MotoGP 2021, Texas:”Pensei muito nos Viñales” Márquez

Por a 8 Outubro 2021 15:00

Márquez estava radiante no regresso ao degrau mais alto do pódio,e a celebração incluiu uma estranha promessa de comer um Donut

“…mas também temos de celebrar os vencedores!” Marc Márquez

A vitória, que exigiu tudo da estrela da Honda Repsol foi tanto mais doce, porque a estrela da Honda quase se despistou na 17ª.

O calor, os inúmeros solavancos e as 20 voltas com 20 curvas cada , tornam o Grande Prémio no exigente Circuito das Américas (COTA), com o seu comprimento de 5,5 km, num dos mais desafiantes do calendário de MotoGP.

“Sim, foi uma corrida cansativa, especialmente por causa dos solavancos”, admitiu Marc Márquez após o seu 58º triunfo no MotoGP, o sétimo em oito corridas em Austin.

A propósito, foi a primeira vitória da Honda no Texas desde 2018 (por Marc) e a 19ª em todas as 25 provas da classe rainha nos EUA desde que a era dos quatro tempos do MotoGP começou em 2002.

A Yamaha nunca venceu no Texas nas nove provas. Mas Fabio Quartararo é agora o quinto piloto consecutivo da Yamaha a terminar em segundo lugar, depois de Valentino Rossi (2017 e 2019), Maverick Viñales (2018 ) e Jorge Lorenzo (2016).

O registo americano de Marc Márquez é quase irrepreensível. Concluiu doze provas do Campeonato Mundial nos Estados Unidos nas três classes e ganhou onze delas.

O único zero aconteceu quando ele caiu no Texas em 2019.

Márquez já estava 0,446 segundos à frente de Fabio Quartararo após três voltas, após dez voltas a vantagem era de 2,825 segundos, após 14 voltas o francês estava 3,876 segundos atrás.

O “Capitão América” cruzou a linha de chegada 4,679 segundos antes do líder Francês do Campeonato Mundial, após 20 voltas.

“Eu sabia que se se fechasse um pouco o acelerador, a moto sacudia ainda mais nos solavancos. Deve ter parecido estúpido nas últimas voltas porque reduzi o ritmo, mas tornou a moto ainda mais instável. Foi difícil manter a minha concentração.

Três voltas antes do fim quase me despistei na Curva 6, porque toquei o entalhe no interior e a roda da frente começou a derrapar. Também na Curva 12 teve de montar muito concentrado. Sempre que tocava no travão lembrava-me do acidente de 2019… Mas mantinha-me concentrado porque acreditava firmemente na minha vitória”.

Márquez lembrou-se de homenagear o campeão mundial americano Nicky Hayden, que morreu num acidente de bicicleta de estrada em Misano, em 2017, com uma bandeira na volta final. E no pódio comeu um donut com entusiasmo, porque foi isso que apostou com o Campeão de Motocross dos EUA Jett Lawrence, que pilota para a Honda).

“Sim, foi bom ganhar em Austin. Especialmente porque Nicky é um dos pilotos que sempre apreciei muito. Além disso, quando estava no pódio, pensei muito na família Viñales. Conheço-os desde os meus oito anos de idade, quando corríamos nas pistas de karting. Este tem sido um ano difícil para as corridas de motociclismo”…

“Mas temos de seguir em frente, temos de pensar em todas as pessoas que morreram, mas ainda temos de celebrar as vitórias também”, observou o seis vezes Campeão do Mundo de MotoGP.

“Foi por isso que também fiz a aposta do donut com o Jett Lawrence .

“A equipa comprou os donuts a tempo, para ser franco, a Dorna forneceu os donuts, o Jett também trouxe alguns, eles são a sua marca registada. Isso foi divertido!”.

5 2 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x