SBK, Entrevista Eugene Laverty: ‘Portuguese by choice’

Por a 29 Maio 2021 00:15

No final de 2019, Laverty e a sua esposa Philippa ‘Pippa’ Laverty mudaram-se para Portugal. Antes da primeira ronda portuguesa da temporada 2021 WorldSBK, aproveitámos a oportunidade para realizar uma entrevista com o par ‘Portuguese by choice’ e visitámo-los na sua propriedade perto de Portimão. Na conversa, ambos dão uma visão muito pessoal da sua nova vida em Portugal e descrevem os lados ensolarados e escuros do dinâmico mundo dos desportos motorizados.

Na próxima quinta-feira, 3 de Junho, Eugene Laverty (IRL) celebra o seu 35º aniversário. Tem seguido uma tradição familiar desde a infância e é um dos pilotos mais experientes nas corridas de motociclismo atuais. O Irlandês conduz para a BMW Motorrad no Campeonato Mundial de Superbike da FIM (WorldSBK) desde 2020. Após a sua temporada de estreia na equipa BMW Motorrad WorldSBK, Laverty é destacado para a equipa italiana de satélite RC Squadra Corse da BMW em 2021. Além disso, no seu papel como piloto de testes da BMW, Laverty está a ajudar a avançar no desenvolvimento futuro das motos do segmento  supersport da BMW Motorrad. 

A viver em Portugal

Depois da primeira corrida em Espanha, Portugal é o próximo país no calendário do WorldSBK, uma espécie de “corrida caseira” para si. Como surgiu a ideia de se mudar para Portugal? 

Eugene: “De certa forma, Portugal sempre foi como uma segunda casa para nós depois dos meus primeiros anos no WorldSBK Supersport. Eu estava com a Parkalgar Honda, que é a equipa que foi formada quando o circuito de Portimão foi construído. Assim, passei muito tempo aqui e senti-me de alguma forma português e sempre gostei de estar aqui. Assim, após sete anos no Mónaco, começámos a procurar; queríamos mudar-nos. Gostamos muito do modo de vida português – por sorte, encontrámos um lugar e instalámo-nos na zona do Algarve”. 

Poderia chamar a Portugal a sua nova casa e o que significa casa para si? 

Eugene: “Bem, é difícil dizer que casa é porque a minha família está de volta a casa na Irlanda do Norte de uma forma que será sempre a nossa casa, mas para nós pessoalmente, penso que Portugal é a nossa nova casa. É aí que nos baseamos. Temos lá agora o nosso cãozinho Bruce, por isso é lá que está baseada a nossa pequena família”. 

Pippa: “Penso que o lar significa para nós onde estamos juntos. Eu, onde quer que Eugene esteja, sinto-me em casa”. 

Antes de se mudarem para o Mónaco, ambos viajaram juntos com uma autocaravana, certo? 

Pippa: “Sim, exactamente! Essa foi a nossa casa durante muitos anos quando Eugene começou a correr pela primeira vez. Estávamos a viajar num pequeno campervan europeu. Qualquer lugar pode fazer um lar, desde que estejamos juntos”. 

Trouxeram muitas coisas da Irlanda para Portugal? 

Eugene: “A quarentena deu-nos a oportunidade de chegarmos também a casa, por isso muitas coisas vieram da Irlanda e tivemos algum tempo nos primeiros meses durante a quarentena, depois, claro, passados alguns meses estávamos a ficar aborrecidos, mas nos primeiros meses foi bom de certa forma”. 

Pippa: “Sim, porque muitas coisas estão armazenadas há muitos anos, pois no Mónaco não tínhamos muito espaço, mantivemo-las todas na Irlanda. Mas agora temos o espaço, por isso tínhamos tudo enviado e eram caixas com o velho equipamento de corrida de Eugene, todos os seus troféus, tudo o que foi acumulando ao longo dos últimos anos. Portanto, tem sido muito agradável olhar para trás e apreciar realmente o tempo que passámos juntos”. 

Acabou de regressar da primeira volta em Aragão e está prestes a partir para a próxima corrida no Estoril, o que lhe dá a oportunidade de ficar no seu lugar privado entre as corridas. O que faz entre os fins-de-semana das corridas? Como é a sua rotina diária quando está aqui em Portugal? 

Eugene: “Entre uma corrida e outra como a desta semana, estou a tentar recarregar as minhas baterias após a última e a preparar-me para a próxima corrida. Isso significa principalmente treino. Durante a época das corridas, recuo sempre um pouco mais do que na época de Inverno, quando faço mais horas. Mas para mim, neste momento, ando de bicicleta durante duas, duas horas e meia e depois volto para casa e faço algum treino de manutenção durante 30, 40 minutos. E, claro, o alongamento para manter a flexibilidade. Mas penso que o mais importante durante a época de corridas é deitar-me cedo. Passeamos o nosso cão Bruce ao pôr-do-sol, talvez às 20:30, e depois tentamos estar na cama às dez horas para que eu possa levantar-me às 6:30 da manhã. E se não estou a treinar, tento desligar-me e desfrutar dos benefícios de Portugal”. 

Pippa: “Mesmo que o nosso tempo em casa seja bastante limitado entre as viagens para as corridas, é bom usar realmente o tempo e sair para explorar a área. Em Portugal fazem, por exemplo, uma grande quantidade de produtos alimentares locais, por isso, uma vez que o Eugene sai do treino, é bom sair a meio da tarde, ir às lojas, apanhar alguns produtos frescos e talvez dar um passeio ao longo da praia, um bom almoço e depois voltar à noite e ter uma noite descontraída em casa, e apenas apreciar o pôr-do-sol da varanda. Temos muita sorte de viver num lugar tão descontraído, temos o mar e temos tantas paisagens bonitas à nossa volta. Isso dá-nos poder para o próximo fim-de-semana”. 

Tem algum lugar preferido? E Eugene, montando a R nineT, onde preferes ir? 

Eugene: “Gosto de subir as colinas à volta de Monchique, descobri lá algumas belas estradas. Principalmente na bicicleta. Ter a bicicleta é a melhor maneira de descobrir, pode-se realmente olhar à volta. Andar de moto ou conduzir o carro não é a melhor ideia para estar a olhar à volta da paisagem. Assim, faço de bicicleta a subida até acima e olhando para baixo vejo o autódromo de Portimão, onde vamos correr na segunda ronda portuguesa em Outubro. “

Família e corridas 

Acabou de mencionar a sua família há pouco. Parece que todos na sua família estão de alguma forma relacionados com as corridas. 

Eugene: “Sim, tive a sorte de ter nascido numa dinastia de corridas. O meu pai Mickey Laverty correu sozinho por diversão. Assim que a minha irmã mais velha Emma nasceu, então ele decidiu que era demasiado perigoso com as velhas motos de corrida. Mas eu e os meus irmãos andávamos sempre de moto em casa e até a minha irmã mais velha Emma, mas só John, Michael e eu é que começámos a correr de motocross quando éramos jovens. O meu irmão gémeo Eamonn não tinha realmente interesse em motos, mas eu sempre tive uma paixão por elas. Portanto, somos uma família tão grande, quando éramos miúdos viajávamos sempre juntos, por isso, enquanto havia apenas três rapazes a correr, geralmente havia sempre seis miúdos na carrinha a ir para a pista de corridas”. 

Ainda hoje, tem alguns familiares, a trabalhar no paddock do WorldSBK… 

Eugene: “Sim, o meu anterior chefe de equipa com quem estive na Aprilia, Phil Marron, é agora o chefe de equipa de Toprak Razgatlioglu, e é meu cunhado; é casado com a minha irmã mais velha Emma. E depois, claro, com Chaz Davies – o meu irmão Michael é casado com a irmã de Chaz, Jody. O meu irmão Michael costumava correr e está agora a comentar as corridas. O meu outro irmão John tornou-se fisioterapeuta depois de terminar a sua carreira nas corridas e está agora a cuidar da minha fisioterapia durante os fins-de-semana das corridas. Portanto, há muitos genes de corrida na família, por isso tenho a certeza de que isso não vai parar aqui e veremos a próxima geração de motos de corrida mais uma vez”. 

Champanhe e dor 

O Mónaco continua a ser um dos sinónimos do desporto motorizado. Mencionou que se divertiu muito lá. Poderia falar-nos um pouco sobre a comunidade de corridas de que fez parte e, especialmente, sobre a sua relação com os condutores, não com os pilotos? 

Eugene: “Fui visitar o Mónaco em 2012 para pedalar com um amigo meu, Nicolas Roche, que é um ciclista profissional irlandês, e quando estava na moto reparei que havia esta pequena comunidade desportiva no Mónaco que eu desconhecia. Havia os condutores de automóveis de corrida, claro, motociclistas e ciclistas, e por isso esta foi uma grande parte da razão pela qual nos mudámos para o Mónaco. Muitas pessoas vivem um modo de vida semelhante ao nosso e, especialmente onde vivíamos, havia muita comunidade britânico-irlandesa, muitos ex-condutores como David Coulthard, Allan McNish, e muitos condutores actuais, australianos, Kiwis, com Brendon Hartley, Daniel Ricciardo, pessoas que falam a mesma primeira língua que nós, onde naturalmente se vão associar a eles. Por isso, uma coisa que tenho a certeza que sentimos falta em relação ao Mónaco, porque havia aquele pequeno grupo lá, mas como em qualquer lugar, tenho a certeza de que dentro de alguns anos teremos um grupo de amigos em Portugal e sentir-nos-emos semelhantes”. 

Pippa: “Para mim pessoalmente, a principal coisa que sinto falta no Mónaco são os meus amigos, o meu grupo de amigas de lá. Porque eu tinha um grupo inteiro que compreendia exatamente o que é viver com um atleta porque elas também vivem com atletas. Assim, elas sabem que é agitado quando viajam, sentimos a falta delas quando estão longe, ou quando viajamos com elas, é bom voltar e relaxar. Por vezes, muitas pessoas vivem ao fim-de-semana, mas no Mónaco normalmente saímos numa terça-feira ou quarta-feira, porque toda a gente costuma correr num fim-de-semana”. 

Pippa, como é para si viver com um atleta, sendo a esposa? 

Pippa: “É espantoso, realmente, poder apoiar o seu marido no que ele faz. Há muitos altos e muitos baixos, mas é preciso aprender a dançar à chuva e a celebrar quando as coisas correm bem. Se não fosse o Eugene, penso que não teria podido viajar tanto e ver tanto do mundo como tenho e partilhar estas muitas recordações como temos juntos. Tem os seus lados positivos, mas também tem os seus lados negativos, especialmente nas lesões e em tudo. Mas o importante é rodear-se de pessoas e amigos que apoiam e compreendem o estilo de vida que se tem. É claro que, por vezes, temos champanhe e festas; não vou mentir, é bastante divertido”. 

Eugene: “Sim, tivemos coisas boas durante, digamos, 13 anos e depois, infelizmente, houve um período em que passei por muitas lesões, por isso na Tailândia, quando tivemos de ficar duas semanas com Pippa sentada ao lado da minha cama no hospital e depois quando parti ambos os pulsos, isso também foi duro onde precisei de Pippa para mais coisas do que gostaria de dizer, porque não pude fazer nada. Há alguns lados positivos, mas esses também foram os tempos difíceis”. 

Pippa: “Sim, podia-se passar literalmente de beber champanhe e festejar com os amigos numa semana e estar junto a uma cama de hospital na seguinte; é realmente um estilo de vida muito bom para cima e para baixo. É preciso estar preparado para isso”. 

O vosso próprio podcast ‘Champain’ saiu disso? 

Pippa: “Sim, a ideia para o meu podcast ‘Champain’ é que eu queria destacar os bons e os maus momentos das pessoas que apoiam os atletas, bem como os próprios atletas, o que aprendem com isso e onde isso os levou nas suas vidas. Porque penso que não se aprende realmente a passar por tempos difíceis. O podcast destaca como ao longo da vida se podem passar tempos difíceis e como se lida com esses tempos difíceis. Não há bolhas sem alguns problemas, essa é a minha legenda para “Champain”. E para ser um campeão é preciso passar por alguma dor, é preciso sacrificar muito, é preciso dedicar muito e … sabe, não é fácil. Acho que as pessoas olham para as redes sociais ou para a televisão e pensam: “Uau, deve ser tão divertido ser piloto de carros de corrida ou isto ou aquilo, acho que as pessoas não se apercebem da quantidade de suor e lágrimas que as pessoas põem para chegar onde estão”. E é disso que se trata o podcast”. 

Eugene: “Do lado dos pilotos é óptimo e fico realmente bastante irritado quando ouço alguns pilotos profissionais quase a queixarem-se de como o estilo de vida é difícil. Tem tempos difíceis, mas penso que temos muita sorte por estarmos na posição em que estamos. Há os dias difíceis mas as coisas mudam e, no passado, houve muitos dias difíceis mas vale a pena, porque também há os dias bons”.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Destaque Homepage
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x