Ensaio Indian Scout Bobber 2018 – Simplesmente Irresistível

Por a 20 Dezembro 2017 17:52

Desde que a Polaris decidiu fechar a produção de motos Victory e concentrou toda a sua dinâmica no sector das duas rodas na marca Indian Motorcycles que esta se tornou numa marca de referência no mercado, deixando para trás aquela imagem de motos icónicas do passado e apresentando novos modelos, actuais e tecnologicamente avançados, que disputam quota de mercado de igual para igual com outras marcas há muito estabelecidas, nomeadamente da própria Harley Davidson.

O conceito neo-clássico continua a inspirar quase todas as marcas no mercado se atendermos aos vários modelos que ultimamente têm surgido. A Indian Motorcycles soube tirar partido desta tendência e capitalizar no seu passado histórico com vários modelos revivalistas dentro do segmento de cruisers de linhas retro e clássicas.

A linha Scout, com os sus diferentes modelos, tem vindo a marcar a estratégia ao nível do segmento “entry level” das cruisers da Indian, contrariando o mito de que as cruisers têm que ser motos pesadas e com pouca potência. No entanto era necessário associar um factor de moda para que poder posicionar a Indian Motorcycles como referência definitiva neste segmento e no mercado em geral, esperando com isso captar novos targets de clientes.

Com esse objectivo nasceu a Scout Bobber, uma Scout rebaixada, com linhas e decoração agressivas, com a típica roda dianteira sobredimensionada, característica das Bobbers originais, que nasceram nos USA no período pós II Guerra com o aproveitamento e adaptação das grandes e pesadas motos militares.

A Scout Bobber tem um look que nos conquista de imediato e que à sua passagem não deixa ninguém indiferente. O seu banco tipo selim mono-lugar é de efeito estético muito bem conseguido e enquadra-se de forma quase mágica nas linhas da mota, reforçando a exclusividade e agressividade do conceito Bobber. Todo o “sex appeal” da Scout Bobber tem como objectivo conquistar um segmento de mercado mais jovem, que olhava para as Indian como para motos de tradição sobretudo  conotadas com o passado. O look vintage está na moda e o fenómeno está para durar se considerarmos todo o efeito que tem gerado nos mais variados sectores da sociedade criando uma onda Hipster que tem marcado em termos urbanos as tendências de moda, tendências que vão para além do género de motos e que definem um modo de vida, um modo de estar e de ser também.

Com o seu belíssimo motor de 1133cc e 94CV de potência, para 255 Kg de peso, a Scout Bobber demonstra uma enorme agilidade na sua condução. Com o curso da suspensão dianteira reduzido em 26mm em relação às Scout normais e uma posição de condução mais agressiva, com os pisa-pés colocados numa posição mais perto do condutor e um guiador tipo Bobber mais curto que nos coloca numa posição mais dobrada sobre a frente da moto, a Bobber convida-nos a testar os seus limites e não apenas a rodar descontraídamente.

Os acabamentos da Indian Scout Bobber são excelentes e o look agressivo e escurecido está patente em quase todos os seus elementos. O depósito, o quadro, os guarda-lamas, o guiador, os escapes, os piscas, o farol, os espelhos e até mesmo o conta kms analógico-digital têm um acabamento em lacado negro mate que reforça o temperamento da Bobber. O guarda lamas traseiro recortado leva uma peça de extensão para o suporte de matrícula, realidade que por questões legais obriga a esta adaptação já que a posição original da matrícula neste modelo nos Estados Unidos é lateral.

Com um selim que nos coloca numa posição mais baixa que numa Scout convencional, os nossos pés assentam perfeitamente no chão e imaginamos que condutores de estatura relativamente baixa tenham também esse privilégio, o que permite que a Bobber da Indian tenha uma maior abrangência em termos de potenciais clientes.

A Indian Scout Bobber é muito fácil de conduzir e apesar da posição obrigar a uma postura um pouco fechada sobre a moto, assim que começamos a rodar percebemos que a mesma se justifica dado o temperamento do seu motor, com um binário que realmente se afirma numa faixa bastante alargada nas médias rotações, ou seja, naquelas onde normalmente rodamos na maioria das situações.

O som do seu motor é  rouco e grave e condiz com o conceito de moto da Bobber. Surpreendeu-nos muito ao nível das vibrações, quase nulas, onde penso que a Indian fez um bom trabalho dotando o seu V2 de uma enorme suavidade e silêncio o que contribui para um maior conforto em velocidade de cruzeiro ou em trajectos mais longos.

A Scout Bobber, devido ao pouco curso das suas suspensões ,  não gosta obviamente de pisos deteriorados, pelo que na sua condução há que cuidar de evitar buracos e saliências mais agressivas na estrada, realidade que se manifesta de forma desagradável na nossa estrutura física e sobretudo na nossa coluna. De qualquer forma a grande dimensão dos seus rodados, tanto à frente como atrás, permite diminuir a agressividade provocada pelo pouco curso das suspensões.

A embraiagem é bastante leve e nada cansativa o que, combinada com uma caixa precisa e silenciosa, tornam a condução da Scout Bobber num verdadeiro prazer. O rodar do punho transmite uma aceleração precisa e impõe uma evolução enérgica e progressiva no desempenho da moto, entusiasmante até.

Em matéria de ciclística podemos afirmar que o seu comportamento também nos surpreendeu e se mostrou muito acima da média no seu segmento. A Scout Bobber trava, curva de forma efectiva e neutra, como se de uma moto de um segmento mais estradista se tratasse, sobretudo graças a um quadro resistente e bem desenhado e a umas suspensões que, apesar do pouco curso, se revelaram efectivas em bom piso. A travagem em condução mais agressiva acusou talvez a falta de um segundo disco mas, mesmo assim, chegou sempre para manter um nível de segurança  aceitável. Claro que com todos este desempenho em curva raras eram as vezes em que, em estrada aberta e  sinuosa, não chegávamos aos limites da mesma com alguns elementos a acusarem o toque no asfalto, nomeadamente as nossas botas, o que era uma boa sensação dada a agressividade com que a Scout Bobber permitia ser conduzida.

A Indian Scout Bobber é de facto uma moto belíssima e que conquista corações. Este novo segmento das Bobbers tem já concorrentes de peso, nomeadamente a nova Triumph Bobber, sobretudo a nova Bobber Black de 2018 que inclui uma série de melhoramentos em relação à de 2017, inclusivamente nos acabamento em negro que se assemelham aos que a Indian adoptou, acusando assim a concorrência efectiva da marca americana. Também a Moto Guzzi e a própria Yamaha oferecem modelos neste segmento e obviamente a Harley Davidson com a sua Forty-Eight.

A Indian Scout Bobber inclui uma extensa gama de acessórios da marca para a sua personalização que podem ser encontrados no site da marca, desde guiadores de 16”, a rodas raiadas, opções de bancos ainda mais retro, banco para o pendura, malas de couro laterais enfim uma lista de enormes possibilidades que permitem uma personalização extrema deste modelo.

Foi com alguma tristeza que devolvemos a Scout Bobber à Indian Motorcycle Lisboa que gentilmente nos cedeu o modelo para testes tal a relação de cumplicidade que criámos com a mesma.  A Scout Bobber proporcionou-nos  a satisfação de termos ensaiado um modelo que traz consigo uma enorme nostalgia e herança de marca mas que em simultâneo estabelece um “turning point” da Indian no mercado global, quer pela modernidade e qualidade de construção quer pelo desempenho dinâmico da sua Bobber e sobretudo pela atração fatal revelada nas suas linhas e estética… Simplesmente Irresistível.

 

Cores disponíveis em 2018

  

Thunder Black                                                                          Bronze Smoke

 

Star Silver Smoke                                                       Indian Motorcycle Red

 

Thunder Black Smoke

 

Especificações Técnicas

 

Motor 1133cc 8v V-twin

Potência 100 CV

Binário 97,6 @ 6.000 rpm

Alimentação Injecção Electrónica

Caixa de 6 velocidades

Suspensão Dianteira Telescópica de 41mm de cartucho com 120mm de curso

Suspensão traseira Amortecedores convencionais duplos com 50mm de curso

Quadro Estrutura central de liga de alumínio

Travão dianteiro Disco de 298mm com pinça de dois pistons

Travão traseiro Disco de 298mm com pinça de 1 piston

Roda dianteira Em liga de 16” x 3,5 “

Roda traseira Em liga de 16”x 3,5”

Pneu dianteiro 130/90-16

Pneu traseiro 150/80-16

Escape duplo com crossover

Peso em seco 244kg

Depósito 12.5 litres

Dimensões

Distância entre eixos 1562mm

Altura do banco 649mm

Altura ao solo 123mm

Altura máxima 1154mm

Comprimento 2229mm

Largura máxima 926mm

 

Concorrência

Triumph Bonneville Bobber Black / 1.200cc / 77 CV / 237,5 Kg /14..250 eur

Triumph Bonneville Bobber / 1.200cc / 77 CV / 228 Kg / 12.900 eur

Harley Davidson Forty-Eight / 1.202 cc / 67 CV / 245 Kg / 11.900 eur

Moto Guzzi Bobber / 850 cc / 55 CV / 199 Kg / 9.990 eur

Yamaha XV950 R / 942cc / 54,3 CV / 251 Kg / 9.995 eur

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MOTO+
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png