SBK: à conversa com Sandro Cortese

Por a 8 Agosto 2019 16:30

29 anos, alemão com raízes italianas, campeão inaugural de Moto3 e atual titular das Supersport. Sandro Cortese (Yamaha GRT) é um dos poucos a ter sucesso em ambos os lados da divisão do motociclismo, mas continua humilde, relaxado e alegre. Afinal, ele é simplesmente – em suas próprias palavras – “um tipo normal que está vivendo o sonho.”

“Eu moro a uma hora de Munique, numa pequena cidade no meio do campo, onde nasci e cresci. Eu adoro a calma e tranquilidade, é o oposto dos fins-de-semana de corrida. É um ótimo lugar para treinar, no meio da natureza.

As pessoas que vivem ao meu redor não me veem como um piloto. As pessoas que moram perto de mim são pessoas que me conhecem desde que eu estava no jardim-de-infância e mais velhas, que desde então se casaram, tiveram filhos e que eu conheço há muitos e muitos anos.”

“Eu sou apenas um tipo normal que mora lá. E é bom não me estarem a perguntar o tempo todo, como correu, correu bem? Nós não falamos sobre o meu trabalho.

A minha namorada acabou de vir morar comigo. Ela terminou de estudar e agora vai começar a trabalhar perto da minha casa. É a primeira vez na minha vida a morar com uma namorada! Estou com medo? Não sei! [risos] Não é o mesmo, agora é a nossa casa. “

“Eu tento manter minha vida muito privada. Muitos pilotos postam tudo o que fazem durante o dia. Para mim, o Instagram é mostrar o trabalho, o treino e, às vezes, o lado privado. Mas ainda há uma vida privada e, para mim, é cada vez mais importante mantê-la privada. É claro que é importante permanecer perto dos fãs, mas acho que eles respeitam se não mostrarmos tudo.”

“Eu sou basicamente três quartos italiano… O meu pai é italiano, e a minha mãe nasceu na Alemanha, mas os avós eram todos do mesmo lugar na Itália. É difícil dizer o que sou, porque é claro que tenho um passaporte alemão, cresci na Alemanha e sinto-me alemão, mas às vezes o sangue italiano passa.”

“Em casa, falamos principalmente alemão, porque o meu pai veio para cá quando tinha 17 anos e, como a minha mãe nasceu aqui, a nossa língua principal é o alemão. Se falamos italiano, é o “italiano do sul”, calabrese.”

“Da Itália, tenho a paixão. Além disso, às vezes os alemães são muito sossegados, eu tenho isso do lado italiano.”

“Mas em termos de organização, a forma como enfrento o trabalho, acho que há muito de alemão em mim. Por exemplo, eu odeio chegar tarde, se uma reunião é às 9 estou pronto às 8:55, levo isso a sério. E quando outras pessoas não o fazem, fico raivoso!”

“Adoro cozinhar. Quando não estou treinando, cozinho todos os dias a minha própria comida, comida saudável.”

“Eu tenho um cachorro, e brinco com ele o tempo todo. Eu também jogo muito poker com os meus amigos, online e torneios. Esse é o meu maior passatempo, quando tenho tempo livre e nada para fazer, jogo poker.”

“Eu também passo muito tempo na estrada na minha bicicleta. Odeio estar dentro de casa.”

“Claro que, na Alemanha, o tempo não é sempre perfeito, por isso às vezes tenho de ficar na bicicleta interior. Mas se temos, digamos, “mais graus”, tento sair e andar na natureza.”

“Comecei a correr quando tinha 3 anos, com uma Yamaha de motocross PW50. O meu pai deu-ma no meu aniversário, tudo começou a partir daí.”

“O meu herói sempre foi o Valentino, desde que eu era garoto. Estar a segui-lo ainda, ter a paixão, quando ainda o vejo a correr aos 40 anos – é inacreditável.

Antes de ingressar nas SBK, Sandro foi Campeão de Supersport e de Moto3

A melhor coisa que aconteceu no meu primeiro ano nas SBK é ter o piloto mais experiente no paddock como companheiro de equipa.”

“Toda a gente tem o seu próprio estilo de pilotagem, mas em termos de como trabalhar com uma equipa de Superbike – eu sempre trabalhei com equipas menores, e agora tudo é tão grande – e como se encara o trabalho, Marco é o exemplo perfeito. Ele tem sido muito bem-sucedido. Estou um pouco à sua sombra, o que significa que posso crescer.”

“O melhor companheiro de equipa que tive foi Zulfahmi Khairuddin. Passamos um ano juntos, estávamos num quarto em 2012 quando eu estava com o Ajo. Eu adorei a mentalidade malaia e como ele se comportou. Ele não era apenas meu companheiro de equipa, mas também um dos meus melhores amigos no paddock.”

“Ter amigos no paddock é possível, mas não outros pilotos. Penso que Zulfhami foi o único que aconteceu, em todos os anos que passei no paddock de MotoGP ou aqui, sendo amigos e depois permanecendo amigos depois de todos estes anos.

O rival mais difícil que já enfrentei foi o Luis Salom. Em qualquer classe em que estive ele estava sempre à luta comigo!”

“Tudo começou em 2009, acho que nas 125cc: se eu ficasse em 8 º, ele era 9º, se eu fosse 6º ele poderia ser 5º. Fora da pista, respeitávamo-nos muito. Quando ganhei o título de Moto3, ele foi o primeiro piloto a felicitar-me. Imediatamente, na curva 1, ainda tenho a foto. Nem os meus pais tinham chegado, já ele estava lá.”

“Os meus pais ensinaram-me a respeitar todos com quem se trabalha, porque todos são importantes.”

“Isto é talvez o que alguns jovens pilotos fazem erradamente. Entram no MotoGP pensando que ganharam dez campeonatos. É a pior coisa que se pode fazer, somos tipos normais com o privilégio de poder fazer isto por alguns anos, e depois a sua carreira termina. Temos que nos lembrar de onde viemos, o que fazemos, porque estamos aqui com as pessoas ao nosso redor.”

“Por exemplo, a Kallio Racing, nós ganhámos juntos, eu vou e visito-os quando posso, se nos virmos vamos conversar.”

“Respeite as pessoas com quem trabalhou ou até mesmo não trabalhou, diga olá. As pessoas passam hoje em dia e não se falam. Seja simpático. O que espalhamos, volta para nós!”

 

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Mundial Superbikes
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png