MotoGP: Andrea Dovizioso à procura de mais

Por a 30 Julho 2019 16:30

Andrea Dovizioso teve um bom início de época em 2019. Uma vitória, mais três pódios, nunca terminando abaixo do quinto lugar e uma série de exibições combativas em corrida após péssimas qualificações sugerem que o italiano está a rodar tão bem como sempre.

Mas a classificação do Campeonato Mundial conta outra história. O italiano de 33 anos está em segundo, mas uns impressionantes 58 pontos atrás do atual campeão e eterno inimigo Marc Marquez.

Qualquer hipótese de garantir aquele título esquivo de MotoGP parece ter desaparecido por mais um ano, e a conversa no Sachsenring centrou-se na necessidade da Ducati ter “uma estratégia para o futuro… Temos de criar uma situação diferente e estar mais focados” nas fraquezas da moto, disse Andrea então.

Não fosse por Márquez, Dovizioso seria considerado como tendo um ano tão forte e competitivo como 2017 e ’18. Mas quando o seu rival termina em primeiro ou segundo em todas as corridas que acaba, apenas a perfeição será suficiente.

Tudo começou bem, com uma emocionante vitória do italiano no Qatar, que mostrou todas as suas melhores características: estratégia, conservação de pneus e manter a cabeça fria quando realmente importa. O terceiro e quarto lugares nas duas corridas seguintes viram-no chegar à Europa como líder do campeonato.

No entanto, ele foi impotente para parar Marquez em Le Mans e teve que dar lugar ao companheiro de equipa Danilo Petrucci em Mugello. O acidente descuidado de Jorge Lorenzo, que derrubou Dovizioso e outros dois em Barcelona, ​​deu a Marquez, que escapou ileso, o espaço para respirar na corrida pelo título que lhe faltava até então.

A partir daí, o desafio da Ducati no campeonato desvaneceu. Uma razão para isso foi a incapacidade da Ducati de resolver as deficiências de mudança de direção da Desmosedici GP19, que constituíram o grande problema em Assen e Sachsenring.

Em comparação com os fabricantes rivais Suzuki, Yamaha e, em menor medida, a Honda, Dovizioso e Co. perderam terreno devido às rápidas mudanças de direção e curvas longas, feitas na maior parte na borda dos pneus.

Nem mesmo um novo chassis, introduzido no teste do Barcelona, ​​poderia ajudar neste aspecto, com Dovizioso a comentar como a entrada em curva tinha melhorado, mas não onde a Ducati mais precisava. Em vez disso, a máquina deste ano melhorou principalmente os pontos fortes de 2018.

O seu motor 19, nova carenagem aerodinâmica e o controverso spoiler ligado ao braço oscilante da moto contribuíram para a aceleração. A moto – e Dovizioso – também permanece formidável nos travões. Mas a Honda avançou com o seu motor de 2019, erradicando grande parte da vantagem de velocidade máxima da Ducati. E as melhorias da Yamaha e Suzuki tornaram os pódios ainda mais difíceis de atingir.

Brno e a Áustria devem dar a oportunidade a Dovizioso de recuperar a sua época. Mas ele espera que a Ducati possa trazer algo para o teste de Brno, que irá curar as dificuldades de entrada em curva e tirá-los desse “momento crítico”.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png