MotoGP, 2021: Os planos de Valentino Rossi para dominar a MotoGP

Por a 12 Novembro 2020 18:00

No passado Grande Prémio de San Marino, Franco Morbidelli conseguiu a sua primeira vitória em MotoGP, e Pecco Bagnaia um primeiro pódio, marcando a chegada em força dos licenciados da VR46 Academy

De todos os sonhos que se concretizaram em Misano, talvez o mais satisfatório tenha sido o de Rossi, apesar do Campeão ter falhado o tão almejado 200º pódio que ainda lhe escapa em 2020.

De facto, o nove vezes campeão do mundo de motociclismo viu o programa da Academia VR46 em que tem despejado alma e coração, além de muito dinheiro durante sete anos, alcançar o seu melhor dia de sempre.

Tanto Morbidelli, o membro original da Academy, como Bagnaia, tiveram os seus melhores resultados de sempre, com o campeão do mundo de Moto2 de 2017 a dar à fábrica italiana de talentos a sua primeira vitória na prova de sempre.

Outros discípulos de Rossi vieram juntar-se à festa em Moto2, com resultados ainda mais impressionantes na forma de um 1-2 para os pilotos da Sky VR46 Luca Marini (meio-irmão de Rossi) e Marco Bezzecchi.

Por outras palavras, quatro dos nove lugares disponíveis no pódio em MotoGP, Moto2 e Moto3 foram para alunos da VR46 no domingo.

Quando Rossi se reformar, quando quer que seja, deixará um legado que dá muito mais ao desporto que ama do que qualquer um dos seus compatriotas grandes campeões, tendo criado uma inversão de 180 graus no destino dos pilotos italianos após uma década de domínio espanhol.

Isso é algo de que ele também se orgulha muito, com o seu sentido apurado de história e herança, apreciando o impacto que o seu trabalho terá muito depois de pendurar o capacete.

“O nosso desafio é levar  italianos ao topo”, disse Rossi. “Temos uma grande história, mas nos últimos anos o movimento tem sido bastante menor.”

Para isso, trabalhámos muito, investimos tempo, dinheiro e esforço, e embora a Espanha continue a ser a número um, parece que agora podemos lutar com eles.”

“Acho que tenho de ser uma grande motivação para eles. Eles viram-me a lutar contra eles e conseguem que eu me esforce muito, e isso motiva-os a ir mais rápido também.”

O já duplo vencedor Morbidelli não é apenas o primeiro membro do programa, é também a maior história de sucesso até agora:

“Estar na Academia é como estar em Florença durante o Renascimento, ser artista ou poeta ou escritor, com Vale como professor”, diz “É Florença para os pilotos, com Vale como professor, que nos mantém bem e nos ajuda a todos a aprender. Damos o nosso máximo e, em troca, ele ajuda-nos a desenvolver as nossas competências naturais e talento.”

Morbidelli é também o exemplo perfeito da importância da estrutura que Rossi construiu para permitir aos jovens pilotos italianos a oportunidade de progredir.

Embora o desejo de desenvolver talento italiano sempre tenha sido importante para Rossi, o seu sistema de ensino teve origem em algo muito mais sombrio.

Rossi tomou Morbidelli sob a sua proteção depois de perder o seu melhor amigo Marco Simoncelli no MotoGP em 2011, e só mais tarde formalizou toda a estrutura VR46 que agora existe.

“Após a perda de Marco Simoncelli, faltava algo na vida de Vale”, explica o CEO da VR46, Albi Terbaldi.

“O Marco era o único que podia treinar com o Valentino ao mesmo nível, e a Academia veio em parte da perda do Marco.”

“De certa forma, começámos a Academia ao contrário, porque primeiro éramos amigos destes pilotos e depois começámos a trabalhar com eles.”

“É estranho as coisas que a vida nos pode dar, porque às vezes pode ser muito cruel e outras pode ser grande. A Academia é, de certa forma, uma homenagem ao Marco.”

Faz também parte de um modelo de negócio inteligente que ajudou a construir o império VR46.

Financiada em grande parte pelas vendas de mercadoria produzida internamente, com receitas superiores a 30 milhões de euros por ano só desse lado da empresa, a Academia tem ajudado a criar não só pilotos rápidos, mas também jovens cultos que se envolvem com o mundo para além das corridas.

Cada um contribui com 10% dos seus ganhos também (consideravelmente menos do que o cobrado por alguns empresários, normalmente à volta de 25%), e eles não só treinam e viajam com Rossi, mas também desempenham um papel na conceção da sua própria mercadoria, participam em aulas obrigatórias de inglês e formação mediática.

Até fazem visitas escolares, com o amigo de Rossi e lendário designer Aldo Drudi a desempenhar um papel fundamental na sua educação cultural, organizando fins de semana fora, visitando galerias e museus em Florença, Veneza e Roma.

E daí veio outro forte benefício de ter o programa da Academia à sua volta de que Rossi está muito consciente.

Agora com 41 anos, mas ainda a correr e a competir por pódios ao mais alto nível, é um benefício pessoal estar rodeado de adolescentes loucos que adoram andar de moto.

Rossi faz muito uma figura de Peter Pan com o seu próprio bando de jovens à sua volta, e admite abertamente que a energia que lhe dão é o que o mantém jovem no coração.

“Para mim é muito importante que eu tenha a Academia”, diz Rossi.

“Treinar todos os dias quando se está sozinho é muito duro, por isso comecei com uma pessoa sozinha há 10 anos, e foi mais um desafio e mais divertido.”

“Agora somos 10 ou 15 todos os dias, por isso podem imaginar como é divertido!”

“Às vezes fazem-me sentir velho, às vezes fazem-me sentir muito jovem, mas o nível de treino que temos juntos é incrivelmente diferente, e sempre que saltamos numa moto, o desafio é ao máximo.

“Se eu tivesse o rancho e não tivesse os pilotos da Academia, podia fazer o mesmo tempo rápido a cada volta, mas nunca melhorava.”

“Agora, entras e és o primeiro, depois o Franco vai mais depressa e o Baldassarri bate-o e marca o tempo mais rápido e pensas ‘dass!’

“Chegas ao fim do dia às 7 horas e estás todo partido! É ótimo continuar a melhorar todos os dias.”

Agora que o seu programa de talentos está a dar frutos mais que nunca, com a passagem de Marini à MotoGp e o primeiro envolvimento direto da VR46 na classe rainha, o seu sucesso começou a virar-se contra ele com os seus discípulos a vencê-lo em pista, e Rossi admitiu um pouco sarcasticamente que talvez tenha que reconsiderar a sua abordagem…

“Houve um momento durante a corrida em que me perguntei, de quem raio foi a ideia de fazer a Academia?”, brincou. “É uma pena que fiquem tão fortes, tão cedo, mas quando eu parar, ainda podemos continuar a aplaudir os nossos pilotos e isso faz-me feliz.”

5 6 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x