MotoGP, 2021, Doha: Yamaha no caminho certo?

Por a 6 Abril 2021 15:00

Viñales e Quartararo exibiram um tipo diferente de YZR-M1 com a sua dupla vitória em Losail, mas continuam com os pés na terra antes de Portimão

“A ultrapassar é muito melhor do que no ano passado, sei onde está o limite!” Fabio Quartararo

A Yamaha Monster Energy teve um par de fins de semana memoráveis no Circuito Internacional de Losail.

Duas vitórias de duas corridas para começar a temporada, uma para Maverick Viñales e outra para Fabio Quartararo, foi uma forma muito convincente de iniciar um grande ano de competição de MotoGP para a marca de Iwata.

Graças a Quartararo, a Yamaha também conseguiu as duas primeiras vitórias da temporada em 2020. Também conseguiram este feito em 2017 com Viñales.

No entanto, a forma como as vitórias vieram em Jerez, sob o sol de julho do ano passado, e as de um Losail iluminado por holofotes, não poderia ter sido mais diferente.

Tanto Viñales como Quartararo lutaram habilmente através do pelotão, chegaram à frente nos instantes finais, e abriram uma pequena vantagem, pouco mais de um segundo de distância, para duas rápidas Ducati.

Duas vitórias de duas não poderiam ter sido uma melhor forma de começar a temporada para a equipa de fábrica da Yamaha, especialmente depois de as aspirações de Viñales e Quartararo se terem perdido em 2020.

Foi uma verdadeira surpresa para a maioria das pessoas que olham de fora ver Viñales abrir o seu caminho através do campo.

No ano passado, nenhum dos quatro pilotos da Yamaha conseguiu fazê-lo.

Todos sabiam que para uma Yamaha ganhar em 2020, teriam de estar a liderar a partir da frente imediatamente.

Todas as sete vitórias de Quartararo, Viñales e Franco Morbidelli no ano passado foram conseguidas depois de saírem bem e entrarem num ritmo inalcançável. Estas duas apresentações do começo de época abriram os olhos a muita gente.

A Yamaha virou uma página, e parece que podem agora vir de trás e encontrar uma maneira de recuperar, a julgar pelo que sucedeu em Losail.

Como vimos, o início de 2021 tem sido único. Os pilotos só correram ainda em Losail e é uma pista que se presta bem à Yamaha YZR-M1.

Uma Yamaha ganhou no Qatar 10 vezes desde que corremos pela primeira vez em Losail em 2004, mais cinco do que o próximo melhor fabricante Ducati, pelo que era de esperar que tudo pudesse correr bem para a Yamaha aqui.

Mas isso nunca é um dado adquirido nas corridas de motociclismo. Especialmente quando a corrida está mais próxima do que nunca, com apenas 8,928 segundos a separara os pilotos nos pontos em Doha.

Depois da quarta vitória no MotoGP, a sua primeira em cores de fábrica, Quartararo falou da importância do GP de Portugal em descobrir o potencial que o pacote de 2021 tem.

A cortina da época em Portimão do ano passado foi um desastre para Quartararo, Viñales e agora Valentino Rossi, da Yamaha Petronas SRT, que estavam em máquinas de especificação 2020.

Morbidelli desfrutou de uma grande corrida na máquina de especificações de 2019, mas, como explica o francês, foi um dos piores fins de semana do ano para o outro trio.

“Veremos daqui a duas semanas”, começou por dizer El Diablo na conferência de imprensa pós-corrida, falando sobre o passo que a Yamaha deu com a sua máquina de 2021.

“Portimão foi uma das pistas mais difíceis para nós. Para além do Franco, que terminou em terceiro com a especificação de 2019, terminamos em 10º, 11º e 14º, penso eu, e esse será um momento em que veremos o potencial da moto.”

“Neste momento posso dizer que a ultrapassar é muito melhor do que no ano passado porque tenho a sensação, sinto o limite e sei onde está o limite. Tenho uma grande sensação aqui no Qatar, mas vamos ver nas outras corridas. Sinto-me bem.”

Para Quartararo, o GP de Doha também foi um verdadeiro salto após ter visto o colega de equipa Viñales roubar as manchetes da 1ª ronda.

À conversa sobre a corrida de abertura, o piloto de 21 anos admitiu que andou como um estreante, um contraste total com produzir o seu melhor ritmo no final da corrida sete dias depois.

“Na semana passada andei como um novato, não brinquei com os mapas, não controlava o pneu traseiro. Estive três dias no hotel a pensar “porque não usei o meu cérebro” enquanto andava. Quando estava em 9º senti que não podia ganhar a corrida, e pensei que ia tentar dar o meu melhor, mas a seguir, pensei,  não, não, vou tentar ganhar!.” E, na verdade, senti-me bem a ultrapassar.”

 “Podia travar com a máxima força e manter o travão com a moto inclinada e sinto que esta vitória me dá mais confiança do que as do ano passado. Vim de longe, no teste foi difícil dizer. As Ducati eram rápidas na reta e no ritmo, e seria difícil vencê-los. Foi preciso olhar para mim mesmo e ser o melhor que pude. Foi o que fiz e deu-me um impulso para o futuro.”

Ambas as Yamaha de fábrica impressionaram seriamente nos dois fins de semana em Losail, marcando 36 pontos cada.

O ponto de interrogação agora é como se vão dar na Europa, começando num circuito que não se deu bem com eles em 2020.

Os sinais são promissores em Iwata, mas já estiveram aqui antes, e um fim de semana fascinante aguarda no Algarve para a 3ª Ronda de 2021. 

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x