MotoGP, os atuais: Joan Mir

Por a 17 Maio 2020 16:00

Com Joan Mir, estamos a chegar ao nível superior de pilotos da MotoGP, que lutam a cada corrida dentro do Top 10 e podem chegar ao pódio ou mesmo aspirar à vitória.

Não foi o caso com Joan Mir em 2019, mas o jovem nascido em Palma de Maiorca, a 1 de Setembro de 1997, já tem no seu palmarés um título de Moto 3 com a Honda Leopard e protagonizou das mais rápidas ascensões ao topo da MotoGP nos últimos anos, mesmo afetado por uma lesão a meio da época.

Joan Mir Mayrata não teve o percurso típico na carreira no MotoGP. De facto, os seus primórdios no motociclismo vieram muito mais tarde do que os seus rivais nos campeonatos de velocidade. A sua primeira moto foi uma Polini quando tinha 6 anos, até receber uma pequena Honda QR como presente um ano depois. Mas, invulgarmente, a sua família não tinha um fervor excessivo por motos de estrada; todos à sua volta gostavam mais de andar fora de estrada do que em pista, e a maioria estava mais entusiasmada com outros desportos.

O pai dele, Joan, tem, de facto, uma loja de patinagem em Maiorca, por isso o pequeno Joan cresceu rodeado de skates.

Só quando viu o seu primo Joan Perelló, que estava na equipa Stop & Go no Campeonato do Mundo, ficou fascinado com a velocidade. Admirador do seu compatriota Rafael Nadal, Joan admitiu numa entrevista que “como Rossi, não olho para ninguém como referência“. No entanto, paradoxalmente, a sua primeira experiência de corrida em pista chegou na escola de Chicho Lorenzo, pai de Jorge, onde permaneceu durante um ano.

De lá mudou-se para a escola da Federação Balear de Motociclismo em 2009. Lá alguém descobriu que Joan tinha mais a oferecer do que apenas o seu sorriso entusiasta. Foi também onde conheceu Daniel Vadillo, que o aconselha e o acompanha a cada corrida desde então. “Vimos que ele tinha algo diferente”, recorda Dani.

Mir na Honda Leopard em Moto3

Iniciou então a aventura na Taça Bankia na categoria XL 160, em 2011. O Maiorquino ganhou a coroa duas corridas antes do fim do campeonato. Depois veio a Taça Pré-GP de MotoGP 125, o passo seguinte na árdua subida ao Campeonato do Mundo, e Joan não se conteve, garantindo mais um título.

Em 2012, Joan rumou à Red Bull Rookies Cup, onde completou duas temporadas; 2013-2014. Durante o primeiro ano de adaptação, o piloto balear terminou em 9º lugar na classificação geral, enquanto no segundo ano terminou em segundo lugar após uma batalha muito renhida com o espanhol Jorge Martín.

Chegou um 2015 um pouco turbulento, em que surgiram algumas circunstâncias desafiantes que iriam influenciar a carreira de Mir.

Joan, já preparado para iniciar a carreira no Campeonato CEV, ficou de fora porque a equipa da Leopard Racing cancelou o projeto no último momento. Joan e a sua comitiva entraram em contacto com o treinador Paco Sánchez, que ajudou o jovem a completar o campeonato CEV com uma moto da Ioda na equipa Machado, mas em última análise, apoiado pela equipa da Leopard Racing.

Mir venceu quatro das seis primeiras corridas, mas desvaneceu-se no final da temporada, e acabou por terminar em quarto no campeonato.

Então, quando a temporada estava a chegar ao fim e Joan estava de férias, ele recebeu uma chamada da Leopard Racing novamente, pois eles queriam que ele substituísse o japonês Hiroki Ono, lesionado, no Grande Prémio da Austrália. Uma aparência como wild card que valia o seu peso em ouro. Depois de uma estreia discreta, Joan, que foi 15º na grelha em Phillip Island, teve um arranque de foguete e colocou-se no grupo principal, mas infelizmente caiu enquanto estava em 4º lugar depois de um incidente com John McPhee.

No entanto, tinha deixado a sua marca. A Leopard reconheceu o seu feito e recrutou-o para a temporada de 2016.

O desafio seguinte foi o Campeonato Mundial de Moto3. Como vimos, Mir estreou-se como wild card no Grande Prémio da Austrália em Phillip Island, ainda em 2015, com a Leopard Racing, substituindo o lesionado Hiroki Ono.

Em 2016, Mir já competiu a tempo inteiro no Campeonato do Mundo de Moto3 permanecendo com a Leopard Racing, com Fabio Quartararo e Andrea Locatelli. Terminou o campeonato na 5ª posição como rookie do ano, marcando 144 pontos.

Manteve-se ainda na formação pela segunda temporada em 2017 e dominou completamente a classe, tendo conseguido 10 vitórias e terminando com 93 pontos de vantagem sobre o seu rival mais próximo.

Os críticos compararam a sua técnica de pilotagem e maturidade evidenciada a lendas como Valentino Rossi e Marc Márquez.

O passo inevitável a seguir, com Mir agora com 21 anos, seria o Campeonato do Mundo de Moto2.

Assim, em 2018, Mir mudou-se para a Moto2 com a Marc VDS Racing, depois de assinar um contrato de quatro anos com a equipa e a HRC.

Apesar de ter conseguido 4 pódios, com dois terceiros em França e Itália e um segundo na Alemanha e na Austrália, e marcado uma volta mais rápida, também houve 4 ocasiões em que não acabou, na Catalunha, Brno, Tailândia e Valencia, pelo que ficou apenas em 6º no Campeonato, mas a MotoGP já espreitava…

Na Kalex da Marc VDS em Moto2

Numa contratação sensacional, o rookie foi arrebatado pela Suzuki Ecstar de Davide Brivio para se juntar a Alex Rins em 2019… E foi assim que o Campeonato do Mundo recebeu oficialmente Joan Mir em 2016. E rapidamente provou o seu valor; na Áustria Joan surpreendeu todos com uma corrida soberba que lhe deu a sua primeira vitória e o seu pódio de estreia na categoria. Terminou o campeonato na quinta posição, como Rookie of the Year, depois de conseguir três pódios, uma pole e duas voltas mais rápidas. Acabou por ser o aquecimento perfeito para a temporada de 2017 – 10 vitórias, 13 pódios e uma campanha de título dominante. A sua força e talento eram claros e o Maiorca ganhou a coroa de Moto3. Uma forma ideal de se formar em Moto2…

Entrou em Moto2 com a equipa EG 0,0 Marc VDS. Adaptando-se rapidamente, Joan parecia competitivo desde o início e os espectadores sentiram que um pódio estava ao seu alcance. Garantiu mesmo o seu primeiro pódio em Moto2 em França, e pouco tempo depois em Itália.

No entanto, o seu início promissor falhou um pouco por várias razões. Ao todo, Joan terminou a temporada na 6ª posição e foi premiado como Rookie of the Year apenas um dia antes de testar em Valencia, a sua primeira experiência na GSX-RR com a equipa Suzuki Ecstar.

A época de estreia de Joan no MotoGP em 2019 viu-o adaptar-se rapidamente à forma de trabalhar da equipa Suzuki, pois até disse que a sua introdução à equipa era como “encontrar uma segunda família”.

Na sua primeira corrida, no Qatar, alcançou um grande 8º lugar. Marcou mais nove top-10, apesar de uma lesão debilitante a meio da época, quando caiu nos treinos em Brno, que o viu falhar duas rondas.

Joan voltou a garantir o seu melhor resultado, um impressionante 5º lugar, na Tailândia, e depois reforçou-o com mais dois quintos lugares nas duas últimas corridas da temporada na Malásia e Espanha. Completou a sua temporada na 12ª posição do Campeonato.

Com ocasiões em que já foi mais rápido que o colega de ponta Rins e o seu foco em ajustar o seu estilo de pilotagem para melhor se adequar aos pontos fortes da GSX-RR, o jovem Mir ambiciona altos voos para a temporada de 2020.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x