MotoGP, 2021: Suzuki persegue recordes

Por a 10 Fevereiro 2021 16:00

A marca dos campeões é o desejo de ser sempre melhor, e seguindo os objetivos estabelecidos, Shinichi Sahara, gestor de projetos da Suzuki, faz questão de cimentar o seu estatuto de Campeão em 2021

“A meta do próximo ano é muito clara, primeiro e segundo e além disso, o título de equipa novamente e o Campeonato de Construtores.” Shinichi Sahara

Shinichi Sahara da Suzuki falou da Tripla Coroa como um objetivo, procurando melhorar ainda mais os resultados de 2020.

Quando Joan Mir selou o Campeonato no Grande Prémio de Valência na época passada, quebrou uma espera de 20 anos da Suzuki para um Campeonato do Mundo de MotoGP e quase 40 anos após o seu último sucesso consecutivo, Sahara tem os olhos postos em acabar com outra seca.

“Pretendemos tornar-nos ainda mais fortes do que no ano passado. Não gosto de nos chamar campeões, queremos ser candidatos a ganhar.”

” O nosso alvo é sempre ganhar. Por exemplo, em 2019, vencemos duas corridas nos EUA e no Reino Unido, na altura pensei que ganhar corridas individuais fez a diferença na gestão e em todas as pessoas de Suzuki, na forma como vêem a atividade do MotoGP. Mas agora, depois de ganhar um Campeonato, é um nível diferente de ganhar apenas uma ou duas corridas. Todos os anos, definimos um objetivo, tentamos ganhar o Campeonato, mas na realidade, o nosso objetivo pode ser o segundo ou terceiro no Campeonato.”

“A meta do próximo ano é muito clara, um e dois. Além disso, o título de equipa novamente e o Campeonato de Construtores. Acho que é difícil, mas gostaria de desafiar e atingir esse objetivo.”

Sendo a única equipa na grelha a não ver uma mudança na sua formação de pilotos, Sahara sente que isso pode ser crucial, insistindo que as ambições de Joan Mir e Alex Rins para vencer o Campeonato só vão motivar os dois homens.

“Ambos os nossos pilotos são muito fortes candidatos ao título. Também mantém a estabilidade e é importante para nós, pois conhecemos as suas características. Além disso, os Crew Chiefs podem gerir os pilotos muito bem. É como uma família e não quero mudá-la.”

“Não tenho nenhuma preocupação entre os pilotos. A Suzuki nunca teve pilotos Nº 1 ou Nº2. Mesmo quando um era novato, não tínhamos, por isso vamos continuar esta atitude. Somos bons pais e eles respeitam-se uns aos outros, e ajudam-se mutuamente. Uma das razões por que não tomei uma pessoa externa para substituir o Davide é para manter o ambiente da equipa, por isso acho que este comité será fundamental para manter a atmosfera.”

“Sobre a equipa satélite, Davide falou com várias equipas sobre a adesão à Suzuki. Também estive envolvido, mas a saída do Davide tornou-me mais ocupado. Claro que metade da construção de uma equipa de satélite está na pista, a falar com equipas, e a outra metade está em falar com a fábrica. De qualquer forma, tenho de gerir as coisas, ainda não desisti, a saída do Davide dificulta a situação, mas vou continuar.”

O progresso foi um tema recorrente, particularmente quando se fala da GSX-RR, com o desenvolvimento a ocorrer um pouco mais lento do que o normal devido ao congelamento do desenvolvimento motor durante o inverno. Apesar de ter uma moto vencedora do Campeonato que é a inveja do paddock, Sahara sabe que ainda podem ser encontradas melhorias.

“Claro que estamos a fazer desenvolvimentos na GSX-RR, alguns a curtos e outros a longo prazo. O nosso estilo é ir passo a passo para melhorar a moto. Às vezes, pequenas mudanças fazem uma grande diferença, de uma forma boa e má, por isso temos de manter uma atitude cuidadosa para melhorar.”

“Estamos a tentar sempre melhorar as componentes fundamentais da moto. A única coisa que temos de melhorar é o tempo de qualificação, mas a prioridade é sempre o resultado da corrida e não o resultado da Qualificação. Temos de estar na primeira ou segunda linha da grelha para continuarmos a melhorar o tempo de volta.”

“Espero que a Suzuki seja a melhor moto. Às vezes, para mim, seria interessante para outros pilotos experimentarem a Suzuki, mas isso não pode acontecer. Claro, o próprio Joan melhorou muito desde o seu ano de estreia até ao segundo ano. Sem o Joan e o Alex, não teríamos tido resultados fantásticos no ano passado. Nada é fácil para nós, mas o piloto nunca está satisfeito com a moto. É uma situação normal para nós e para todos os fabricantes. Acho que temos sempre de tentar melhorar a moto, e os pilotos também.”

Melhorar a já invejada GSX-RR, 1-2 no Campeonato e a Tripla Coroa em 2021 tudo na sequência da saída do seu antigo Team Manager certamente mostra que à fábrica de Hamamatsu não falta ambição, mas será que conseguem? Só o tempo o dirá.

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x