MotoGP, 2021: Maverick Viñales na Ducati Aramco?

Por a 10 Julho 2021 16:00

Nos últimos dias tem havido relatos de que Maverick Viñales não se mudaria para a Aprilia, mas seria o piloto número um da Aramco VR46 de Rossi, o que não passa de um boato

Após a cisão entre Maverick Viñales e a Yamaha Motor Racing anunciada para o final do ano, tudo apontava para um acordo entre a Aprilia Racing e o Espanhol nove vezes vencedor em MotoGP.

Fresco de Assen, onde fez a pole e o segundo lugar na corrida, o lado negativo de Viñales, é o seu salário na Yamaha de cerca de 7,5 milhões de Euros, que pode ser excessivo para a Aprilia, pois até Dovi indicara antes que o seu, aproximadamente ao mesmo nível, era negociável e uma redução não seria um obstáculo.

Desde então, as especulações e conjeturas têm sido abundantes. Poderia Viñales assinar por outra equipa?

Kevin Schwantz falou de um regresso à Suzuki com Maverick, como disse numa entrevista recente, mas isso exigiria que Alex Rins se separasse primeiro dos japoneses- o que, em vista dos resultados medíocres deste esta época, não parece assim tão improvável.

Vários colegas especularam nos últimos dias que Viñales poderia juntar-se a um alinhamento de MotoGP da Ducati, que irá aumentar de seis para oito pilotos para 2022 devido à adição da Flexbox Gresini Racing Team.

A Ducati Corse (Miller, Bagnaia) e Ducati Pramac (Zarco, Martin) há muito que têm pilotos confirmados, e Gresini confirmou Bastianini e Di Giannantonio.

Mas a nova equipa de Valentino Rossi Aramco VR46 Ducati ainda tem de preencher oficialmente o segundo lugar ao lado de Luca Marini.

Marco Bezzecchi, o medalhista de bronze do Campeonato Mundial de Moto2 da Academia de Pilotos VR46, foi apontado como um possível estreante.

Com o Director Geral da Ducati Corse Gigi Dall’Igna à procura de um adversário sério para Marc Márquez durante anos, tem havido especulações esta semana de que Viñales poderia tornar-se um candidato para a equipa da Aramco Ducati.

Afinal de contas, dos atuais pilotos da Ducati, o único que já venceu é Jack Miller, pelo que um veterano e piloto vencedor viria a calhar.

Dall’Igna disse recentemente: “Contratámos Jorge Lorenzo para 2017 e 2018 porque não conseguimos Márquez e ele era a segunda melhor escolha”.

A partir disto, alguns repórteres deduziram que a Ducati estava agora de volta à caça de um novo piloto vencedor e Viñales era o ideal, se se pudesse afastá-lo da rival Aprilia.

Agora, tudo indica que é seguro dizer que Viñales não irá para a Ducati em 2022.

Valentino Rossi comprou esses dois lugares de MotoGP com um objetivo claramente definido: Dar aos seus pilotos mais talentosos da academia VR46 uma oportunidade de subir para a classe rainha depois da Moto3 (onde tem uma parceria com a Avintia KTM) e da Moto2.

Claro, a Aramco, a gigantesca companhia petrolífera da Arábia Saudita, com um lucro anual declarado de cerca de 55 mil milhões de dólares, adoraria ver um piloto de topo na sela da sua moto.

De preferência, o próprio dono da equipa Valentino Rossi, como o Príncipe Ibn Saud tem vindo a declarar.

Até agora não há a menor indicação de que Rossi, de todos os pilotos que poderia escolher, queira contratar o seu rival de longa data e dissidente da Yamaha Viñales, que exige ainda por cima uma taxa de quebra de contrato de um milhão de dólares.

Além disso, a VR46 de Rossi só receberá uma Ducati Desmosedici GP22 para a próxima temporada, e esta está provisoriamente destinada ao irmão Luca Martini, se Valentino não agarrar ele próprio na moto e decidir correr por mais uma temporada.

Ainda resta saber se o segundo classificado da Moto2 do ano passado receberá outro contrato de fábrica da Ducati para 2022.

O facto é que a equipa de Rossi é cliente pagante da Ducati Corse, ou seja, compra as motos, pelo que a fábrica não tem qualquer palavra a dizer na seleção do piloto.

“A especulação de que Viñales poderia passar para a Ducati VR46 é pura fabricação sem fundamento”, assegurou uma fonte fiável.

Viñales não comentou a sua possível transferência para a Aprilia, pelo contrário, em Assen negou tais sugestões.

Depois de anunciar que se ia separar da Yamaha no final da época, Maverick Viñales fez circular uma breve mas vaga declaração através dos seus canais de comunicação social, dizendo: “Estes últimos anos não trouxeram os resultados esperados. Foi por isso que decidi mudar de rumo em vez de continuar. Quero tentar maximizar o meu potencial no futuro”.

“Pessoalmente, sinto que um novo projeto me trará positividade e motivação. Gostaria de agradecer à Yamaha e à minha equipa pelo seu apoio ao longo dos anos e estou ansioso por andar por eles até ao final desta temporada”, acrescentou o vencedor da prova de abertura do Qatar.

5 1 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x