MotoGP, 2020: Johan Stigefelt da Yamaha Petronas fala de 2020

Por a 16 Dezembro 2020 16:00

Frequentemente na sombra, mas um elemento chave da Yamaha Petronas SRT, o ex-piloto Johann Stigefelt fala dos altos e baixos da época de 2020

“Ganhar no mesmo dia nas três categorias é algo que nunca ninguém fez, por isso seria realmente algo se fôssemos os primeiros!”

Johann Stigefelt

Após uma época de 2020 compensadora mas difícil, e agora que a poeira assentou, o manager da equipa Johan Stigefelt sentou-se para discutir o ano…

 “Depois do começo no ano passado, sabíamos por experiência própria como tudo podia funcionar, por isso preparámo-nos muito bem no inverno. Foi um elemento-chave para começarmos tão bem, porque estávamos muito preparados. Também nos conhecíamos e sabíamos como trabalhar para tirar o melhor uns dos outro e sabíamos como lidar com a logística, que é uma operação muito grande nesta equipa.”

“Quando a situação do Covid surgiu, estávamos no Qatar. Tivemos de levar o nosso pessoal de Moto2 e Moto3 para a corrida do Qatar, mas a nossa equipa de MotoGP também teve de empacotar as motos e preparar tudo porque não sabíamos quando recomeçaríamos. Foi muito difícil, mas acho que lidámos muito bem com tudo e assim que começámos a viajar novamente, também estávamos preparados. A nossa coordenadora Heather MacLennan está na equipa há muitos anos, por isso torna-se muito mais fácil para mim, por exemplo, trabalhar nesse tipo de ambiente complicado quando conheces muito bem a tua equipa.”

“Na minha opinião, não foi completamente inesperado porque vimos, especialmente com o Fábio em 2019, desempenhos incríveis que o viram ficar cada vez mais forte a cada corrida. Cresceu como piloto e nós também aprendemos e crescemos com ele como equipa. Também temos melhores máquinas da Yamaha, ele tinha uma moto de fábrica, por isso, ao entrar nesta temporada, esperava os melhores resultados do Fábio. Não o pressionámos, mas esperávamos pódios e vitórias, era para o que estávamos a apontar. Com o Franky foi um pouco diferente porque teve dificuldades em 2019, mas trabalhou tanto no inverno e foi mesmo um desfavorecido este ano. Ninguém falava muito dele, mas como equipa sempre o apoiámos e depois ficou mais forte e mais forte em 2020, à semelhança do Fábio em 2019, por isso foi muito bom ver esse progresso e vê-lo terminar esta época em segundo no campeonato.”

“No que diz respeito às equipas de Moto2 e Moto3, o John McPhee foi imediatamente rápido desde o início, foi muito rápido nos testes e depois no Qatar lutou pela vitória. Ficou em segundo e em Jerez depois do bloqueio, voltou a ser incrivelmente rápido, muito agressivo e saiu-se muito bem. Esperávamos uma época muito boa com ele, mas depois experimentámos uma baixa com o John nas últimas cinco ou seis corridas, perdemos alguns pontos. Era difícil ver que já não podia desafiar à frente, estava lá, mas não estava a ganhar corridas.

Depois da segunda corrida de Misano foi difícil para ele e por isso terminei esta temporada com sentimentos contraditórios em Moto3, especialmente porque tivemos o alto no início e depois o baixo no final. Com o Khairul Idham Pawi foi muito difícil este ano, pois ele nunca realmente compreendeu a Moto3 e foi difícil de ver. Tenho pena dele porque já estive nessa situação como piloto e não é fácil. Espero que o KIP possa voltar a correr no futuro.”

Se eu enumerasse os meus três melhores momentos, o primeiro é definitivamente a vitória na volta do bloqueio. A vitória de Fábio em Jerez foi uma sensação incrível e essa foi a recompensa por muitos anos de trabalho árduo e dedicação de todos na equipa. O meu segundo destaque é Misano quando o Franky e o John ganharam no mesmo dia e eu estive no pódio duas vezes, foi uma grande sensação.

O terceiro melhor momento foi a luta do Franky em Valência quando venceu o Jack Miller numa batalha de última volta. Já não é todos os dias que se vê isso no MotoGP e mostra como o Franky é forte é como piloto e como é difícil vencê-lo.”

A lição em 2020 foi não tomar nada como garantido! Não podemos controlar tudo e vimos isso este ano com o Covid; Fomos todos postos em espera e tivemos uma grande luta porque não tínhamos a certeza se voltaríamos a correr este ano – essa é a minha maior lição aprendida. Acho que todos neste ambiente devem estar gratos por termos sido capazes de fazer o que fazemos este ano. Fazemos isso porque temos uma paixão pelo desporto motorizado, e sinto-me abençoado por poder trabalhar com tantas pessoas boas e experimentar estas emoções todos os fins de semana que corremos.”

“Penso que no MotoGP vamos continuar a ter resultados elevados – pódios – e espero que possamos ajudar o Franky a ser ainda melhor. Com a chegada do Valentino a bordo, será uma sensação incrível, uma sensação diferente, porque ele vem de uma equipa de fábrica. Foi há muito tempo que ele andou pela última vez para uma equipa satélite, por isso vamos apoiá-lo e esperar fazê-lo sentir-se confortável. Acho que se fizermos isso, será muito rápido. Temos pilotos muito fortes em Moto2 e Moto3 no próximo ano e as minhas expectativas são muito altas lá. Quero ganhar o campeonato de equipas em Moto3 e quero que pelo menos um dos nossos pilotos esteja entre os três primeiros de Moto2.”

“Já conseguimos tantas coisas este ano no MotoGP: ganhámos corridas, tivemos pole positions e pódios, por isso o que eu gostaria mesmo de ver é os nossos pilotos no pódio juntos, um 1-2 final seria incrível. É também um alvo nas classes Moto2 e Moto3.”

“O meu maior desejo é que os nossos pilotos ganhem as três classes num fim de semana. Vimos em Misano que podemos conseguir dois dos três, como o Franco e o John provaram. Ganhar no mesmo dia nas três categorias é algo que mais ninguém fez antes, por isso seria realmente algo se fôssemos os primeiros. É um grande alvo, mas acho que podemos fazê-lo!”

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x