Moto3, 2021: Talento italiano em ascensão

Por a 16 Janeiro 2021 16:30

Não há fome que não dê em fartura, e depois de um longo período de seca, os italianos vêm a luz ao fim do túnel com novos talentos

Entretanto, os anos magros da Moto3 para a Itália já se foram, com seis italianos no top 10 em 2016!

Não foi há muito tempo que os italianos não viam um único piloto no top 10 da classe mais pequena do Campeonato do Mundo. Depois de 2004 e da vitória de Andrea Dovizioso na Honda, a Itália esteve na categoria mais pequena de 125 cc/Moto3 sem ganhar o título de campeão do mundo durante 15 anos, até Lorenzo Dalla Porta ter terminado a série de derrotas em 2019.

2004 foi o último ano com uma excelente colheita Italiana nas 125cc. “Dovi” venceu o Mundial na altura à frente de Barberá, Roberto Locatelli, Lorenzo e Stoner. Dos cinco primeiros, três pilotos tornaram-se mais tarde campeões do mundo.

Em 2018, Marco Bezzecchi tinha vencido três Grandes Prémios na KTM da Prüstel, mas só terminou em terceiro no Campeonato do Mundo.

Agora, Lorenzo Dalla Porta sagrou-se campeão do mundo de Moto3 em 2019 e Tony Arbolino garantiu o segundo título em 2020, apesar de perder uma prova devido a um afastamento por precaução contra o Covid-19.

No Mundial de Moto3, os italianos voltaram recentemente a atacar numa frente ampla: pilotos como Tony Arbolino, Romano Fenati, Dennis Foggia e Celestino Vietti estavam entre os melhores pilotos da classe Moto3 na época passada.

A vitória foi para a Itália em quatro dos quinze Grandes Prémios, embora oito das 19 corridas fossem ganhas pelos italianos em 2019.

Em 2020, venceram Foggia (em Brno), Fenati (Misano 2), Vietti (Le Mans) e o vice-campeão Tony Arbolino (Valência).

Arbolino até estava a caminho do título, mas perdeu o GP de Aragón porque um passageiro no seu voo para Espanha testou positivo para o Coronavírus e o italiano teve de entrar em quarentena.

Com Vietti e Arbolino, dois talentos promissores vão agora ingressar na classe de Moto2 em 2021 para seguir os passos de Bastianini, Marini e Bezzecchi.

Se olharmos para 2010 e 2011, nessa altura, nenhum italiano ficou no top 10 da classificação geral nos 125cc do Campeonato do Mundo.

Pior ainda, Simone Grotzkyi terminou estes dois anos no Mundial de 125 como o melhor italiano no 15º e 16º do Mundial.

Na classe Moto3, a Itália manteve-se sem vitórias em 2012, depois da vitória de Romano Fenati em 29 de Março. Entretanto, pilotos como Cortese, Viñales, Salom, Kent e até Louis Rossi, venceram.

Os jovens talentos italianos manifestaram-se principalmente nas categorias de Moto3 e Moto2 do Campeonato do Mundo. Nomes como Fenati, Antonelli, Tonucci e etc. estavam numa maré de derrotas com as suas Honda em 2013 contra a avassaladora KTM.

Isto foi evidente nas posições finais do Campeonato do Mundo, com um melhor de 10º para Fenati. Mas na temporada de 2013 não houve um único sucesso italiano na classe de Moto3!

Anteriormente, os italianos tinham conquistado um título após outro na classe de 125cc.

Gresini (1985 e 1987), Cadalora (1986), Capirossi (1990 e 1991), Gramigni (1992), Rossi (1979), Locatelli (2000), Poggiali (2001), Dovizioso (2004).

Uma coisa é clara: os italianos beneficiaram do domínio da Aprilia na sua fase mais gloriosa na era das dois tempos (125 e 250 cc). As RS eram as preferidas por muitas equipas e pilotos de Itália.

Fenati venceu na Argentina em 2014, depois da primeira vez que ganhou em Jerez em 2012.

Foi o primeiro triunfo italiano em dois anos! Fenati, em KTM, também ganhou em Jerez, Mugello e Aragón, e isso foi o início de uma subida significativa.

Equipas italianas como a Gresini, Sky VR46, Snipers, Rivacold, San Carlo Team Italia, Leopard Racing e SIC58 estavam à procura de talentos de Itália, com a Mahindra Racing e a Peugeot também a promover os talentos no CIV desde cedo. Rossi até destacou uma equipa júnior no Campeonato Espanhol CEV Repsol.

Entretanto, os anos magros da Moto3 para a Itália já se foram há muito. Bastianini, Bagnaia, Di Giannantonio, Bulega, Locatelli e Fenati terminaram em segundo lugar no Mundial de 2016, seis italianos no top 10!

Bagnaia venceu duas corridas do Campeonato do Mundo, Bastianini uma, Fenati também uma.

Com a vitória no título em 2019, Dalla Porta marcou uma nova era para os pilotos de Itália depois de muitos anos difíceis.

Com Dennis Foggia, Romano Fenati, Nicco Antonelli, Andrea Migno, os candidatos italianos voltarão a estar representados em 2021 e Riccardo Rossi e Stefano Nepa serão outras duas esperanças na classe de Moto3.

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x