MotoGP, 2021: Equipa satélite Suzuki?

Por a 12 Dezembro 2020 15:00

A marca tem falado da possibilidade de adicionar uma equipa cliente com motos satélite à grelha, mas só vai decidir no início de 2021

“Em Fevereiro ou Março chegará o momento em que terá de ser tomada uma decisão

Davide Brivio

Davide Brivio há muito que queria uma equipa cliente da Suzuki no Campeonato do Mundo de MotoGP. Depois de Joan Mir ganhar o título, gracejou: “Talvez uma equipa seja suficiente, afinal.”

Dos seis fabricantes da classe rainha do Campeonato do Mundo de Motociclismo, apenas a Suzuki e a Aprilia não têm uma equipa cliente com motos satélite- e ambas falam nessa possibilidade.

“Todos os anos, o tema surge em conversa”, diz Davide Brivio, que repetidamente sublinhou que dois pilotos com GSX-RR adicionais seriam úteis na grelha.

O tema é particularmente interessante tendo em conta 2022, porque após a próxima temporada, expiram os contratos de cinco anos entre a empresa de marketing Dorna, os fabricantes e as equipas clientes.

Será que o team manager da Suzuki acredita que depois da temporada de 2020 de grande sucesso, será mais fácil convencer os topos no Japão a fornecer uma segunda equipa no futuro?

“Não sei, temos de falar sobre isso no Japão e decidir nos próximos meses se vamos fazer alguma coisa para 2022. Talvez agora tenham a sensação de que basta ter apenas dois pilotos de fábrica, porque tem sido uma boa temporada. Talvez uma equipa seja suficiente”, riu-se Brivio, olhando para o seu campeão do mundo de MotoGP, Joan Mir, o título de equipa da Suzuki Ecstar e terceiro na geral para Alex Rins.

“É uma piada, a sério, ainda teremos conversas sérias com a nossa direção. É claro que já o mencionámos, mas em Fevereiro ou Março chegará o momento em que terá de ser tomada uma decisão. Caso contrário, seria demasiado tarde para organizar peças sobressalentes e tudo para 2022”, disse o italiano.

Qual é a opinião sobre uma equipa cliente do gestor de projetos da Suzuki, Shinichi Sahara?

“É difícil dizer porque só trabalhei com duas motos em campo. É claro que é algo que estamos a olhar para o futuro, mas para lá chegarmos, há muitos passos diferentes a tomar. Os outros fabricantes, exceto a Aprilia, têm uma equipa satélite no paddock. Acho que a nossa hora vai chegar!”

“Para ser franco, obtemos um monte de feedback útil da nossa experiente equipa de testes”, acrescentou Sahara. “O contributo dos nossos pilotos de testes, Sylvain Guintoli, Takuya Tsuda e Naomichi Uramoto, é excelente e indispensável. Mas a informação extra de uma equipa satélite pode tornar-se mais importante para nós, a fim de manter ou melhorar a nossa competitividade no futuro.”

No entanto, a lista de possíveis parceiros da Suzuki é limitada, uma vez que a KTM Tech3, a Ducati Pramac e a Honda LCR todas querem trabalhar com o respetivo fabricante a longo prazo.

Wilco Zeelenberg, team manager da Yamaha Petronas, disse quando questionado sobre a opção Suzuki:

“Ganhámos seis corridas de MotoGP este ano e não creio que nos juntaríamos rapidamente a outro fabricante.”

Sobretudo depois do acordo entre a Suzuki e a Monster Energy, a VR46 foi cada vez mais mencionada como candidata, especialmente em Itália. Em 2021, a equipa de Rossi vai apresentar-se pela primeira vez com Luca Marini na classe MotoGP, mas por enquanto ainda não com a sua própria estrutura.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x