O respeito na MotoGP, por Andrea Dovizioso

Por a 6 Março 2019 17:26

“Estou convencido de uma coisa: o MotoGP é hoje um dos desportos mais respeitados. Nem sempre é fácil ver e notar esse detalhe, mas, na minha carreira, posso dizer que aprendi que o nosso trabalho é essencial nesse aspeto. Respeito entre os pilotos, mesmo quando os contrastes entre eles são fortes, muitas vezes para além do limite.

Existe uma base que nos une a todos, o alto risco desta disciplina que necessariamente nos deve levar a respeitar um colega, seja ele quem for. A partir daqui, podemos definir-nos como mais ou menos desportivos, mais ou menos profissionais, mais ou menos respeitosos.

Eles definem-me assim, talvez seja um dos pilotos no MotoGP que ‘tenha mais respeito’ , mais do que alguns dos meus adversários. Eu diria que a minha é uma atitude no sentido mais amplo, muito natural, típica da minha personalidade e que sempre me acompanhou.

Parece que nos últimos anos a minha popularidade cresceu. O meu nome está hoje mais do que nunca ligado ao da minha equipa e da minha moto, a Ducati Desmosedici GP, para muitos sou o ‘Desmo Dovi’. Muitos me lembram do que mostrei recentemente, talvez sem se lembrarem de que estou neste mundo há dezoito anos, tentando sempre dar o melhor de mim todas as épocas.

Se pudessem reconhecer isso, os meus críticos, tal como os meus fãs, aumentariam o seu respeito por mim um pouco mais. Mas isso é um problema meu, uma coisa marginal. Porém, gostaria de falar de outro ‘tipo’ de respeito que me faz trabalhar todos os dias com o desejo que mantenho desde a estreia no MotoGP, ou seja, o grande respeito que tenho pelo que a minha equipa fez e está a fazer nos últimos anos.

Sinto-me aclamado como um embaixador da Ducati, dei muito por esta causa, para levar esta moto à vitória, mas também é verdade que este desafio me deu aquilo que me deu. Estive a um passo do título duas temporadas, não poderia ter sido assim sem respeito mútuo entre mim, o piloto, e o objetivo final de um trabalho impulsionado por tanto esforço e paixão, e a minha equipa. Tudo isso merece grande respeito e deve ser salientado…

 

Estou rodeado por profissionais excecionais, Gigi Dall’Igna é apenas um deles, e estou convencido de que a cada ano esse respeito mútuo entre mim e ele aumenta. Nós todos queremos a mesma coisa, vencer o Campeonato Mundial. As excelentes relações, a confiança e o impulso na mesma direção são os alicerces desse empreendimento, que é cimentados por imenso respeito mútuo.

Agora, tenho um novo companheiro de equipe, Danilo (Petrucci). Admito que com ele o respeito é fácil, porque temos um bom relacionamento. Ele é uma ótima pessoa! Gostaria apenas de dizer que respeito muito o meu novo parceiro na pista, mas isso não me impedirá de o tentar bater e ficar diante dele assim que o semáforo se apagar (todos já vimos como ele é rápido!).

Sempre foi assim para mim. Respeito máximo, mas desejo total de ser o melhor. Respeito o Valentino pela sua longa carreira como vencedor, por ser uma referência para este desporto, mas para mim não é um termo de comparação absoluta.

Por ele, tenho grande respeito, mas quando voltarmos para a pista eu farei qualquer coisa para o bater. Marquez bateu-me várias vezes e é o campeão; ele é o piloto mais forte agora e merece o respeito de todos. Mas a minha equipa e eu já provámos ser fortes. Um dos meus objetivos nesta temporada é estar na frente, lutar até à última curva e responder com a mesma força à sua forma única de condução e, de seguida, apertar-lhe a mão no parque fechado com um sorriso de grande respeito.

Entre os corretores, os adversários são todos iguais, são rivais que me separam dos meus objetivos. Eles não são inimigos e eu tento entender, estudar a forma de os bater, mas sem os tomar como referência, isso só me colocaria limites…

No fundo, essa é também uma maneira de respeitá-los.”

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Moto GP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png