SBK, história: O verdadeiro inventor esquecido

Por a 14 Junho 2020 15:30

O Campeonato Mundial de Superbike realiza-se desde 1988. Steve McLaughlin raramente figura na historiografia oficial, mas o americano inventou o que é agora a segunda maior série de motociclismo do mundo.

Os irmãos Maurizio e Paolo Flammini gostam de se apresentar como inventores do Campeonato Mundial de Superbike. Em todas as estatísticas do Campeonato Mundial de Superbike, o nome Steve McLaughlin tem sido convenientemente apagado.

Porém, é indiscutível que o eloquente ex-piloto americano criou esta série de corridas de sucesso. Na sua primeira temporada em 1988, não havia vestígios da Flammini.

Steve foi um piloto e preparador de sucesso

A origem da série Superbike, como todos sabem, está na América. “Eu era o dono dos direitos do Campeonato Mundial de Superbike de 1988″, diz Steve McLaughlin. “Mas o trabalho neste projeto começou em 1984, no Congresso da FIM em Munique.”

McLaughlin precisava de dinheiro para a primeira temporada do Campeonato Mundial de Superbike, por isso envolveu-se com parceiros neozelandeses, com a ajuda dos quais fundou a “Sports Marketing Company”.

McLaughlin reside hoje na Alemanha

McLaughlin também encontrou uma resposta ampla. “Não é por acaso que sou chamado o primeiro vencedor das Superbike na América”, disse Mc Laughlin (pronunciado macloclin) numa entrevista, referindo-se à sua vitória em Daytona com uma BMW em 1976. Depois o país deslumbrou-se com as séries.

“A federação americana AMA há muito que resiste ao termo Superbike”, disse o californiano. “Em primeiro lugar, as máquinas chamavam-se ” Produção de Alta Cilindrada “. Depois concordaram com “Superbike Production” antes de finalmente permitirem o nome “Superbike”. Isto era burocracia típica da associação. As Superbikes tiveram o seu primeiro ano em 1976.”

O nome foi originalmente apresentado ao mundo em 1969 por um jornalista chamado Bob Braverman da Cycle Guide Magazine. “Ele descreveu a nova Triumph, BSA e Honda como superbikes”, diz McLaughlin. “E o australiano Warren Willing disse-me na altura que havia um campeonato na Austrália chamado Levi’s Superbike Series. Por exemplo, os motores de dois tempos de três cilindros Kawasaki eram derivados da série, não de protótipos. Pensei, Hmm, um bom nome para criar um marca.”

Ao mesmo tempo, Steve McLaughlin explorou a cena na Europa em 1984. “Falei com pessoas responsáveis de todos os principais países para explorar as suas ideias sobre novas séries de corridas”, disse. “Todos estavam apenas interessados num novo Campeonato do Mundo. Por isso, disse isso ao Bill France (dono da pista de Daytona). Depois fui ao Congresso da FIM, em Munique, para organizar um Campeonato do Mundo. Mas não recebi nenhum apoio do delegado americano Ed Youngblood. Fiz tudo sozinho. No entanto, em três anos lancei o Campeonato do Mundo de Superbike.”

McLaughlin foi um promotor na época na realização de vários eventos internacionais, lançamentos mediados por heróis dos EUA como Fred Merkel. Mas faltava-lhe dinheiro para promover um novo Campeonato do Mundo. Um dia recebeu uma ligação da Austrália de Brian Lawrence. “Ele falou-me de uma agência neozelandesa que estava interessada no Campeonato do Mundo de Superbike. Um dos principais gestores era um finlandês chamado Ari; Ele estava em Beverly Hills neste momento, por isso fui conhece-lo. Bebemos umas cervejas e tivemos uma conversa brilhante. Era muito falador. No dia seguinte, fui convidado para ir a Auckland, na Nova Zelândia. Para mim, era no fim do mundo. Comprometeram-se como investidores; Há dez anos que tinha um plano de negócios.”

Jim e o filho Bill France financiaram Steve McLaughlin em todas as conversações preliminares na Europa e com a FIM. “Eu não fiz muitas despesas. Quando estava na Europa, fiquei com o Steve Parrish ou o Roger Marshall.”

A família France investiu algumas centenas de milhares de dólares em despesas. “Voei quase 200.000 milhas aéreas em 1987 e 1988”, concluiu McLaughlin. “Os neozelandeses financiaram então o início do novo Campeonato do Mundo. Quando tudo se começou a concretizar, não dormi durante quase dois meses.”

Steve McLaughlin fundou uma nova empresa com os proprietários da Sports Marketing Company e começou a criar um calendário do Campeonato Mundial de Superbike em 1988. “Recebemos 19 candidaturas. Seis teria sido suficiente para uma série de Campeonato do Mundo”, recordou o norte-americano.

O Campeonato do Mundo de Superbike foi imparável, apesar de várias discussões. “Para a primeira corrida no Hungaroring tinhamos 118 inscrições”, recordou Steve. Apareceram 89 pilotos. Os húngaros sentiram pena dos muitos que não qualificaram. Foi por isso que fizeram a sua própria corrida para os repescados.”

Hoje, Steve McLaughlin não tem muitos elogios ao promotor Flammini que veio a seguir quando a Spots Marketing faliu. “Ele fez do Campeonato do Mundo de Superbike uma série para italianos ricos. Cada piloto colocava 3.000 dos 6.000 Euros por corrida para os pneus Pirelli nos seus bolsos. Se juntássemos todas as classes, eles tinham 100 pilotos. Logo, dava 300 mil euros por corrida como resultado. A isto, juntaram-se as taxas milionárias que os organizadores tinham de pagar para receber o Campeonato.”

McLaughlin organizou nove corridas na temporada de abertura do Campeonato Mundial de Superbike, incluindo o Estoril. É bem conhecido o facto de como se reuniu com o ministro do interior da altura para mudar a lei, permitindo o patrocínio da SG à prova portuguesa. Mas a empresa-mãe do parceiro neozelandês perdeu muitos milhões na bolsa de valores em 1987, deixaram de pagar as faturas e tornaram-se insolventes.

“Admito que foi uma situação esquisita”, admitiu McLaughlin. “Mas ninguém no mundo pode acusar-me de não pagar contas. Quando isso aconteceu, fiquei muito nervoso. Os números eram uma questão para os neozelandeses; Dei-lhes uma parte maioritária. Tinham 65% e teriam de investir um milhão de dólares por ano ao longo de dez anos. Para isso, deviam receber uma parte dos meus rendimentos. Luigi Brenni, da FIM, quase não cobrou taxas pelos primeiros anos do Mundial para ajudar. Quando a situação se agravou durante a temporada de 1988, vendi as minhas restantes ações aos neozelandeses. Queriam continuar o Campeonato do Mundo. Estava fora, mas tudo bem por mim. Eu e Keith Jones da Sports Marketing trouxemos a agência japonesa Dentsu, a maior do mundo, a bordo. Era preciso encontrar patrocinadores para o nosso espaço publicitário. Em seguida, aliaram-se à Flammini, que os vendeu por 1 milhão em direitos televisivos, que eram praticamente inúteis na época, ninguém os queria.”

Segundo o americano, a filosofia básica do campeonato, uma série bem paga e acessível a privados, foi atirada ao mar e McLaughlin ainda hoje culpa a Flammini.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Mundial Superbikes
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png