MotoGP, Teruel: Mike Leitner da KTM “insatisfeito com Aragón”

Por a 21 Outubro 2020 15:00

A KTM Red Bull não conseguiu colocar um único piloto no top 10 em Aragón, e inclusivamente Oliveira ficou fora dos pontos pela primeira vez quando acabou. O diretor de competição da KTM, Mike Leitner, analisou a causa do falhanço

Os quatro pilotos da KTM Red Bull Brad Binder, Pol Espargaró, Iker Lecuona e Miguel Oliveira só ficaram em 11º, 12º, 14º e 16º no GP de Aragón.

No campeonato mundial de construtores, a Suzuki e a KTM voltaram a trocar de lugar: a KTM é quarta na classificação à frente da Honda e Aprilia, após 10 das 14 corridas.

Mike Leitner, Gestor de Competição da KTM em MotoGP, tem estado a pesquisar a causa e a encontrar uma explicação para o mau desempenho dos pilotos da KTM-RC16.

Miguel Oliveira resumiu-o após a corrida numa frase: “Para a nossa moto, a temperatura do asfalto estava 20 graus demasiado baixa.”

Por outro lado, Pol Espargaró esteve sempre em 7º e 8º nos três treinos livres, no TL4 foi mesmo quarto e no Warm Up terminou em 10º lugar. Porquê o fraco desempenho nas corridas?

“Chegamos ao nível desejado com a moto nas duas sessões de treino, por isso esperávamos lutar por um bom resultado na corrida e acabar mais à frente na corrida, mas foi o que vimos.

As primeiras duas ou três voltas são decisivas para a corrida. Se Brad Binder ou Pol Espargaró estivessem no grupo com o Dovi, teriam ficado com ele durante toda a corrida, os nossos tempos de volta permitiriam isso. Mas para o Pol sair da quarta linha não foi brilhante, ele ficou entalado e perdeu dois lugares. depois estava no pelotão e não tínhamos moto para passar pelos adversários nos sítios certos.

Tivemos o ritmo dos pilotos que terminaram em sexto ou sétimo. Mas se estiveres três ou quatro segundos atrás de um adversário com a KTM, estás fora de jogo. Todos os pilotos estavam a derrapar, foi uma corrida estranha.

Mas é bom dizer que não ficamos satisfeitos com o desempenho da nossa moto na primeira corrida de Aragón.

Pol Espargaró partiu do 12º lugar e terminou no 12º lugar. Alex Rins e Alex Márquez saíram de 10º e 11º até 1º e 2º!

Claramente tinham uma melhor moto para ultrapassar e um cenário melhor do que nós.

Está a tornar-se cada vez mais difícil chegar a uma configuração útil de corrida no curto espaço de tempo na sexta-feira e no sábado de manhã e ainda não perder a entrada direta no Q2. Especialmente quando está sempre frio de manhã.

Sim, é um trabalho ingrato. Às vezes chegamos a uma pista onde estamos a meio caminho. fazemos as afinações, e depois ficamos por aí…

Vimos logo o problema no primeiro treino TL1 em Aragón: os pilotos tiveram problemas no pneu de trás, de aderência na borda do pneu, que prejudica a viragem. Faltava aderência um pouco por todo o lado.

E, claro, no primeiro treino tivemos 10 graus de temperatura no asfalto e não podemos virar tudo de pernas para o ar em duas sessões.

Queríamos ver como seria o TL2 a temperaturas mais altas, pois aí já estavam 24 graus. Sexta-feira foi muito difícil, com o frio e o vento forte. Naturalmente, isso não nos ajudou, uma vez que a meio dos treinos ainda não tínhamos um pacote que funcionasse minimamente.

A KTM tentou testar em todas as pistas de GP, mas Dani Pedrosa nunca andou em Aragón em 2020.

Miguel Oliveira disse no domingo que a temperatura da pista estava 20 graus a menos para a KTM e temperaturas mais altas certamente teriam ajudado. Mas as condições em MotoGP nem sempre são ideais, o frio era igual para cada equipa e para cada piloto.

Desta vez, simplesmente não estivemos na posição certa para lidar com as condições!”

4 1 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x