MotoGP, 2020: A decisão de Rossi

Por a 25 Abril 2020 14:30

Valentino Rossi reviu o seu plano para decidir o seu futuro no MotoGP, de que Lin Jarvis da Yamaha falou há dias, e diz que “espera continuar em 2021”, mas admite que terá de tomar uma decisão se vai continuar em 2021 antes das corridas começarem este ano.

O nove vezes campeão do mundo pretendia avaliar o seu nível competitivo e da sua Yamaha contra os níveis competitivos ds seus rivais de MotoGP nas cinco ou seis corridas iniciais, antes de fazer uma chamada sobre o seu futuro.

Rossi já tem garantida uma moto de especificação de fábrica no esquadrão satélite Yamaha Petronas para 2021, com Fabio Quartararo a substituí-lo na fábrica Yamaha Monster Energy, mas com a temporada de MotoGP de 2020 adiada indefinidamente no meio da pandemia do Coronavírus, os planos de Rossi foram suspensos à espera que as corridas retomassem.

Falando num vídeo da Yamaha, Rossi diz que agora tomará uma decisão sobre o seu futuro antes de correr em 2020 e está inclinado a continuar para que não se retire depois de uma campanha falhada.

“O problema é não correr! Com as notícias como estão, não podemos correr”, disse Rossi. “Acho que vou ter de decidir antes de correr, porque na situação mais otimista poderemos correr na segunda metade da temporada, por isso, por volta de Agosto ou Setembro, se tudo estiver bem, mas eu tenho que tomar a minha decisão antes. Quero continuar, mas tenho de tomar uma decisão sem corridas.”

“Não é a melhor maneira de parar, pois a situação é que talvez não corramos de todo em 2020. É mais justo fazer outro campeonato e talvez parar no final do próximo. Espero continuar em 2021.”

Apesar de fazer sentido continuar no próximo ano, Rossi ainda preferiria ter um punhado de corridas de MotoGP antes de fazer uma chamada final para lhe permitir compreender o sucesso dos melhoramentos na Yamaha M1 e o impacto que as mudanças na sua equipa fazem, incluindo a influência do novo chefe de equipa David Muñoz.

“Estou numa situação difícil porque, como disse, a minha primeira opção é tentar continuar, porque tenho motivação suficiente e quero”, explicou. “Mas é muito importante compreender o nível de competitividade, especialmente na segunda parte do ano passado que sofremos muito e muitas vezes fui demasiado lento e nem consegui lutar pela primeira posição.”

“Portanto, na minha cabeça tenho mais um ano com a equipa de fábrica e preciso de tempo para decidir. Para mim, preciso de cinco ou seis corridas para perceber, com o novo mecânico chefe e algumas modificações na equipa, se consigo ser mais forte.”

Tal como estão as coisas, a temporada de MotoGP de 2020 estava marcada para começar no Sachsenring a 21 de Junho, mas a ronda alemã está agora em dúvida, juntamente com as corridas subsequentes na Holanda e a nova prova Finlandesa, devido às restrições em eventos públicos nos respetivos países que na prática impedem os eventos de se realizar.

A MotoGP ainda não confirmou oficialmente nenhum atraso para o Sachsenring, Assen ou KymiRing, mas atualmente pensa-se que o objetivo é fazer cerca de dez corridas esta temporada, com a maioria, se não todas, a acontecerem à porta fechada com pessoal reduzido ao mínimo.

 

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x