MotoGP, 2021: Jack Miller fala em mudanças principais para 2021

Por a 11 Fevereiro 2021 15:00

O australiano falou com a imprensa sobre o que será diferente agora que está a usar o vermelho da famosa fábrica Ducati.

“Pelo menos já estou na Europa”

Jack Miller

2021 é, sem dúvida, o maior ano da carreira de Jack Miller no MotoGP até agora. Uma passagem para o seio da Ducati Lenovo é um sonho tornado realidade para o australiano, que foi visto a usar o vermelho da fábrica de Bolonha pela primeira vez no lançamento da equipa esta terça-feira.

É inegavelmente uma grande jogada para Miller, que se junta aos compatriotas Troy Bayliss e Casey Stoner para se tornar mais um piloto australiano da Ducati. Mas é uma grande jogada que não está a perturbar o jovem de 26 anos, que está prestes a entrar no seu quarto ano como piloto da Ducati no MotoGP e no seu sétimo na classe.

Hoje em dia, com 26 anos, Miller é um piloto experiente, tendo completado 99 corridas de classe rainha, e nesse tempo já contabilizou 10 pódios.

Este ano, porém, espera mais de si mesmo. 2021 é o ano em que Miller espera lutar e conquistar a cobiçada coroa do Campeonato do Mundo.

Visto como um outsider, qualquer salto de uma equipa independente para uma equipa de fábrica é grande e o mesmo vale para Miller.

No entanto, as coisas não vão mudar assim tanto para o número 43, agora que ele saltou para a garagem ao lado.

Após a apresentação, Miller sentou-se com membros da imprensa e teve uma conversa sobre os seus sentimentos gerais antes da próxima temporada, logo após Luigi Dall’Igna (Ducati Corse General Manager) e Paolo Ciabatti (Diretor Desportivo ducati Corse) terem feito o mesmo.

Com Miller, o chefe da tripulação, Christian Pupulin, bem como o seu engenheiro eletrónico,  deram o passo com ele para a equipa de fábrica. O vencedor de MotoGP explica a importância que isto pode ser não só para o piloto, mas para toda a equipa, e como já conhece muitas das pessoas com quem vai trabalhar em 2021.

“Quer dizer, é o que, 9 de Fevereiro? Já estou na Europa, por isso isso já é uma mudança. Normalmente ainda estaria em casa”, brincou Miller, quando questionado sobre quais são as principais coisas que vão mudar agora que é piloto de fábrica.

“Para além disso, há muito mais a fazer e coisas assim, mas na boxe, a maior diferença será a mão de obra. Terei muito mais caras atrás de mim a apoiar-me, trabalhando comigo e a garagem vermelha é o foco principal.”

“Compreender como abordar os fins de semana de corridas será um pouco diferente, por isso é o mais importante, com certeza. Não vai mudar muito, já temos uma relação muito próxima entre a equipa Pramac e Ducati, por isso já conheço a maioria dos tipos com quem estou a trabalhar. Fiz piadas com eles nos últimos três anos, a tocar música ao lado e coisas assim, a aborrecê-los, para que todos soubessem exatamente como eu sou. Isso é uma coisa boa, não é uma grande mudança, é apenas uma garagem mais ao lado .”

“É bom manter os mesmos rapazes, construir uma relação e perceber como é que trabalham ao longo dos anos. Acho que o sistema que a Ducati tem agora ao tentar manter os rapazes juntos é muito, muito bom porque o piloto está motivado, a equipa à volta do piloto está motivada e acho que não só o piloto quer vestier as cores vermelhas, mas a equipa quer estar nas cores vermelhas. Todos estão motivados para o mesmo objetivo: tentar trabalhar na equipa de fábrica e ficar lá e estar por cima. Por isso, vai ser ótimo levá-los para a frente, da forma como a Ducati está a trabalhar agora, especialmente com a entrada dos jovens pilotos, é uma ótima maneira de avançar.”

Miller era um jovem quando se mudou para a Ducati da Honda antes da temporada de 2018. Nove pódios depois, cresceu como pessoa e como piloto na sua passagem de três anos – até à data – pela marca Bolonha, e reconhece o quanto a Ducati o ajudou nas últimas temporadas a tornar-se um corredor de primeira.

Deram-me as ferramentas para crescer. Nunca é fácil, ter contratos de um ano nunca é fácil, mas é o que é. Mas isso ajuda a saber que tens de provar o teu valor, e isso ajudou-me a amadurecer como o piloto que acho que sou. E envelhecer, acho que ajudou. Já não sou uma criança. E eles a darem-me as ferramentas para me ajudarem a continuar a crescer. No sistema Ducati, se puderes mostrar que estás bem, então as atualizações virão sempre, acho que ajudam a fazer crescer um piloto assim.”

Juntando-se a Miller, Bagnaia e Johann Zarco (Pramac Racing) no ranking da Ducati estão três estreantes: Enea Bastianini (Avintia Esponsorama Racing), Luca Marini (SKY VR46 Avintia Racing) e Jorge Martin (Pramac Racing).

É uma nova formação para a marca italiana a toda a linha, com Miller agora o mais experiente no grupo. Um ano emocionante aguarda o australiano no novo visual da Ducati.

5 1 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x