MotoGP, 2020, Teruel: Andrea Dovizioso na KTM ou Aprilia em 2021?

Por a 21 Outubro 2020 14:00

Foi dito em Aragón que a KTM e a Aprilia estão em conversações com Andrea Dovizioso, que até agora está desempregado para 2021, mas pelo menos na KTM não há lugar para o Italiano

Três vezes seguidas, Andrea Dovizioso foi vice-campeão na Ducati, entre 2017 e 2019, mas mesmo na temporada de MotoGP sem Marc Márquez 2020, a conquista do título parece estar a escapar-lhe.

“Dovi” não foi além do 13º lugar na sexta-feira passada em MotorLand Aragón, por isso, não foi de estranhar que não tenha passado à Qualificação 2 no TL3 de sábado, ao contrário dos seus colegas da Ducati Petrucci e Miller e assim teve de arrancar do 13º lugar da quinta linha. A diferença para o líder do Campeonato do Mundo, Joan Mir, está em 15 pontos, com quatro corridas ainda por disputar.

Claro que “Dovi” também está irritado com o futuro incerto, pois deixa a Ducati após oito anos, e as relações com os chefes Gigi Dall’Igna e Claudio Domenicali estão por baixo.

O seu empresário Simone Battistella (abaixo) anunciou a separação a 15 de Agosto, no GP da Áustria, e tem procurado um novo contrato desde então, se necessário como piloto de testes com o máximo permitido de três corridas como wild card.

Em termos de pilotos de testes, a Suzuki continuará com Sylvain Guintoli. A Yamaha ainda não tem planos concretos para expandir a equipa europeia de testes, e a pandemia do Covid-19 também desempenha um papel.

Como resultado, Jorge Lorenzo só foi utilizado duas vezes em 2020. No entanto, poderá andar este fim de semana em Aragón em vez de Valentino Rossi, se este não conseguir fazer um teste de Corona negativo.

Antes do GP de Aragón, tornou-se claro que Dovi poderia correr uma temporada inteira na Aprilia Racing em vez de Andrea Iannone se a sua suspensão não for levantada.

Foram também estabelecidos contactos com a HRC, onde o 15-vezes vencedor em MotoGP poderá assumir o papel de piloto de testes em substituição de Stefan Bradl.

Mas surgiu algo de novo no paddock de Aragón: Pit Beirer da KTM vai ter em breve outra conversa com Simone Battistella. Os quatro lugares de pilotos são ocupados por Binder e Oliveira na Factory Team e Petrucci e Lecuona na Tech3.

Mas Dovizioso também ficaria contente com o contrato de um piloto de testes e com a garantia de três corridas como wildcard em 2021, mas um contrato com a KTM tem três obstáculos à partida: Primeiro, em Maio, a KTM irritou-se com Dovizioso e Battistella pela exigência de 4 milhões de euros por uma temporada.

“Em tempos de Coronavírus, temos de justificar cada Euro”, disse o presidente executivo Stefan Pierer sobre o assunto em Julho.

Em segundo lugar, as novas conversações entre Battistella e a KTM virão algumas semanas demasiado tarde. A prorrogação do contrato de Dani Pedrosa esteve em risco por motivos financeiros durante algum tempo, mas entretanto já está concluída.

E nem a Honda nem a KTM têm dinheiro para dois pilotos caros, ainda menos se, com o desenvolvimento congelado, as motos de 2020 forem usadas em 2021.

O piloto de testes da KTM, Mika Kallio, nunca foi utilizado em 2020 porque não havia material novo suficiente para dois pilotos de testes.

Em terceiro lugar, a Red Bull e a KTM preferem jovens nutridos no viveiro de casa, vindos da sua própria Academia de MotoGP, ou seja, pilotos treinados a partir da Red Bull Rookies Cup e nas suas próprias equipas de Moto3 e Moto2, como Oliveira e Binder.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x