MotoGP, pai e filho: Yvon, Mario e Miguel Du Hamel

Por a 23 Dezembro 2019 16:00

Desta, trazemos-lhes não uma dupla, mas uma tripla, pois são dois os filhos de Yvon Du Hamel, Mário e Miguel, que se dedicaram às corridas a seguir as pegadas do pai extraordinário. De facto, hoje quase esquecido, o pai Yvon era um daqueles sobredotados que ganhou corridas em motos, carros, e até motos de neve, por vezes fazendo valer o seu talento para superar condições precárias!

Yvon Duhamel (nascido a 17 de Outubro de 1939 em Montreal no Canadá) venceu o Campeonato do Mundo de Snowmobile e também era um corredor de pistas de gelo muito ativo, usando caneleiras de hóquei para permitir maior inclinação, raspando o joelho no gelo em vez de simplesmente deslizar o pé como os corredores de pista habituais.

Duhamel é mais lembrado como membro da equipa de fábrica da Kawasaki durante a década de 1970, juntamente com os colegas Gary Nixon e Art Baumann. Ele tornou famoso o No. 17 na Kawasaki de fábrica verde fluorescente, número mais tarde usado em homenagem pelo seu filho Miguel.

Yvon teve um interesse precoce em bicicletas e, aos 13 anos, estabeleceu uma pequena loja. Aí, adquiriu uma Whizzer, uma bicicleta com motor auxiliar de 2cv, com que andava por Montreal. Quando um amigo o deixou experimentar uma Triumph 500 TT100, a aceleração impressionou tanto Yvon que, na semana seguinte, ele comprou uma. A partir daí, as coisas começaram a mover-se muito rapidamente.

Aos 17 anos, começou a correr no gelo e, no ano seguinte, em pistas de terra. Usando uma Triumph emprestada, e capacete e equipamento de equitação, terminou em segundo na sua primeira corrida em pista de terra no Quebec.

O seu talento óbvio chamou a atenção de George Davis, uma figura-chave na história do motociclismo canadiano, que logo tomou Yvon sob sua asa. Davis forneceu-lhe BSAs para corridas de terra e corridas de pista, e máquinas CZ e Jawa para corridas de motocross e no gelo. Yvon terminou em 13º na sua primeira corrida de pista em Harewood Acres em 1961, mas venceu mais tarde naquele ano. Esses sucessos iniciais estabeleceram o padrão para o que se tornaria uma carreira de corridas sem paralelo!

Yvon ganhou o prestigiado White Memorial Trophy da CMA, a Federação do Canadá, por “Melhor desempenho de um piloto canadiano em todas as disciplinas”, pelo menos seis vezes. As suas primeiras vitórias foram em 1961 e 62, e depois em quatro anos consecutivos, de 1965 a 1968. Isso nunca foi repetido. Em pista de terra, ele já usava a placa do No. 1 em 1963-65-66-67 e 1968. Foi campeão do Canadá em 1962, ’65, ’66, ’67 e ’69.

Yvon e Mário em 1988

As suas máquinas de velocidade também exibiam a placa com o No. 1 em 1967, e ele teve o cobiçado No. 1 no motocross em 1965 e 1966.

Isso foi precedido por um campeonato de 250 cc em 1964. Nas corridas de gelo, Yvon venceu o campeonato sénior da CMA 500 em 1961 e 1962 e o campeonato de 500 em 1968. Os registros da CMA também mostram um segundo lugar no campeonato nacional de trial de 1968. Em 70 corridas de motocross, ele registou 53 vitórias, 13 segundos, três terceiros e uma queda!

A seguir Yvon virou-se para Daytona e deu ao seu novo patrocinador Trevor Deeley vitórias consecutivas na classe de 250 em 1968 e 1969. Numa Yamaha 350, também ficaria em segundo lugar nas 200 milhas a seguir ao piloto de fábrica da Harley-Davidson 750 Cal Rayborn.

Yvon foi o primeiro piloto a fazer a tri-oval de Daytona a 250 km/h. Ele e Art Bauman foram os primeiros pilotos de dois tempos a terminar no pódio na Daytona 200. Muitas vitórias nos EUA e no Canadá se seguiriam com a Yamaha Deeley.

 

Outros fabricantes interessaram-se pelos talentos de Yvon, e a Kawasaki contatou-o com uma oferta de pilotar para a fábrica. Pela estreita amizade com Trevor Deeley antes de tomar uma decisão, disse a Trevor, que deu a Yvon a sua benção.

A Kawasaki tinha modelos ultrarrápidos de três cilindros de 500 e 750 a dois tempos, e precisavam de um piloto experiente para lidar com a entrega de potência explosiva.

Yvon provou ser um dos poucos pilotos do mundo que podiam dominar essas máquinas. Ele recompensou a Kawasaki, dando-lhes sua primeira vitória na AMA em Talladega, Alabama, em 1971.

De 1971 a 1973, Duhamel foi o principal piloto da Kawasaki, conquistando nada menos que cinco vitórias nacionais para a equipa verde. Uma série de falhas mecânicas e um acidente aqui e ali impediram mais sucessos. O lema de Yvon parecia ser: “Vencer, partir ou cair”!

No final dos anos 60, Yvon também participava ocasionalmente de eventos da AMA Grand National. O seu melhor resultado foi um sexto lugar na milha de Sacramento. Somente a falta de maquinaria competitiva impediu mais sucesso nessa área.

De 1974 a 1976, Yvon venceu muitas corridas de produção, que acabariam evoluindo para as Superbike, para a Kawasaki na sua 900 Z1.

Em meados da década de 1970, Duhamel já corria no estrangeiro. Em 1975, deu à Kawasaki o melhor resultado do ano, ficando em quinto no TT holandês de 250.

Ele também foi piloto de fábrica do mundial de Endurance competindo nas 24 horas de Le Mans e Bol d’Or numa KZ1000 de origem altamente modificada.

A série Transatlantic, que via os EUA correr contra a Grã-Bretanha em meados dos anos 70, foi outra arena em que Yvon se destacou. Foi o grande vencedor em 1973 e foi nomeado capitão da equipa dos EUA em 1974. Venceu uma corrida de Fórmula 750 em Assen, na Holanda, e noutra ocasião terminou em segundo atrás do lendário Giacomo Agostini, perdendo apenas pelo tempo necessário para reabastecer a sedenta Kawasaki.

A NASCAR stock car também entra em cena com o 10º lugar de Yvon em North Wilkesboro, Carolina do Norte, contra nomes como Richard Petty, Donny e Bobby Allison, Cale Yarborough e Buddy Baker! Em corridas de carros desportivos, Yvon venceu uma corrida de resistência de seis horas num Porsche 911.

Em Mosport, num Datsun 240Z, depois de arrancar da traseira do pelotão, no molhado, num campo de mais de 30 carros, Yvon estava em segundo lugar na primeira volta e venceu a corrida! O Datsun, por falar nisso, era um carro normalmente usado para rebocar um Corvette para as provas!

Seguiram-se as motos de neve. Como piloto de fábrica da Ski-Doo, na sua primeira temporada em 1970, Yvon venceu o campeonato mundial em Eagle River, Wisconsin. Estabeleceu um recorde de velocidade em terra de 211 Km/h e ganhou 3 vezes o desafio Winnipeg para St. Paul em 1972. Numa dessas vezes, completou o primeiro dia em apenas um ski! O outro tinha-se partido no início da corrida.

Mario DuHamel em GSXR750

Porém os filhos não ficaram atrás… Crescendo em pistas de corrida onde Yvon corria, Mario e o seu irmão mais novo, Miguel, estavam quase predestinados a tornar-se pilotos também. Mario começou no motocross, e em 1978, tornou-se campeão júnior de 250 no Quebec, ficou em segundo lugar na classe de 125 e ficou em terceiro na série nacional de 250. Em 1979, tornou-se campeão do Quebec de 125 e campeão canadiano de 250 cc.

Além de ser sete vezes campeão canadiano, Mario rodou no cenário mundial, chegando ao segundo lugar nas prestigiadas corridas de resistência francesas das 24 horas em Le Mans e Paul Ricard. A sua equipa ficou em quarto nas 24 horas de Spa na Bélgica e ficou em quarto lugar geral na classificação mundial da série de resistência por dois anos consecutivos.

Como piloto de gelo com status amador, ganhou os títulos de Quebec de 250 e 500, o campeonato nacional de 250 e ficou em segundo lugar em 500. Na sua terceira temporada de corridas, Mario venceu a classe de apoio 250 GP nos EUA e ficou em terceiro na geral na ronda de desafio Canadá-EUA, com o melhor resultado canadiano.

Lesões atrapalharam a temporada de 1981, mas Mario continuou a andar de motocross e até participar de corridas de velocidade como amador em 1984.

No ano seguinte, virou profissional e foi selecionado como rookie CMA do ano, uma honra que mais tarde recebeu na AMA também.

Ele ganhou o campeonato canadiano em 1986 e 87 em produção de 600 cc. Em 1988, Yvon decidiu dar exposição ao filho na Europa e o trio entrou no famoso Bol d’Or no circuito de Paul Ricard numa Honda RC30 particular fornecida por um revendedor da Honda em Paris.

O trio ficou em sétimo lugar na geral e foram a primeira equipa privada. Foi o início de um período de seis anos para Mario na série mundial de resistência.

O resultado chamou a atenção da Honda e em 1989 eles tiveram o apoio de fábrica da Honda France, terminando em segundo lugar no geral. Com a mesma equipa, Mario conquistou o quarto lugar nas 24 horas de Le Mans.

Durante os quatro anos seguintes, Mario continuou a correr no mundial de resistência, geralmente acabando nos cinco primeiros lugares, avarias aparte. A corrida final de Mario em França foi as 24 horas de LeMans de 1993 onde a sua equipa privada Honda terminou segunda à geral, o melhor resultado de sempre para um piloto canadiano.

As suas vitórias continuaram com uma vitória no campeonato Superbike do Quebec em 1992, pilotando uma Honda RC30.

Em 1993, Mario ganhou o seu sétimo título consecutivo de Supersport Open no Canadá numa GSX-R patrocinada pela Suzuki Canadá.

Também ficou em quinto lugar em Daytona em 750 Supersport em 97 e venceu a classe em Laguna Seca em 98 na sua Suzuki Hooters. Ainda ficou em terceiro na série AMA 750 Supersport de 1998 e em sexto na Formula Extreme antes de pendurar o fato nas corridas profissionais.

Miguel é dos pilotos AMA de maior sucesso

O irmão mais novo Miguel Duhamel venceu a Daytona 200 de 1991, ao substituir o lesionado Randy Renfrow e também venceu sete corridas a caminho de vencer o Campeonato AMA SuperSport.

Venceu o Campeonato Mundial de Endurance de 1992 com a Kawasaki France. Também terminou em décimo segundo lugar no Campeonato do Mundo de 500cc naquele ano, a única vez que disputou a classe pela Yamaha France.

Depois, foi campeão de SuperSport de 1993 numa Kawasaki ao vencer sete corridas. Venceu a final da AMA Superbike em Sears Point batendo Doug Polen por uns centímetros.

Em 1994, a Harley-Davidson escolheu Duhamel para correr na sua VR1000 Superbike, e foram as únicas vezes que a Harley VR1000 liderou uma corrida de Superbike da AMA.

Duhamel tornou-se o primeiro canadiano a ganhar o título da AMA Superbike em 1995.

Foi nomeado Atleta Profissional da AMA em 1995, com seis vitórias consecutivas na AMA Superbike, o que quebrou o recorde de cinco vitórias de Wayne Rainey.

Duhamel também dominou o campeonato de SuperSport ao vencer nove dos 11 eventos.

As suas oito vitórias consecutivas quebraram o recorde de Doug Polen e terminou em terceiro e quarto lugar na ronda do Mundial de Superbike nos EUA.

Em 1996, tornou-se o vencedor das SuperSport com a sua 28ª vitória de carreira. Duhamel venceu o seu quarto Campeonato de SuperSport, depois de subir ao pódio em apenas três eventos. Igualmente venceu quatro corridas de Superbike (Daytona, Pomona, Homestead e Loudon) e conquistou seis pódios em dez eventos.

Ele ganhou outro título de SuperSport em 1997, com cinco vitórias e dois pódios adicionais a caminho do seu quinto campeonato da série.

Depois venceu quatro corridas de Superbike em 1998 antes de sofrer um acidente no final da temporada no New Hampshire International Speedway. Ainda tinha lesões por sarar quando a temporada de 1999 começou, mas surpreendeu a multidão ao vencer os eventos AMA Superbike e Supersport de Daytona, que abrem a temporada.

Ainda terminou em segundo lugar em Sears Point nas SuperSport antes da sua temporada ser interrompida por um acidente em Road Atlanta.

A seguir, Miguel venceu o evento Brainerd de 2000 no Campeonato de Superbike. Também ganhou o evento Road America e mais quatro pódios da AMA Superbike em 2001 para a Honda.

Venceu as corridas da AMA SuperSport em Daytona, Mid-Ohio e Brainerd e também teve cinco pódios na Superbike para terminar em terceiro nos pontos.

Em 2003, Duhamel estava com a Honda americana e ganhou a sua quarta vitória na AMA Superbike em Daytona, com sete aparições adicionais no pódio da série.

Ele também correu na AMA Supersport, conquistando uma vitória em Brainerd International Raceway e mais dois pódios da série.

Duhamel venceu a Daytona 200 em 2004 com sete pódios adicionais.

Depois, ainda ganhou o campeonato AMA Formula Xtreme 2004 e 2005 com quatro vitórias e cinco segundos lugares em nove eventos.

Em 2006, teve um wild card para a Honda Gresini no Grande Prémio dos Estados Unidos, em Laguna Seca, substituindo Toni Elias, lesionado. Duhamel sofreu um acidente enquanto treinava em Road Atlanta em 2007, sofrendo um fígado lacerado e um pulmão perfurado.

Em 2008, Duhamel novamente correu para a Honda na AMA Superbike, e conquistou cinco resultados entre os cinco primeiros.

Em 2012, ainda venceu a corrida FIM e-Power e TTXGP, apesar de uma pausa de três anos na competição.

Em Fevereiro de 2016, Miguel Duhamel, segundo piloto mais vencedor na AMA Superbike (32 vitórias contra as 72 de Mat Mladin) anunciou que regressaria para competir no clássico Bol d’Or.

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x