MotoGP, 2020: Que impacto terá o Brexit na competição?

Por a 13 Dezembro 2020 13:00

Que impacto terá o Brexit no automobilismo internacional? Desde logo, viagens a Inglaterra vão tornar-se mais complicadas, por exemplo, com os documentos aduaneiros

Em caso de quedas graves, o material destruído já não pode ser colocado no caixote do lixo mais próximo

Até ao momento, não é possível prever se Boris Johnson irá negociar um acordo com a UE para uma saída regulada da união europeia em termos aduaneiros até 31 de Dezembro ou se terá lugar um Brexit sem acordo, apesar de quase quatro anos de negociações.

Aconteça o que acontecer, o automobilismo mudará muito em 2021 para os organizadores e equipas e pilotos nos eventos no Reino Unido.

Os britânicos estão a deixar a confederação de Estados, onde 27 países europeus permanecem, com uma população de 450 milhões.

Dos 27 países da UE, 19 constituem uma União Económica e Monetária. Em 1 de Janeiro de 2002, o euro foi introduzido como moeda comum para estes países.

Com o Reino Unido fora da união, as equipas que participarem em eventos de desportos motorizados nas ilhas Britânicas no futuro enfrentam desafios totalmente novos.

No futuro, cada camião de equipa terá de apresentar de novo um carnet, um documento aduaneiro internacional, que contém todas as declarações aduaneiras necessárias para entrar no Reino Unido.

O carnet permite a importação temporária de mercadorias para mais de 75 países sem pagar direitos ao abrigo de três convenções principais: exposições, feiras e eventos semelhantes, amostras de demonstração, e materiais profissionais.

Mas todos os camiões que vão ao Grande Prémio da GB em Silverstone em 2021, por exemplo, têm de listar nesse carnet todos os pequenos componentes que são transportados através da fronteira.

Isso significa todas as peças sobressalentes, ferramenta, decoração das boxes, as máquinas de corrida, o número de rodas sobressalentes, os pneus, os motores sobressalentes, carenagens e assim por diante.

E este material todo ainda deve estar disponível após o evento, exatamente igual, à saída, caso contrário, podem incorrer em direitos alfandegários proibitivos.

À primeira vista, isto pode não parecer muito elaborado, e os membros de equipas mais velhos conhecem o sistema dos anos 90, quando alguns Estados ainda não faziam parte da UE.

No entanto, todas as equipas envolvidas precisam de repensar a sua autuação.

Os camiões podem ficar presos durante horas nos engarrafamentos nas fronteiras externas da UE, mesmo que um carnet não apresente discrepâncias.

Inspecções irritantes e demoradas poderão ser exigidas, feitas por funcionários alfandegários, e em caso de quedas graves, o material destruído já não pode ser colocado no caixote do lixo mais próximo. Tudo o que foi trazido para o país antes da corrida tem que ser exportado novamente.

Neste momento, não há nenhuma equipa britânica no motociclismo, mas no Mundial de Fórmula 1, apenas três estábulos de corrida não estão sediados em Inglaterra: A Ferrari, a Sauber e a AlphaTauri. Portanto, há muitas dificuldades potenciais para os britânicos.

A longo prazo, o número de grandes eventos na Inglaterra pode diminuir.

Para o Campeonato do Mundo de Superbike de 2021, em Inglaterra, as provas do Campeonato do Mundo das duas classes de SSP 300 e 600 já foram canceladas.

A Dorna não agendou uma corrida para o GP de Motos em Silverstone nem para a Taça do Mundo de MotoE nem para a Red Bull Rookies Cup.

Até os nossos colegas britânicos jornalistas estão preocupados, devido às incertezas com a liberdade de viajar.

Devido à pandemia, o Governo britânico só permite, por enquanto, viagens de negócios essenciais aos países da UE. Até ao momento, não foi definido exatamente quais as viagens consideradas indispensáveis.

A Fórmula 1 no Reino Unido garante dezenas de milhares de empregos, pelo que é provável que a indústria seja considerada vital.

Mas será que todos os empregados da Triumph podem viajar para as corridas de Moto2 onde os britânicos entregam os motores de controlo idênticos da classe? Será que todos os mecânicos britânicos poderão exercer a sua profissão nos Grandes Prémios na Europa continental no futuro?

Estas questões ainda não foram resolvidas.

Sem a adesão à UE, a livre circulação de pessoas é também uma coisa do passado para a Grã-Bretanha. Será que os britânicos precisarão de uma autorização de trabalho no futuro se ganharem o seu dinheiro em países da UE, como um mecânico de GP?

“Temo que seremos fechados em casa como todos os outros países terceiros”, diz o renomado jornalista de MotoGP Mat Oxley. “Porque duvido que a minha profissão de reportar sobre motos que circulam em círculos em qualquer parte do mundo seja considerada indispensável.”

Mesmo os turistas britânicos serão impedidos de entrar em países da UE com elevadas taxas de infeção a partir de 1 de Janeiro de 2021, devido às atuais restrições do Covid 19.

Até agora, isto aplica-se mesmo a pessoas que tenham uma segunda residência em Espanha, Portugal ou França. Apenas um punhado dos 27 países da UE com uma baixa taxa de infeção permite a entrada nos seus países de países terceiros.

Os Estados Membros da UE decidiram, em Outubro, seguir uma proposta do Conselho da UE para permitir a isenção de viagens apenas de países como a Austrália, a Nova Zelândia e a Coreia do Sul, onde a epidemia de Covid 19 estava basicamente contida na altura.

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x