MotoGP, 2021: Oliveira vence, mas para Brad Binder, é a seca desde a vitória de Brno

Por a 18 Julho 2021 16:00

Brad Binder venceu logo na sua terceira corrida de MotoGP em Brno em 2020 graças às suas incríveis capacidades, mas dificuldades na qualificação impediram-no de alcançar qualquer pódio desde então

“Estamos muito satisfeitos com os nossos dois pilotos!” Pit Beirer

Brad Binder ganhou o título do Campeonato do Mundo de Moto3 pela KTM Red Bull em 2016, depois também lutou pelo título do Campeonato do Mundo de Moto2 de 2019, que perdeu por apenas três pontos para Alex Márquez. O rápido piloto da África do Sul ganhou nada menos do que oito corridas de Moto2 em dois anos.

Brad estava marcado para a sua primeira temporada de MotoGP com a KTM Tech3 em 2020, mas após a partida prematura de Johann Zarco foi promovido à equipa de fábrica ao lado de Miguel Oliveira.

A sua entrada na classe rainha não poderia ter sido mais promissora. Binder esteve entre os dez primeiros logo desde o início no teste do Qatar de 2020 com o 9º lugar  e depois ganhou em estilo sensacional na sua terceira participação no MotoGP em Brno.

Foi a primeira vitória da KTM na categoria rainha, logo no início do que era apenas a quarta temporada de MotoGP dos austríacos.

Binder ainda conseguiu um quarto lugar em Spielberg e um quinto lugar no GP de Valência depois de Brno 2020, mas nunca mais conseguiu chegar ao pódio.

Desculpável da sua época de rookie, que acabou no décimo primeiro lugar, esperava-se progresso em 2021.

Porém, resultados fracos nas sessões de Treinos Livres deram a Binder e à KTM que pensar. Foi por isso que Brad quis o seu chefe de equipa de Moto2 Andrés Madrid de volta no final da temporada, e Sérgio Verbena foi levado para a KTM Tech3, onde cuida do seu compatriota Danilo Petrucci.

Mas mesmo assim, a inconsistência de Brad Binder não se alterou nos primeiros nove Grandes Prémios da época de 2021. Muitas vezes só encontrou a sua melhor forma no domingo, no aquecimento ou na corrida. Depois brilhou nas corridas com boas lutas e numerosas manobras de ultrapassagem, que são típicas dele e lhe deram a alcunha “Brad Attack”.

Em defesa do 16 vezes vencedor de GP, no entanto, deve notar-se que não houve corrida em Doha no ano passado, nem em Mugello, no Sachsenring e em Assen. Assim, falta a Binder a experiência do seu companheiro de equipa Oliveira, que já está a disputar a sua terceira temporada de MotoGP.

Pit Beirer, Director da KTM Motorsport, também não faz segredo das dificuldades da KTM RC16 no início da temporada 2021 no Qatar.

Os seus pilotos mantiveram-se sempre calmos durante o fraco início da temporada, e Pit Beirer elogio os recentes sucessos.

Pit Beirer

“É preciso encarar os factos. Claro que a mudança do pneu da frente em Doha nos perturbou por um curto período de tempo. Mas como temos os mesmos pneus que todos os outros, tivemos de resolver o problema. O facto de termos sido capazes de resolver o problema em tão pouco tempo fala da força da nossa equipa de desenvolvimento do MotoGP que agora temos”.

E Binder, afinal de contas, voltou a alguns desempenhos fortes em 2021: Em Portimão, a 18 de Abril, veio do 15º dia na grelha para o 5º lugar na corrida:

“Se o Brad subir sempre dez lugares na corrida, então podemos imaginar onde irá acabar quando arrancar de décimo primeiro”, gracejou Pit Beirer.

Porém, Brad Binder raramente teve um desempenho satisfatório na qualificação este ano. Os seus resultados de qualificação e corrida este ano foram 19-14º, 18-8º, 15-5º, 11-queda, 21-13º, 6-5º, 8-8º, 13-4º, 21-12º.

Portanto, Portugal não foi um caso isolado. No GP alemão, Binder chegou mesmo a subir da 13ª na grelha para a quarta posição na corrida.

“Estou mesmo feliz por ter ficado em quarto lugar. Se tivermos em conta de onde viemos, nomeadamente do último lugar na sexta feira, no 1º TL, não nos podemos queixar“, disse o piloto da KTM após o GP da Alemanha, a 20 de Junho.

“Tenho de resolver os meus maus resultados de sexta-feira“, disse ele, mas depois em Assen, o talentoso sul-africano ficou novamente encalhado na 21ª posição na qualificação.

No domingo, mesmo atacar na corrida não teve qualquer utilidade e o 12º lugar foi o melhor possível.

No entanto, em Portugal, Binder falhou o pódio por apenas 1,7 segundos, em Itália por 1,9 segundos, e na Alemanha por apenas 1,2 segundos.

Mas o companheiro de equipa Oliveira também trabalhou na dificuldade de qualificação e superou-a. Em Moto3 e Moto2, poderá ter-lhe custado dois títulos mundiais, pois foi 2º em 2015 em Moto3 e em 2018 em Moto2.

Binder só chegou à Q2 três vezes em nove Grandes Prémios em 2021, e sabe que precisa de melhorar, mas será sempre recordado na história da empresa como o primeiro vencedor em MotoGP.

5 3 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x