MotoGP, 2021: EUA sem vitórias desde 2011

Por a 23 Janeiro 2021 15:00

Quem se lembra da última vitória americana no MotoGP? A verdade é que America First não faz sentido há muito tempo, pelo menos no Campeonato Mundial de MotoGP

A vitória de Nicky Hayden no Mundial foi há 15 anos e em 2016 e 2017, pela primeira vez desde 1975, não houve nenhum piloto regular norte-americano em qualquer classe de GP.

Os Estados Unidos da América foram há muito ultrapassados pelos australianos no Ranking das Nações Vencedoras do GP pelos triunfos de Jack Miller em Moto3 e MotoGP.

Na era do MotoGP, que está em vigor desde 2002, a série de quatro tempos com 990 cc até ao final de 2006 e 800 cc até ao final de 2011, bem como desde as novas motos de 1000cc, a América apresentou apenas dois vencedores de GP: Nicky Hayden venceu em Laguna Seca em 2005 e 2006 em Assen e Laguna Seca, Ben Spies em Assen em 2011.

Antes, os norte-americanos dominaram a classe rainha: Kenny Roberts venceu os Campeonatos Mundiais de 500 em 1978, 1979 e 1980, depois Freddie Spencer em 1983 e 1985; Eddie Lawson ganhou os títulos em 1984, 1986, 1988 (três vezes na Yamaha) antes de triunfar na Honda Rothmans pela quarta vez em 1989. Spencer também celebrou a sua vitória nos títulos de 250 e 500 em 1985.

0
Please leave a feedback on thisx

Seguiu-se a vitória de Wayne Rainey em 1990, 1991 e 1992, e em 1993 Kevin Schwantz venceu o Campeonato Mundial de 500cc em Suzuki.

Em 2000, Kenny Roberts Jr. ganhou o Campeonato Mundial 500 em Suzuki.

Isto significa que durante os 16 anos de 1978 (Roberts) a 1993 (Schwantz) os norte-americanos ganharam onze dos 16 títulos na “classe rainha”.

A eles juntaram-se estrelas americanas como Pat Hennen, Mike Baldwin, Doug Chandler e Randy Mamola, que nunca se tornaram campeões mundiais. Mas só Mamola ganhou 13 corridas de meio litro.

Nos últimos anos, os norte-americanos ficaram de mãos a abanar em títulos do Campeonato do Mundo de MotoGP.

Mais recentemente, Nicky Hayden venceu o Campeonato do Mundo de MotoGP de 2006 contra Rossi na Honda Repsol. Desde a mudança de Nicky Hayden para o Campeonato Mundial de Superbike em 2016, nenhum americano correu na primeira divisão pela primeira vez em 40 anos.

Enquanto três GPs americanos se realizaram em 2013, Indianápolis foi removido do calendário para 2016, privilegiando Laguna Seca. Apenas Austin no Texas permaneceu no calendário e mesmo esta não se realizou em 2020.

Na classe do Campeonato do Mundo de Moto3, que existe desde 2012, apenas um americano participou.

Em Silverstone, o norte-americano Brandon Paasch, de 19 anos, competiu como piloto wildcard com uma KTM da equipa FPW Racing.

No Campeonato do Mundo de Moto2, as esperanças repousaram sobre o campeão norte-americano de Superbike Josh Herrin em 2014, mas desapontou com a equipa Caterham Suter e foi despedido antes do final da temporada.

Até agora, só houve um americano que participou como piloto regular no Campeonato do Mundo de Moto2: Kenny Noyes, que apareceu em 2010 e 2011 e até chegou a uma pole position em Le Mans no primeiro ano.

Noyes fez 34 partidas no Campeonato do Mundo de Moto2, mas ficou gravemente lesionado numa corrida do CEV de 2015 em Aragón, e vive em Espanha desde a sua infância, sendo considerado mais espanhol do que americano.

O melhor resultado de uma prova de Moto2 foi o seu 5º lugar na final do Campeonato do Mundo de 2011, em Valência.

A classe média (250 cc/Moto2) nunca foi um campo de jogo avassalador para os americanos. John Kocinski tem nove vitórias em GP, Freddie Spencer 7, Kenny Roberts Sénior 2 e Jim Filice 1.

Até agora, apenas dois pilotos americanos ganharam o título mundial de pesos médios: Freddie Spencer na Honda em 1985, e John Kocinski na Yamaha em 1990.

Wayne Rainey é o promotor da série norte-americana “Moto America” desde 2015 e desde então, Cameron Beaubier tem sido considerado candidato a um contrato de GP, mas só funcionou na temporada de Moto2 de 2021.

O especialista em quatro tempos e campeão de SBK dos EUA tem agora 24 anos. Competiu na Red Bull Rookies Cup em 2007 e 2008 e ganhou contrato com a equipa Red Bull KTM de 125 em 2009 antes de regressar ao Campeonato dos Estados Unidos devido à falta de sucesso em GP.

“Não há muita gente a vir da América“, diz Peter Clifford, promotor da Rookies Cup. “Os jovens têm poucas opções nos EUA. Há falta de corridas de mini-motos, e não há categorias como o Pré-GP. É o mesmo problema que em muitos outros países. Com JD Beach em 2008 e Jake Gagne em 2010, já tínhamos dois vencedores globais americanos.” Mas não foi suficiente para ambos os talentos conseguirem um carreira em GP, até porque ganham bem nos EUA.

Desde Brno 2017, o californiano Joe Roberts de 23 anos, sem relação a Kenny Roberts, está na classe Moto2. Alcançou agora três pole positions e conquistou um lugar no pódio (3º lugar em Brno 2020).

Joe Roberts conduz na classe desde 2017. Um dos grandes heróis americanos, quer agora ajudar a Dorna a trazer americanos para a Europa.

Terminou em sétimo lugar no Mundial de 2020 e vai juntar-se à equipa Italtrans para 2021, que produziu o campeão mundial Enea Bastianini no ano passado.

E com o pentacampeão da Superbike dos EUA Cameron Beaubier, um antigo estreante da Red Bull na América está agora de regresso ao paddock do GP.

O protegido do tri-campeão mundial de 500cc Wayne Rainey assume o lugar de Joe Roberts no Moto2 com a Equipa American Racing. Como grande especialista em SBK, é também considerado um candidato promissor para um lugar no Mundial de MotoGP, apesar da sua idade algo avançada.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x