Ecos do Qatar: Brivio diz que estratégia pode ter custado vitória a Rins

Por a 29 Março 2019 16:36

O Director Desportivo da Suzuki Ecstar, Davide Brivio, acredita que Alex Rins poderia ter ganho a corrida de abertura de MotoGP no Qatar, se não fosse pelos pilotos na frente terem diminuído o ritmo para conservar a vida útil dos pneus. Falando à MotoGP, durante os treinos do Grande Prémio da República Argentina, Brivio admite que se não fosse haver “uma estratégia para abrandar”, Rins “poderia ter vencido” em Losail.

No entanto, ele continua satisfeito com os esforços de Rins e do rookie Joan Mir após o quarto e oitavo lugares em Doha: “Ficamos felizes. Não muito, porque não subimos ao pódio, mas estou contente. Com Alex, continuámos a tendência das últimas cinco ou seis corridas da temporada passada, onde ele sempre lutou nas primeiras posições e subiu ao pódio algumas vezes. ”

Rins foi desafiando na frente a grande maioria da corrida no Qatar antes de terminar em quarto, mas Brivio diz que o resultado poderia ter sido diferente.

O director da formação de fábrica também ficou satisfeito com o desempenho do antigo Campeão do Mundo de Moto3, Mir, na sua primeira participação numa moto de MotoGP:

“Com o Joan, não esperava tal arranque. Dissemos-lhe antes da corrida para tentar aprender com outros pilotos, ficar no grupo, mas eu não esperava que fosse esse grupo. Mas foi uma experiência fantástica para ele “.

“Nós sabíamos que ele era capaz, por isso escolhemos o pneu macio só porque era a primeira corrida, nós queríamos que ele tivesse um bom ritmo durante a maior parte da corrida e dissemos que se pudesse lutar no final… tudo bem. Pensando agora, ele podia ter usado o pneu médio e melhorado ainda mais, mas é um bom começo. ”

O eventual vencedor da corrida, Andrea Dovizioso, foi consistentemente mais rápido que a Suzuki de Rins no Qatar, mas Brivio está confiante de que o circuito Termas de Rio Hondo é muito mais adequado ao espanhol da GSX-RR: muito rápido em todo o resto do circuito.

“Todos sabem que sofremos nas retas. Especialmente no Qatar, é provavelmente uma das piores pistas para nós… Mesmo em Austin, não sofremos tanto assim. É muito encorajador ver como somos competitivos na maior parte do circuito e isso dá-nos esperança de que, talvez a partir daqui, possamos usar as vantagens da nossa moto. ” – rematou o Italiano, que conta com o único técnico Argentino no paddock, José Manuel Caseaux.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Moto GP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png