MotoGP, 2021: Fausto Gresini comemora o 60º aniversário no hospital

Por a 23 Janeiro 2021 14:00

Fausto Gresini faz 60 anos hoje, dia 23 de Janeiro. Tal como na passagem de ano, o bicampeão mundial vai passar a data internado, devido à Covid-19, mas já provou a sua natureza tenaz dezenas de vezes

Gresini estreou-se em 1983 no Mundial e manteve-se fiel à classe das oitavo de litro para o resto da sua carreira de sucesso

Em 27 de Dezembro de 2020, Fausto Gresini deu entrada no hospital de Imola e, após o agravamento do seu estado, foi transferido para a unidade de cuidados intensivos do Hospital Carlo Alberto Pizzardi, em Bolonha, três dias depois.

Com um coma artificial e intubação, passou pela maioria das coisas horríveis que podem acontecer neste contexto. Agora, a sua condição é descrita como estável, mas continua internado.

Fausto Gresini nasceu em Imola, Itália, a 23 de janeiro de 1961. Em 1978, aos 17 anos, competiu nas suas primeiras corridas na classe de 50cc.

Em 1983 estreou-se no Mundial no Grande Prémio de França em Le Mans. Não terminou na sua MBA 125, mas manteve-se fiel à classe das oitavo de litro para o resto da sua carreira de sucesso.

Na sua segunda prova do Campeonato do Mundo, o Grande Prémio das Nações, em Monza, terminou em sétimo lugar. Depois, aproximou-se dos lugares do pódio com um sexto lugar em Hockenheim e um quarto em Salzburg.

No décimo Grande Prémio do ano, foi promovido à equipa vencedora da fábrica Garelli em Silverstone como substituto do seu compatriota Eugenio Lazzarini, ao lado do grande Angel Nieto.

Com o 6º lugar, agradeceu a confiança que depositou nele no início, apenas para somar um segundo lugar uma semana depois em Anderstorp, o seu primeiro lugar no pódio, que o viu terminar em nono no Campeonato do Mundo.

Um ano depois, a Garelli voltou a contar com a dupla Angel Nieto/Eugenio Lazzarini, mas a partir de meados da época Fausto Gresini foi o terceiro piloto de fábrica a trocar a MBA por uma das mais potentes Garelli.

Três corridas depois, festejou a sua primeira vitória em Grande Prémio e acabou em terceiro lugar no Campeonato do Mundo.

No final de 1984, Angel Nieto e Eugenio Lazzarini terminaram as suas carreiras e na Garelli a primeira escolha, foi Gresini. Com três vitórias em GP e mais cinco pódios, Fausto conquistou o seu primeiro título mundial.

Em 1986, Luca Cadalora tornou-se o seu novo companheiro de equipa, e Gresini celebrou mais quatro lugares do pódio, mas no final, teve de se contentar com segundo no campeonato do mundo.

Em 1987 festejou dez vitórias de 11 partidas, bem como o seu segundo título mundial à frente do seu novo companheiro de equipa Bruno Casanova.

No ano seguinte, os motores de dois cilindros foram banidos do Campeonato do Mundo, substituídos por motores monocilíndricos.

Garelli e a Gresini estavam de volta, mas não podiam basear-se nos velhos sucessos. Embora um novo sistema de pontos tenha sido introduzido em 1988, com os primeiros 15 em vez dos primeiros dez a receber pontos no Campeonato do Mundo e o vencedor 20 em vez de 15 pontos, Fausto Gresini conquistou 22 pontos em apenas seis partidas e foi 21º no Mundial.

Em 1989 mudou-se de Garelli para a Aprilia, terminou em terceiro em Misano e terminou em quinto lugar no Mundial.

Um ano depois mudou-se para a Honda, mas com o terceiro lugar em Jerez, apenas um lugar no pódio e 8º lugar no Campeonato do Mundo.

Em 1991, conquistou finalmente duas vitórias em Grande Prémio em Monza e Salzburg. Foi segundo cinco vezes e terceiro no pódio duas vezes, terminando em segundo lugar atrás de Loris Capirossi.

A 21ª vitória em Donington em 1992 e outros cinco pódios marcaram o seu 47º e último pódio.

Gresini terminou em 11º lugar no Mundial de 1993 e apenas 16º em 1994. Os seus melhores resultados foram dois quartos lugares, um no final da temporada de 1993 em Jarama e na abertura da temporada de 1994 em Eastern Creek.

Fausto Gresini competiu na final da temporada de 1994 do seu 118º Grande Prémio, retirando-se do Campeonato do Mundo de Motociclismo com um décimo lugar.

Em 1997 estava de volta com a sua própria equipa de Grande Prémio.

No entanto, não na classe de oitavo de litro, mas como Team Honda Gresini com Alex Barros num aHonda V2 privada nas 500.

O brasileiro terminou em nono lugar no Mundial, que valeu à equipa máquinas de fábrica Honda para a temporada seguinte.

A partir daí, o pequeno italiano e a sua equipa estiveram sempre em alta.

Em 2001, o japonês Daijiro Kato venceu o campeonato mundial de 250cc com eles. Em 2003 e 2004, Sete Gibernau e Marco Melandri foram vice-campeões na classe sucessora de 500cc de MotoGP, que foi introduzida em 2002.

Em 2020, Fausto Gresini e a Aprilia Racing Team Gresini em MotoGP, Moto2 com a Federal Oil o e Team Kömmerling Gresini em Moto3 militaram nas três classes do Campeonato do Mundo, além da equipa Trentino Gresini MotoE ter vencido a Taça do Mundo de motos elétricas.

O homem  que hoje cumpre 60 anos continua uma força na MotoGP e só resta dizer: Parabéns, e muita força, Fausto!

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x