Moto GP história: Quase, quase, Graeme Crosby, Parte 2

Por a 3 Maio 2020 17:00

Vimos como Graeme Crosby, mesmo sem nunca ter ganho um Grande Prémio, foi vice-Campeão Mundial de 500 em 1981, apesar de também correr nas grandes 4T da época.

Na sua estreia no Mundial de 500, Crosby deixou uma forte impressão ao conquistar a pole position na abertura da época, no Grande Prémio da Áustria, realizado no rápido Salzburgring. Crosby liderou nas duas primeiras voltas antes de terminar no segundo lugar atrás de Mamola. Repetiu como vencedor da pole position no Grande Prémio da Alemanha realizado em Hockenheim.

Depois de liderar a corrida por meia volta, um deslize do pneu dianteiro fez com que perdesse a confiança nos pneus, no entanto, ainda conseguiu terminar a corrida no segundo lugar, atrás de Kenny Roberts. Na terceira corrida em França, a moto de Crosby sofria de problemas de carburação, o que o forçou a acabar no terceiro lugar. No Grande Prémio da Jugoslávia realizado no Automotodrom de Grobnik, Crosby inicialmente lutou pela liderança, mas, mais tarde, admitiu que estava fora de forma quando se desvaneceu para um quarto lugar.

As suas esperanças no campeonato foram atenuadas quando caiu à chuva no TT Holandês, e depois, um problema no motor deixou-o em sexto lugar no Grande Prémio da Bélgica, mas, recuperou para terminar em terceiro no Grande Prémio de São Marino.

Crosby ainda conquistou a pole position no Grande Prémio da Grã-Bretanha realizado no Circuito de Silverstone, mas, depois, teve uma queda desastrosa enquanto liderava a corrida, causando quedas de Barry Sheene e Marco Lucchinelli. A sua mota teve mais problemas de carburação que o relegaram para o sexto lugar no Grande Prémio da Finlândia. Terminou a temporada com um quinto lugar à chuva no Grande Prémio da Suécia. Ficou em segundo lugar, juntamente com dois terceiros lugares, terminando em quinto lugar no mundial.

Entre as provas do campeonato do mundo, Crosby também competiu no campeonato nacional britânico de 500cc, usando as rondas britânicas como sessões de teste para desenvolver a sua Suzuki RG 500. Dominou o campeonato nacional britânico de 500cc, vencendo sete das oito rondas.

Ao mesmo tempo, a defesa de Crosby do seu título Britânico de Fórmula 1 TT foi bem sucedida, uma vez que a sua Suzuki GS1000 superou a Honda RC1000 do seu principal rival, Ron Haslam. Das nove corridas que compunham o campeonato, Crosby venceu seis, terminou em segundo uma vez, absteve-se da corrida em Oliver’s Mount em condições de corrida inseguras, e sofreu uma falha no motor na última. Obteve uma vitória controversa na corrida de 1981 da Ilha de Man de Fórmula TT.

Cinco minutos antes da hora de partida, Crosby decidiu montar um pneu slick na sua moto, no entanto, a nova roda tinha uma cremalheira de tamanho errado. O atraso que se seguiu na mudança fez Crosby chegar à grelha de partida 45 segundos depois do tempo alocado.

Os comissários do ACU recusaram-se a permitir que Crosby partisse até que todos os outros competidores tivessem deixado a grelha de partida, cerca de seis minutos depois. Para mais, a direcção de corrida anunciou que Crosby não seria creditado com os seis minutos perdidos, excluindo-o da contenda. Mais tarde, a equipa da Honda alegou que tinha abrandado o ritmo de Haslam e Joey Dunlop ao receber a notícia da penalidade de Crosby, pois o rival principal estava fora de ação.

Crosby na Suzuki 1000 de F1TT

Crosby fez então uma impressionante demonstração de talento de pilotagem ao correr a um ritmo recorde que baixou o recorde da volta de Fórmula TT em 8 segundos.

No final da corrida, Crosby subiu ao terceiro lugar atrás do aparente vencedor Haslam e do segundo lugar Dunlop. No entanto, mais tarde nesse dia, um júri internacional considerou que a ACU estava errada ao não deixar Crosby sair 45 segundos atrasado e deveria tê-lo penalizado em 45 segundos em vez de seis minutos.

A decisão surpresa significou que Crosby foi declarado o vencedor por mais de dois minutos à frente de Haslam! Quando a seguir Crosby terminou no segundo lugar, atrás de Haslam no Grande Prémio do Ulster, conquistou o seu segundo título mundial de Fórmula TT consecutivo.

Em 1982, Crosby acreditava que tinha sido contratado pela Suzuki para correr na sua mais recente moto, a RG500, no campeonato mundial de 500, no entanto, quer por má informação ou erro de interpretação, tornou-se evidente que a Suzuki só lhe ia dar motos do ano anterior. Quando ele já tinha concordado provisoriamente com a Honda competir nos Estados Unidos no Campeonato AMA Superbike, Giacomo Agostini ofereceu-lhe um contrato para correr para a equipa de fábrica da Yamaha, com Graziano Rossi como seu companheiro de equipa.

Antes do início da temporada de Grande Prémio de 1982, Crosby ainda regressou a Daytona em Março com uma Yamaha YZR750 0W31 fornecida pela fábrica e construída a partir de peças sobressalentes, enquanto os seus principais adversários estavam a montar máquinas de 500 atualizadas, mais levez e fiáveis.

Pilotando a um ritmo recorde, Crosby ganhou o prestigiado troféu das 200 Milhas de Daytona, deixando em segundo lugar Freddie Spencer. Seguiu-se-lhe vitória na corrida extra-Campeonato de Imola em Abril, organizada pelo pai do Dr. Costa.

Enquanto a Yamaha tinha introduzido um novo motor V4 de 500cc para a YZR500 de Kenny Roberts, nome de código 0W61, a equipa Agostini-Yamaha foi deixada correr na anterior Yamaha de quatro cilindros em quadrado YZR500 0W60.

Crosby saltou para a liderança no início da temporada, abrindo com o Grande Prémio da Argentina, no entanto, foi forçado a retirar-se após algumas voltas devido a uma falha no veio.

Qualificou-se na pole position para o Grande Prémio da Áustria, mas baixou para o quarto lugar da prova quando encontrou problemas de comportamento com a sua moto. Crosby seguiu isso com mais um quarto lugar no Grande Prémio de Espanha. Um mau começo no início do Grande Prémio das Nações em Itália deixou Crosby no meio do pelotão, no entanto, um ataque decidido viu-o melhorar para terceiro lugar, passando Kenny Roberts antes do final da corrida.

Quando a chuva encharcou o TT holandês em Assen ao fim de apenas seis voltas, Crosby e vários outros pilotos despistaram-se na superfície escorregadia da pista, forçando a interrupção. Depois da corrida ter sido reiniciada, Crosby fez um resultado impressionante ao terminar a segunda parte à frente de Roberts para garantir o quarto lugar na geral.

A sua Yamaha sofreu mais uma falha e exclui-o do Grande Prémio da Bélgica, no entanto, recuperou para terminar o Grande Prémio da Jugoslávia no segundo lugar, atrás do eventual campeão do mundo desse ano, Franco Uncini. Crosby caiu durante os treinos para o Grande Prémio da Grã-Bretanha, arrancando a pele nas palmas das mãos, no entanto, depois de ter ficado fora das sessões de treinos de sábado, lutou valentemente até ao terceiro lugar da corrida.

A Yamaha tinha feito todos os esforços para desenvolver o seu novo motor V4, e tinha parado o desenvolvimento na Yamaha quatro em quadrado de Crosby, fazendo-lhe perder terreno para as equipas adversárias da Suzuki e Honda.

Wes Cooley com Crosby: de rivais a amigos

Quando Roberts foi forçado a abandonar o campeonato devido a lesões sofridas no Grande Prémio da Grã-Bretanha, a sua V4 Yamaha foi dada a Crosby para o Grande Prémio de São Marino, no entanto, depois de ter sofrido uma queda a alta velocidade durante os treinos, o Neo-Zelandês decidiu correr na sua Yamaha que conhecia melhor, terminando em terceiro lugar, atrás de Freddie Spencer e Randy Mamola.

Crosby tentou montar a Yamaha V4 durante os treinos para o final da temporada no Grande Prémio da Alemanha, mas achou a moto, desenvolvida para Kenny Roberts, nervosa demais e declarou que a experiência lhe tinha tirado anos de vida. Ele voltou para a sua Yamaha quatro em quadrado para a corrida, mas caiu enquanto tentava manter o ritmo a competir com uma moto mais velha e lenta.

Mesmo assim, Crosby foi capaz de usar a sua habilidade de pilotagem e determinação para terminar em segundo lugar no campeonato atrás de Franco Uncini, com pódios em Misano, na Jugoslávia, Grã-Bretanha, Suécia e Itália.

No final desse ano, inesperadamente, Crosby abandonou o circuito de Grande Prémio após a temporada de 1982, retirou-se da cena mundial e regressou à Nova Zelândia, depois de se ter desiludido com as políticas internas das corridas do Mundial. Tinha vencido dois Campeonatos do Mundo de Fórmula 1, juntamente com outras grandes corridas da sua época. Porém, no seu tempo no Campeonato do Mundo de 500cc, em 27 partidas, alcançou dez pódios e quatro pole positions, mas nunca ganhou um Grande Prémio.

Após a sua carreira internacional de motociclismo, regressou à Nova Zelândia para se tornar piloto de companhias aéreas comerciais e também competiu em corridas de carros de turismo. O homem que tornou a Moriwaki mundialmente famosa reside atualmente em North Auckland, construindo motos personalizadas e restaurando máquinas antigas.

Graeme foi inscrito no New Zealand Sports Hall of Fame em 1995 e no Motorcycling New Zealand Hall of Fame em 2006.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x