MotoGP: Miller fala sobre as vidas perdidas em 2021

Por a 10 Outubro 2021 23:31

Jack Miller é considerado um temerário, que gosta de lançar slogans vigorosos como recentemente fez no Texas, contrariando a maioria dos pilotos que estavam contra o piso incerto do Circuito das Américas. O australiano fala abertamente sobre os perigos do motociclismo.

Depois dos trágicos acontecimentos com os jovens pilotos este ano, surge-nos uma questão lógica. Será que os pilotos de Grandes Prémios, especialmente os mais jovens, obtêm apoio suficiente da Dorna quando acontecem tragédias como as de Jason Duspasquier, Hugo Millán e Dean Berta Viñales?

“Essa é uma pergunta difícil”, responde Jack Miller. “Quando crescemos como criança na Austrália, deparamos-nos com esses incidentes. Quando eu tinha sete anos, ouvi em todas as corridas dos Riders Briefings: ‘Correr de moto é perigoso.’ Sempre nos disseram para usar equipamento de segurança profissional, caso contrário, podiamos morrer ou ficar gravemente feridos. Sempre existe o perigo … Perdi vários amigos em acidentes de corrida, alguns deles ainda muito novos. Às vezes é difícil de digerir. “

Há duas semanas, Scott Redding reclamou da falta de apoio dos organizadores da corrida. Redding  fazia alusão ao GP de Misano 2010 quando atropelou o japonês Shoya Tomizawa, que morreu no local do acidente, na corrida de Moto2 – e depois não teve apoio psicológico no paddock.

“O nosso desporto é duro, é brutal. Mas também faz parte da empolgação do motociclismo ser tão bruto e perigoso ”, resumiu Miller.

“Coisas assim como aconteceu com Dean Berta Viñales podem acontecer … Mas todo piloto deve ter uma equipa decente ao seu redor que lhes dê apoio mental nessas fases. Pessoalmente, nunca estive diretamente envolvido num acidente fatal, felizmente, então não posso dizer nada específico sobre isso. Mas já vi dramas como esse nos Grandes Prémios várias vezes. Lembro que tinha apenas 16 anos quando Marco Simoncelli sofreu um acidente fatal em Sepang, aquele foi quase o meu terceiro Grande Prémio nas 125cc. Foi trágico e fica-nos na cabeça.

“Lembro por exemplo como os espectadores atiraram garrafas vazias aos mecânicos quando foi anunciado na parede das boxes que a corrida de MotoGP não seria reiniciada depois de ter sido cancelada. Ninguém se esquece de cenas como essa. “

“Mas não há maneira fácil de superar eventos tão trágicos”, diz Jack. “É terrível o que aconteceu este ano. É pior do que terrível! A pior parte é que as vidas de muito jovens foram perdidas. Olhe para Dean Viñales. Ele nasceu em 2006, não faz muito tempo. Coitado! Pobre criança, é terrível. Um dos jovens pilotos que se envolveu no acidente na corrida Supersport 300 em Jerez é o australiano Harry Khouri. Como eu, ele mora em Andorra. Ele está arrasado.

Alguns vão parar de correr por causa disso. Mas acho que não é esse o caminho a seguir, porque eles fazem o que amam. Todos sabemos que esses riscos existem e que tais tragédias podem acontecer. Mas ninguém quer pensar nisso, ninguém quer lidar com isso, temos que suprimir isso de alguma forma, mas não podemos descartar o perigo. “

 “Pode-se melhorar as condições para tornar a corrida mais segura. Temos discussões sobre as condições na Moto3. Mas também nas Supersport 300 as motos são muito rápidas e têm muitos pilotos. E essas são motos de rua, por isso são significativamente mais pesadas do que uma Moto3. As grelhas de partida cheias aumentam a hipótese dos pilotos não conseguirem escapar a um acidente grave. A chance de uma colisão dobra ou triplica …

Este ano foi particularmente mau, mas não podemos permitir que três adolescentes percam a vida em quatro meses. Acho que falo por todos os meus colegas quando digo que odeio ir a esses minutos de silêncio. Lamentamos pilotos que eram tão jovens. Não pode continuar assim sob nenhuma circunstancia!”

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x