MotoGP, 2021: Rea fica nas Superbike

Por a 30 Julho 2021 15:30

Jonathan Rea tem estado relacionado com uma passagem à MotoGP mas agora confirmou que não vai acontecer

 “Vou ficar no Campeonato Mundial de Superbike!” Jonathan Rea

A declaração é mais uma confirmação do que uma revelação, mas ainda era necessário encerrar o processo e foi isso que Jonathan Rea fez.

Aproveitou a oportunidade para revelar alguns detalhes que mostram que a Petronas está a fazer todas as diligências para definir a sua equipa de MotoGP em 2022.

É preciso dizer que há alguma urgência, desde que Razlan Razali declarou que só queria jovens pilotos e que estava a deixar a VR46 e a Yamaha decidir o destino de Franco Morbidelli, que já é considerado como tendo sido abandonado…

A Kawasaki não tem nada com que se preocupar, embora Rea já tenha andado na MotoGP há uns anos com a Honda Repsol.

A marca dominante nas SBK, que é a única categoria em que a empresa de Akashi investe neste momento no mundo da velocidade, vai manter o seu piloto Jonathan Rea.

O mesmo piloto que, desde 2015, trouxe para casa seis títulos, um recorde que ainda está com hipóteses de ser aumentado, pois o Norte-Irlandês lidera atualmente a classificação geral para se candidatar a um sétimo título.

No entanto, houve uma abordagem da MotoGP através da Petronas. Jonathan Rea comentou:

“Claro que foi uma boa história, começou com o Johan Stigefelt a dizer que eu seria um bom candidato para eles. Mas vou permanecer no Campeonato Mundial de Superbikes, tenho um contrato de vários anos com a Kawasaki Racing Team e tenciono honrá-lo!” No entanto, Rea deixara a porta aberta: “Nunca se deve dizer nunca sobre o MotoGP, quero dizer em geral, e não sobre a Petronas especificamente”.

Não sabemos o que aconteceu com a Petronas, que inicialmente mostrou interesse, mas a dada altura correu mal.

Pode ter sido o mesmo que numa aproximação da Ducati há um par de anos, que concluiu com Ciabatti a dizer que Rea já tinha um salário considerável na Kawasaki, que se julga ser na região dos 1,6 M de Euros, bastante mais do que muitos ganham na MotoGP, e poderá ter sido isso também que levou a esta recente declaração de Razali, o homem da empresa malaia:

“Fizemos uma lista de candidatos que não estão no MotoGP e o nome de Rea estava nela, assim como o Toprak Razgatlioglu e Garrett Gerloff. Infelizmente, a idade pesa contra ele. Queremos concentrar-nos nos jovens”.

A afrimação de Jonathan Rea lembra-nos a grande angústia da Petronas, que ao atribuir-se a idade como uma prioridade, está a limitar drasticamente o seu campo de escolha.

Isto significa que Rossi não é politicamente correcto, Dovizioso não tem ilusões, enquanto que a Bezzecchi tem espaço para negociar. De facto, o alvo original Raul Fernández parece estar fora de alcance, enquanto de dentro da Petronas, Vierge e Dixon parecem não estar à altura de assumir a tarefa.

Em última análise, um segundo piloto terá de ser encontrado, uma vez que Morbidelli não vai ficar. E estamos a falar de uma Yamaha de topo, numa equipa que venceu seis corridas de 14, em 2020.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x