As mais belas motos de GP, 13: A Honda NSR500

Por a 31 Dezembro 2020 17:00

A Honda NSR 500 de 1984 substituiu a vencedora NS 500 de 3 cilindros anterior e viria a tornar-se uma vencedora ainda maior, dominando o Campeonato Mundial de 500 durante anos

Capazes de 320 km/h, as motos de 1989 tinham mais velocidade máxima e aceleração do que qualquer outra coisa em pista

Ao longo do seu desenvolvimento, a Honda viria a vencer venceu dez Campeonatos do Mundo de 500cc com a NSR500 de 1984 a 2002, com seis consecutivos entre 1994 e 1999.

A sua primeira iteração, a versão de 1984, foi mais um um projeto ambicioso da Honda, destinado a dar mais problemas do que alegrias.

A moto, desenhada para Freddie Spencer, tinha por baixo das suas carenagens aparentemente convencionais de uma 500 de Grande Prémio, uma estrutura invertida, com o tanque situando a gasolina na quilha e os escapes a correr por cima, por baixo do assento do piloto.

Essa inversão da ordem normal das coisas colocou logo à partida imensos problemas de dissipação de calor, e provou que um centro de gravidade baixo não é tudo em Grand Prix.

Mesmo assim, Spencer chegou a ganhar a segunda prova do ano na estranha máquina, mas depois reverteu para a anterior NS de três cilindros para a restante campanha de 1984.

Com mais de 100 vitórias a seu favor, a NSR500 foi a força mais dominante nas corridas de motociclismo modernas.

A NSR500 de 1989, que venceu o terceiro Campeonato Mundial de 500 da Honda com Eddie Lawson exemplificava a potência bruta, aceleração e velocidade que sempre foi sinónimo do V4 de 500 cc da Honda.

Projetada para suceder ao primeiro grande modelo de dois tempos da Honda, a NS500, a NSR500 estreou-se com base nas lições aprendidas com a antecessora de três cilindros, empregando no novo V4 uma cambota única, tornando o motor mais leve e compacto do que os seus adversários de duas cambotas.

Embora atormentado pela tecnologia de chassis pouco ortodoxa na sua primeira temporada, a NSR500 evoluiu para conquistar o segundo título de GP da Honda numa 2 tempos em 1985.

A abertura do ângulo do V a 112 graus em 1987 abriu espaço para um quarteto de carburadores Keihin de 36 mm entre os cilindros, onde poderiam ser alimentados com ar mais fresco mais facilmente.

O novo arranjo também permitiu que o motor respirasse de forma mais eficiente através das suas quatro câmaras de expansão entrelaçadas.

No final do ano, a Honda conquistou o terceiro campeonato do mundo de 500 com o australiano Wayne Gardner.

Totalmente redesenhada para 1988, a NSR500 tinha agora um quadro dupla viga de alumínio mais duro e várias mudanças no motor.

As alterações feitas na moto de 1988 tornaram-na um pouco problemática para os pilotos, especialmente na primeira metade da temporada. Wayne Gardner teve dificuldades em defender o seu Campeonato do Mundo de 1987 e, apesar de ter eventualmente ultrapassado os problemas da moto e de ter vencido três corridas consecutivas a meio da época (Holanda, Bélgica e Jugoslávia), só conseguiu terminar em segundo lugar no campeonato atrás da Yamaha YZR500 de Eddie Lawson.

As principais queixas sobre a NSR500 de 1988 foram que o motor, embora sem dúvida o mais potente em corridas de 500cc, era muito pontudo e tinha de ser usado em regimes muito elevados para tirar o melhor dele.

A geometria da suspensão também era pior que em 1987 e a mota era visivelmente mais difícil de manusear através das curvas do que a rival Yamaha YZR500 e a nova RGV500 da Suzuki.

Enquanto a vantagem de potência do motor era evidente em pistas mais rápidas como Suzuka (na verdade, propriedade da Honda), ou em Assen, Spa e Paul Ricard, em pistas mais apertadas como Jarama e Jerez, estava fora do ritmo devido ao seu manuseamento difícil.

Mais melhorias deram à NSR500 de 1989 mais de 165 cv às 12.000 rpm, basicamente duplicando o débito da Honda RC181 de 1966.

Capazes de bem mais de 320 km/h, as motos de 1989 tinham mais velocidade máxima e aceleração do que qualquer outra coisa em pista. Para conter todo esse músculo, o chassis de alumínio mais rígido de dupla trave usava um braço oscilante curvo, tipo asa de gaivota, para acomodar câmaras de expansão mais eficientes.

O resultado foi um pacote implacável, mas brutalmente rápido, que valeu à Honda um quarto Campeonato do Mundo de 500 cc em 1989 graças a Eddie Lawson, que se juntou à equipa Rothmans apoiada pela fábrica ao lado de Gardner e do jovem australiano Mick Doohan.

Pouco depois, o V-4 de 499 cc produzia mais de 200 cavalos de potência, e junto com o desenvolvimento do chassis, gestão sofisticada de motores e um australiano chamado Mick Doohan (3 abaixo), fez da NSR500 uma lenda na década de 1990. Testes extensivos em 1991 levaram a um novo chassis de alumínio, modelado na bem sucedida versão de resistência RVF750.

A Honda revelou uma ideia revolucionária em 1992, com um V4 comandado para disparar os quatro cilindros dentro de 65 e 70 graus de rotação da cambota, o chamado motor “Big-Bang”. Juntamente com um veio balanceiro que neutralizava os efeitos giroscópicos da cambota, a NSR500 de 1992 foi uma descoberta.

Privilegiando a aceleração sobre velocidade absoluta, Doohan usou este motor para ganhar cinco das primeiras sete corridas em 1992.

Apesar de uma perna partida lhe custar o Campeonato do Mundo de 1992, ele não seria negado por muito mais tempo.

A partir de 1994, Doohan e a NSR500 venceram cinco campeonatos mundiais consecutivos de 500 cc.

A partir de 1997, a NSR500 voltou a apresentar o mais antigo motor “Screamer” para alguns pilotos de fábrica, com Mick Doohan a preferir a potência mais alta deste design, apesar de ser muito mais difícil de aproveitar.

O constante desenvolvimento e sofisticação cada vez maior aguçaram a vantagem da NSR500, ganhando à Honda mais  Campeonatos Mundiais de 500, com Àlex Crivillé em 1999, e novamente com Valentino Rossi em 2001.

Para a temporada de 2002, os regulamentos técnicos para o Campeonato do Mundo foram alterados drasticamente, com motores de quatro tempos a serem autorizados a crescer até 990 cc e seis cilindros.

O nome da classe foi alterado para MotoGP e limitou-se apenas a protótipos de corrida. Devido a estas mudanças, a Honda introduziu a RC211V em 2002 para correr ao lado da NSR500. A RC211V e outras motos de quatro tempos dominaram a série e a NSR500 acabou por ser eliminada da classe, juntamente com todas as outras motos a dois tempos.

Títulos da Honda NSR500

1985: Freddie Spencer

1987: Wayne Gardner

1989: Eddie Lawson

1994: Mick Doohan

1995: Mick Doohan

1996: Mick Doohan

1997: Mick Doohan

1998: Mick Doohan

1999: Àlex Crivillé

2001: Valentino Rossi

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x