, mas sempre sem bebidas alcoólicas por perto…

Com quase 1600 participantes inscritos em 1500 motos, a caravana de 750 equipas começará a partir às 5.30 horas, com intervalos de 15 segundos, criando «invasão» que demorará mais de 3 horas a passar por cada aldeia, vila ou cidade. Etapa longa, para cumprir em 13 horas até ao palanque de chegada, onde as últimas motos têm hora ideal de chegada às 21.38 h, a uma cadência de 8 motos por minuto, exigindo grande disciplina e organização nos pontos de controlo, Oásis e outras paragens! Como será o caso da ponte filipina construída no século XVII sobre o rio Zêzere, local mais aliciante desta primeira tirada, acessível através de caminho de terra batida que exige destreza e experiência de condução. Monumento Nacional que foi, até 1954, aquando da inauguração da barragem do Cabril, única ligação entre Pedrogão Grande e Pedrogão Pequeno e que sublinha a ideia original do Lés-a-Lés, de atravessar Portugal à moda antiga.

Dia longo que levará os participantes até ao Luso, já bem a norte no mapa nacional, antecipando etapa bastante mais curta e mais turística, permitindo maior tranquilidade para todos os motociclistas, dos participantes à organização, e que utilizará um horário diferente. As partidas serão dadas novamente ao raiar do dia, a partir das 6 horas, para uma tirada com 10 horas de extensão, com intervalos de 20 segundos entre cada equipa, criando pelotão mais espaçado e cuja passagem demorará 4 horas e 10 minutos, com os últimos a chegarem a Vila Pouca de Aguiar às 20.10 h. Ponto final de jornada com cerca de 300 quilómetros de extensão, com estradas mais lentas e recurvadas, mais exigentes em termos de condução mas também mais turísticas, estando os Oásis e os pontos de interesse mais concentrados. O que vai acontecer na petisquice em Pendilhe, depois da visita aos canastros típicos onde a população da aldeia guarda o milho, ou na freguesia vizinha de Vila-Cova-à-Coelheira (ambas pertencentes ao concelho de Vila Nova do Paiva, no distrito de Viseu) onde haverá tempo para descanso em Oásis instalado no aprazível relvado junto à praia fluvial do Rio Covo.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MOTO+
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x