MotoGP: Honda prepara uma revolução na equipa em 2023

Por a 23 Junho 2022 14:47

O mercado de pilotos de MotoGP é neste momento um xadrês incompreensível, que muda de semana para semana os seus peões. Nos últimos dias têm ocorrido movimentos inesperados, sobretudo do lado da Honda, que parece disposta a fazer uma verdadeira ‘limpeza’ no seu plantel. O único que fica é Marc Marquez!

A Honda estará a preparar uma renovação completa da sua formação de pilotos, na qual Pol Espargaró, Álex Márquez e Stefan Bradl deixarão a estrutura, enquanto Takaaki Nakagami deixaria de ser um piloto regular para assumir o cargo de piloto de testes, substituíndo o alemão Stefan Bradl. E há um nome que surge agora como forte candidato a ocupar um dos lugares disponíveis: Álex Rins.

A continuidade de Marc Márquez é a única certeza que a Honda tem para a próxima temporada . O piloto espanhol tem contrato até 2024 e espera-se que volte a 100% da sua lesão. O seu parceiro não será Pol Espargaró – que irá para a KTM Tech3 – mas sim Joan Mir.

A chegada de Mir está agora mais próxima do que nunca, uma vez que parece que as opções Jorge Martín e Pedro Acosta se dissiparam nos últimos dias. Mas Mir não seria o único piloto da Suzuki a ser resgatado pela Honda, pois as negociações para colocar Álex Rins na LCR substituindo Álex Márquez estão também muito avançadas.

“Obviamente a Honda conversou com os dois pilotos da Suzuki , que nos ligaram depois das notícias sobre o futuro da sua equipa se tornarem conhecidas”, admitiu Alberto Puig, o chefe do HRC, em Sachsenring. Rins estaria perto de rejeitar os projetos da RNF Racing na Aprilia e da Gresini Racing na Ducati, para correr com a Honda.

Uma situação que é em grande parte forçada porque Álex Márquez não tem intenção de continuar com a Honda . O bicampeão mundial está frustrado com a sua situação na marca e já estaria em busca de um novo destino, sabendo-se que bateu à porta da Gresini Racing e que tem a possbilidade das Superbikes em aberto.

Quanto ao outro lugar na LCR, no Japão teriam decidido que Ai Ogura subiria para o MotoGP , vencendo ou não o mundial de Moto2 pelo qual luta em 2022. A ascensão do jovem japonês enviaria o Takaaki Nakagami paara o cargo de piloto de testes , o que deixaria Stefan Bradl fora da equipa. O substituto alemão de Marc Márquez sofreu na própria carne com a temperatura excessiva da Honda e disse que a situação da marca era “inaceitável”. E, claro que isso não foi bem visto pelos responsáveis da Honda.

5 1 vote
Article Rating
1 Comentário
antigo
recente mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
TDNM
TDNM(@td29071659)
7 dias atrás

Se não fossem tão caseiros, tinham no MO88 uma excelente opção para desenvolver a mota e servir de parceiro ao MM.
Joga em equipa, é uma pessoa leal, faz o seu trabalho sossegado e sempre com qualidade e profissionalismo, tal com os japoneses gostam. O problema é quem manda naquilo é a Repsol.
Espanhóis e de vez em quando um australiano ou um italiano para desenjoar.
Acabado o MM está a Honda onde vai estar a Yamaha se não mudar já (!!!) a forma de trabalhar a mota.

Ensaios
últimas Motosport
Motomais
1
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x