MotoGP, história: Os anos de Kenny Roberts

Por a 20 Março 2020 16:00

Continuamos a nossa série dos Campeões multi-titulados dos primórdios da MotoGP com o primeiro Americano a tornar-se uma lenda mundial, ao vencer 3 títulos de 500 consecutivos entre 1978 e 1980. A sua história é tão rica que impõe a divisão em quatro partes.

Kenneth Leroy Roberts nasceu em Modesto, na Califórnia, a 31 de Dezembro de 1951. Em 1978, tornou-se o primeiro americano a ganhar um título Mundial de 500. Foi também duas vezes vencedor do Campeonato Nacional AMA. De facto, Roberts é um dos únicos quatro pilotos na história da Federação Americana American Motorcyclist Association (AMA) a vencer o Grand Slam da AMA, representando vitórias nos Grand National em corridas de uma milha, meia milha, pista curta oval, TT dirt track e provas de velocidade, que dava o direito a ostentar a cobiçada placa #1. Ou seja, o número 1 tinha de ser ao mesmo tempo Campeão de Motocross, Speedway e Velocidade, se quiserem.

Roberts deixou a sua marca nos Grand Prix como piloto vencedor do Campeonato do Mundo 3 vezes consecutivas entre 1978 e 1980, mas também como um defensor acérrimo do aumento dos padrões de segurança nas corridas, e como dono de uma equipa de corridas e construtor de chassis. O seu estilo de condução em pista de terra mudou a forma como as motos de Grande Prémio eram pilotadas.

A proposta de Roberts de criar um campeonato rival ao GP em 1979, as World Series, quebrou a hegemonia da Fédération Internationale de Motocyclisme (FIM) e aumentou a influência política dos pilotos de Grande Prémio, o que levou posteriormente a uma melhoria dos padrões de segurança e a uma nova era de profissionalismo no desporto. Em 2000, Roberts foi nomeado Lenda dos Grandes Prémios pela FIM.

Os pais de Kenny Roberts eram Alice e Melton “Buster” Roberts. Quando criança crescendo numa área agrícola, Roberts estava originalmente interessado em andar a cavalo e um dia, por curiosidade, aos 12 anos, experimentou uma mini moto que havia na quinta aonde se deslocava para montar. A partir dai, Roberts esqueceu os cavalos. O jovem acabaria por construir a sua própria moto, ligando o motor do cortador de relva do pai a um quadro de bicicleta.

Roberts iniciou a sua carreira em corridas de pista de terra depois de ter participado numa corrida local em Modesto e decidiu que queria competir sozinho. O pai comprou-lhe uma Tohatsu, mas uma vez que se revelou pouco competitiva em corridas, mudou-se para uma Hodaka mais potente.

Roberts mostrou um talento natural para corridas em terra e começou a ganhar frequentemente em corridas locais. Em 1968, os seus resultados chamaram a atenção de um concessionário local da Suzuki, Bud Aksland, que se ofereceu para patrocinar Roberts a bordo de uma Suzuki.

Kenny Roberts tomou a decisão de abandonar o liceu antes do último ano para prosseguir uma carreira em motociclismo e foi autorizado a competir profissionalmente aos 18 anos. No dia seguinte ao seu 18.º aniversário, entrou na sua primeira corrida profissional em São Francisco, terminando em quarto lugar.

Apercebendo-se de que Roberts precisava de mais ajuda para progredir, Aksland apresentou Roberts ao piloto da aviação comercial e piloto amador de moto Jim Doyle, que se tornaria o manager pessoal de Roberts.

Em 1971, Doyle e Roberts contactaram a distribuidora americana Triumph para um patrocínio, mas disseram-lhe que Roberts era demasiado pequeno para uma das suas motos. Em seguida, recorreram aos importadores da Yamaha, que concordaram em fazer de Roberts piloto de fábrica aos 19 anos.

A Yamaha pediu ao chefe do seu programa de corridas, o antigo campeão mundial de 250 cc Australiano Kel Carruthers, para ajudar a orientar a carreira de Roberts. Isso marcou o início de uma longa e produtiva relação entre os dois homens. Carruthers afastou-se da competição após a temporada de 1973 para se concentrar a tempo inteiro na gestão de Roberts e da Yamaha no Campeonato Nacional AMA, uma série que abrangia eventos em quatro disciplinas distintas de pista de terra, mais a velocidade.

Em 1971, Roberts ganhou o Prémio de Rookie do Ano da AMA. Na sua primeira corrida profissional como piloto de classe especializada em 1972, obteve a vitória no Houston Astrodome e ganhou nome nesse ano ao lutar contra a dominante equipa da Harley-Davidson a bordo de uma Yamaha XS 650, compensando o seu défice de potência com pura determinação e estilo espetacular. Terminou a temporada em quarto lugar. Em 1973, apenas na sua segunda temporada como especialista, Roberts ganhou o campeonato nacional, acumulando um recorde de 2.014 pontos nas 25 corridas.

Tal era o seu grau de controlo em terra que é famoso o seu comentário quando viu “speedway” Europeia pela primeira vez, “só não entendo porque vocês põem o pé no chão!”

Roberts tinha um talento natural para andar de mota em superfícies de terra, mas em alcatrão, era desconcertante sentir a moto derrapar por baixo dele em curva. Durante uma corrida em Ontário, observou o finlandês Jarno Saarinen a deslocar o peso do corpo para o interior da curva, pendurado na moto.

Roberts tentou a técnica e descobriu que ajudava a estabilizar a moto. Adotou o estilo e exagerou a mudança corporal mais do que Saarinen até que o joelho se apoiou e começou a deslizar na superfície da pista. Com a sua nova técnica, Roberts começou a destacar-se em provas de corridas de estrada. As motos Yamaha começavam a dominar nas corridas de velocidade, onde a Yamaha TZ750 era a moto dominante da época.

Nas 200 Milhas de Daytona de 1974, depois do primeiro líder Gary Nixon abandonar, Roberts lutou pela liderança com o antigo campeão do mundo de 500 cc, Giacomo Agostini, antes de um motor sobreaquecido o obrigar a contentar-se com o segundo lugar.

Em Abril de 1974, Roberts aventurou-se pela primeira vez na Europa para competir nas prestigiadas 200 Milhas de Imola 200 para motos de 750 cc, criadas pelo pai do Dr. Costa para imitar Daytona na Europa. Fez uma impressão positiva ao competir contra os melhores do mundo, terminando mais uma vez em segundo lugar atrás de Agostini.

Viajou então para Inglaterra com uma equipa de pilotos americanos para competir contra a equipa britânica nas corridas do Transatlantic Match de 1974. A crença convencional na época era que os pilotos americanos, que competiam maioritariamente em corridas de pista de terra, não podiam correr em asfalto ao mesmo nível dos pilotos britânicos, especialistas em provas de velocidade.

Roberts dissipou essa noção ao vencer três das seis corridas e terminar em segundo nas outras três para ser o melhor marcador de pontos individual da prova, com 93 pontos, mais cinco do que Barry Sheene, o melhor piloto britânico.

Nos EUA, voltou ao Grand National de 1974 e ganhou a sua primeira corrida de velocidade em Road Atlanta em 2 de Junho de 1974, antes de vencer também em Peoria para completar um Grand Slam, com vitórias em cada uma das cinco provas diferentes do calendário do Grand National.

Assim conquistou o seu segundo título nacional consecutivo, vencendo seis corridas e superando o seu recorde de 1.973 pontos ao marcar 2.286 pontos, arrecadando pontos em todas as 23 corridas. Roberts também entrou na sua primeira prova de campeonato do mundo, conquistando a pole antes de terminar em terceiro no TT holandês de 250 de 1974.

O Californiano continuou os seus sucessos na velocidade em 1975, vencendo três das quatro corridas do Transatlântico em 1975.

Depois de ter vencido o campeonato nacional em 1974, Roberts enfrentava uma batalha cada vez mais difícil em corridas de terra, com a Harley-Davidson a melhorar a sua XR-750 Dirt Tracker enquanto a Yamaha lutava para manter o ritmo.

(continua)

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x