MotoGP, 2021, Catalunha: Quem está em forma para amanhã?

Por a 5 Junho 2021 19:00

Quartararo mostrou velocidade nos 30 minutos da sessão TL4 de sábado, mas quem mais está à procura de um dia de corrida forte?

Ao tentar prever qual será o resultado da corrida de domingo, não há melhor sítio para procurar do que as folhas de tempos do TL4.

Nos 30 minutos antes dos pilotos mudarem para modo de ataque na qualificação, a sessão TL4 fornece aos pilotos e equipas informações vitais sobre como a corrida de MotoGP poderá evoluir.

Resumindo, a toada de Fabio Quartararo (Yamaha Monster Energy) parece forte no Gran Premi Monster Energy de Catalunya. O pole, com pneus médios Michelin novinhos em folha, fez oito voltas nos 1:39s no TL4 e foi o único piloto a entrar no referido escalão.

Foi o mais forte para Quartararo que continua a sua superioridade tanto nos treinos como na sessão de qualificação em 2021… já são cinco seguidas em ambas as sessões para El Diablo.

A sua última volta no TL4, num médio dianteiro com 15 voltas e um traseiro duro com 8 voltas, foi de 1:39.870. Agora, é apenas uma questão de qual a combinação de pneus que o líder do Campeonato Mundial vai escolher em Barcelona.

Porém, foi também uma boa sessão para Viñales da Yamaha Monster Energy. Numa frente média usada e traseiro duro fresco, Maverick estava confortável por volta dos 1:40s baixos, com uma volta mais rápida de 1:40.028 colocando-o em segundo lugar no TL4, embora a 0,426s do seu companheiro de equipa.

Um 1:40.525 em pneus velhos de 20 e 13 voltas mostra que Viñales tem um bom ritmo, mas ao partir de 6º na grelha, o espanhol precisa de obter um bom lançamento para tentar utilizá-lo.

Enquanto muitos dos pilotos optaram por rodar em pelo menos um pneu novo no início da sessão, tanto Joan Mir (Suzuki Ecstar) como Franco Morbidelli (Yamaha Petronas SRT) aventuraram-se a rodar com um par de pneus usados.

No caso do quinto mais rápido Mir, o Campeão Mundial reinante passou a sessão inteira de 15 voltas no mesmo pneu dianteiro médio.

A sua melhor volta, quando a frente tinha 24 voltas, ou a distância de corrida foi de 1:40.380, antes de definir um 1:40.399 quatro voltas mais tarde, quando o mesmo pneu tinha já 28 voltas.

Morbidelli terminou o TL4 em 13º, mas não rodou uma única vez num pneu novo, enquanto Mir se equipou com uma nova borracha traseira dura após a sua primeira série de voltas.

O tempo mais rápido de Morbidelli, um 1:40.704, foi numa frente média com 20 voltas e uma traseira média com 13 voltas, o que é suficientemente sólido em relação ao italiano.

Tal como Viñales, Morbidelli precisa de obter uma boa partida de 5º na grelha para tentar atacar nas fases iniciais da corrida, e Mir tem mais uma vez uma pequena montanha para escalar de 10º na grelha – uma história demasiado familiar para o número 36.

Estes dois deveriam definitivamente estar na luta pelo pódio, mas isso é mais fácil de dizer do que de fazer, claro.

“Não sei porque o fiz” sorriu Jack Miller, da Ducati Lenovo Team, na conferência de imprensa pós-qualificação, referindo-se à sua corrida de 17 voltas no TL4. Numa frente média novinha em folha e traseira dura, o australiano estava confortavelmente a fazer uma média nos 1:40s, sendo o seu melhor 1:40.469 na sua quarta volta largada.

Depois de ter colocado a sua Ducati GP21 em segundo lugar na grelha, o duas vezes vencedor de 2021 parecia confiante nas suas perspectivas de domingo. Perturbar o ritmo de Quartararo é o que ele espera fazer nas fases iniciais, mas no geral, pode-se definitivamente contar com o australiano na luta pelo pódio. E como ele próprio disse, ele tende a encontrar esse pequeno extra no domingo.

A KTM Red Bull Factory Racing e Miguel Oliveira começaram onde pararam em Mugello, em Barcelona.

Mais uma vez, Oliveira foi um dos pilotos que encaixou dois pneus novinhos em folha no início do TL4, e o piloto português conseguiu sacar três 1:40s muito baixos.

Uma potencial preocupação foi uma queda no ritmo durante a sua segunda saída, nos mesmos pneus, quando o melhor de Oliveira foi um 1:40.836.

Comparem isso com Mir, por exemplo, e Oliveira parece perder um par de décimos quando os pneus duros começam a deteriorar.

Isso poderia mudar nas 24 horas entre o TL4 e o semáforo, no entanto, e, mais importante ainda, o próprio homem tem a certeza de que tem bom ritmo. Como todos, agora tudo se resume à escolha dos pneus. 

O TL4 lança sempre muitas perguntas, bem como respostas. A única altura em que teremos a certeza de alguma coisa é quando a classe rainha entrar em batalha domingo à tarde.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x