MotoGP, 2020, Valência: Mir lidera, mas há seis anos nenhuma equipa do Mundial o queria

Por a 1 Novembro 2020 15:00

Joan Mir lidera o Mundial de MotoGP agora, mas o piloto da fábrica da Suzuki não teve um início fácil no campeonato do mundo, como recorda o seu empresário Paco Sanchez

Depois de dez resultados no Top 10 na sua época de estreia, Joan Mir subiu ao pódio em MotoGP pela primeira vez na sua carreira no GP da Áustria, a 16 de Agosto passado.

Desde então, adicionou mais cinco pódios ao seu palmarés e esta consistência foi recompensada, numa temporada de 2020 encurtada, com a liderança do Campeonato: o piloto oficial da Suzuki Ecstar lidera a tabela do Campeonato após onze corridas com uma vantagem de 14 pontos.

Porém, em 2014, ainda era difícil de colocar Mir numa equipa de fábrica, até que, em Junho de 2018, o campeão do mundo de Moto3 de 2017 conseguiu um contrato de MotoGP, depois do seu 42º Grande Prémio.

O seu empresário Paco Sanchez tinha os seus contactos na Suzuki Ecstar, para onde já transferira Maverick Viñales para 2015 e 2016.

Paco Sanchez ainda se pergunta por que razão o talentoso Mir não conseguiu logo um contrato de GP depois do seu segundo lugar na Red Bull Rookies Cup 2014 atrás de Jorge Martin).

“De alguma forma, o Joan era difícil de promover. Comecei a lidar com ele no verão ou no outono de 2013. Nessa altura, um conhecido de Maiorca ligou-me e falou-me de um talento que queria candidatar-se à Taça dos Rookies. Então, peguei no telefone e liguei para o Alberto Puig, que estava encarregado de selecionar os talentos. Pediu-lhe para ficar de olho no Joan Mir ao selecionar os talentos. Depois ligou-me e disse que o Joan tinha feito uma boa impressão, que tinha talento”, recordou Sánchez numa entrevista recente.

Mas depois do segundo na geral da Taça em 2014, nenhuma equipa de Moto3 de GP estava interessada em Joan Mir. Johann Zarco sofreu o mesmo destino após a temporada de 2007 e a vitória na Taça dos Rookies. Ele também não era desejado por nenhuma equipa do Campeonato do Mundo na altura.

Recorda Sanchez:

“Fui a todas as equipas do Moto3 e de Moto2, bati à porta e propus o Joan em 2015. Ninguém o queria. Nem sequer houve interesse no Campeonato do Mundo de Supersport. Mas os pais dele não tinham dinheiro para comprar um lugar, só podíamos oferecer o talento do piloto. Eventualmente, consegui algum dinheiro e coloquei o Joan numa das equipas mais pobres do CEV Moto3. Em 2015, teve de andar contra as equipas de Alzamora da Monlau e Ajo Motorsport, que estavam praticamente a andar com o material do Campeonato do Mundo. No entanto, Joan Mir venceu as duas primeiras corridas. Depois disso, estava completamente convencido da sua capacidade. Em 2016 foi a reviravolta, conseguimos um contrato com a KTM Leopard, ele ganhou o GP da Áustria e ganhou mais alguns lugares no pódio. Ficamos com a Leopard em 2017.”

O resto é história: O filho de um comerciante do ramo moto, que um Natal ganhou uma minimoto, venceu o título de Campeão do Mundo de Moto3 na Honda Leopard em 2017 com dez vitórias em 18 corridas.

No Campeonato do Mundo de Moto2 com a Marc VDS, a história de sucesso continuou: Ficou em terceiro lugar no pódio para a quinta corrida em Le Mans, e a partir daí, as ofertas de MotoGP da Ducati, Honda e Suzuki começaram a aparecer.

Seguiram-se mais lugares no pódio em Mugello (3º), Sachsenring (2º) e Phillip Island (2º) mas também quatro falhanços.

Mir terminou a sua primeira e única temporada de Moto2 no sexto lugar em 2018.

Em 2019, Mir terminou em 12º lugar no Campeonato do Mundo como estreante no MotoGP, perdendo dois Grandes Prémios após uma grave queda num teste de segunda-feira em Brno. Dos estreantes, só o vencedor Fábio Quartararo foi melhor no final.

Paco Sanchez congratula-se com o facto de Joan Mir não ser um daqueles adolescentes que sacrificou a sua infância pelo motociclismo:

“Chegou ao Campeonato do Mundo aos 18 anos e foi piloto de MotoGP aos 21 anos. Creio que este sistema é exemplar. Por isso, deixemos os atletas terem a sua infância, podem descontrair-se e ir para a escola. E quando eles chegam ao Mundial, não temos de negociar com pais ou avós, os pilotos já têm a maioridade legal e têm direito a assinar. Já não são crianças e estão conscientes de que este desporto também pode ser perigoso.”

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x