MotoGP, os atuais: Cal Crutchlow

Por a 20 Maio 2020 16:00

Com Cal Crutchlow estamos firmemente dentro do Top 10  da MotoGP, e Cal tem o seu lugar firmemente entre os melhores da actualidade. Numa Honda satélite, pode por vezes passar despercebido, mas 3 vitórias em MotoGP e o facto de que é o único Britânico desde Barry Sheene em 1981 a vencer na classe rainha, dizem o oposto.

No início de 2017, o RAC atribuiu a Crutchlow o Troféu Torrens, um elogio feito em reconhecimento do “notável contributo para o motociclismo no Reino Unido”.

Cal, nascido em Coventry, Inglaterra, a 29 de Outubro de 1985, foi assim batizado em homenagem ao piloto de motos americano Cal Rayborn e começou a sua carreira como piloto de Supersport. Embora o seu pai Derek fosse piloto, Cal só se interessou pelo desporto aos 11 anos. Em 2007, aos 22 anos, ainda não tinha carta de moto. Cal prestou provas para futebolista com o Coventry City e o Aston Villa ainda jovem, mas depois de uma lesão no joelho optou por se concentrar nas corridas de motos.

Crutchlow venceu o UK Junior Challenge em 1999, e a Challenge Aprilia RS125 em 2001 e foi vice-campeão na Yamaha R6 Cup de 2003, atrás de Tommy Hill.

Sem ter começado particularmente cedo, foi Campeão no Campeonato Britânico de Supersport em 2006 e vencedor do Campeonato do Mundo de Supersport de 2009 com a Yamaha.

Crutchlow andou para a Honda no Campeonato Britânico de Superbike de 2008

Em 2007 estreou-se no prestigiado Campeonato Britânico de Superbike, com a equipa Rizla Suzuki ao lado do tetracampeão Chris Walker. Conquistou a pole em Croft e terminou em 9º lugar na geral depois de terminar a temporada com o seu primeiro pódio, terceiro em Brands Hatch. Em 2008 mudou-se para a HM Plant Honda, patrocinada pela CIA Insurance. Conseguiu a sua primeira vitória na corrida 2 em Thruxton. Levou a pole para a 3.ª ronda em Oulton Park e liderou a corrida 1 antes de cair nas condições húmidas do 2º lugar da corrida 2, lesionando-se no tornozelo no processo. Obteve duas vitórias na temporada e terminou em 3º lugar no campeonato, batendo Tom Sykes por dois pontos, depois de o homem de Yorkshire ter tido uma falha mecânica na última ronda.

Em 23 de Setembro de 2008, foi confirmado que Crutchlow tinha assinado um acordo para pilotar para a equipa de fábrica da Yamaha gerida por Wilco Zeelenberg no Campeonato Mundial de Supersport de 2009.

Terminou nos quatro primeiros lugares em todas as corridas até uma falha mecânica enquanto liderava em Brno, e viu-se numa luta a dois com Eugene Laverty na Honda Parkalgar. Crutchlow liderava o campeonato até uma falha na caixa de velocidades enquanto liderava em Imola, o que fez com que Eugene Laverty o ultrapassasse por 3 pontos.

No entanto, em Magny-Cours, depois de um arranque intenso, Laverty caiu, mas voltou a pegar na sua moto para o deixar a 19 pontos de Crutchlow, a uma corrida do fim em Portimão. Laverty venceu em Portugal, mas devido à diferença de pontos, um quarto lugar de Crutchlow foi suficiente para garantir o título de campeão de 2009.

No Mundial de SBK com a R1 da Sterilgarda

Em 1 de Outubro de 2009, a Yamaha anunciou que Crutchlow iria mudar-se do mundial de Supersport para o Campeonato do Mundo de Superbike em 2010.

O seu companheiro de equipa foi o antigo campeão do mundo James Toseland, que regressou ao Campeonato do Mundo de Superbike depois de perder o seu lugar na MotoGP. Cal conquistou a sua primeira pole da série no segundo encontro, em Portimão, mas não venceu nenhuma das corridas. Suscitou controvérsia depois da primeira corrida, mencionando numa entrevista que estava bem à frente de Toseland quando caiu, mas insiste que não o disse por ser arrogante.

Crutchlow conquistou as suas duas primeiras vitórias em SBK em Silverstone, depois de ter lutado com Jonathan Rea, piloto da Ten Kate Racing, e, consequentemente, subiu do décimo para o quinto lugar da classificação e assim no Campeonato do Mundo de Superbike terminou no 5º lugar em 2010.

Desde 2011, Crutchlow compete no Campeonato do Mundo de MotoGP, já que foi anunciado oficialmente a 5 de Setembro de 2010 que Crutchlow se juntaria à Tech 3 para o Campeonato de MotoGP do ano seguinte.

Crutchlow terminou essa temporada na 12ª posição do campeonato, e selou o Prémio de Rookie of the Year depois de alcançar o seu melhor resultado da temporada, um quarto lugar, em Valencia.

Depois de um período de sucesso nos testes de inverno para a temporada de 2012, Crutchlow começou bem. Em Losail, Crutchlow garantiu a 3ª posição na grelha de partida e chegou ao 4º lugar à frente do colega de equipa Andrea Dovizioso, igualando o seu anterior melhor resultado em Valência no ano passado. Após a sua primeira qualificação na primeira linha, o pai perdeu uma aposta com Wilco Zeelenberg e teve de rapar o bigode da há 40 anos. Crutchlow voltou a sofrer desilusão em Silverstone durante os treinos para o Grande Prémio da Grã-Bretanha quando se despistou em Chapel Corner.

Ao longo de três temporadas, entre 2011 e 2013, integrou a equipa satélite Tech 3 da Yamaha, alcançando seis pódios.

Crutchlow com o colega de equipa da Ducati Andrea Dovizioso

Em 2 de Agosto de 2013 foi anunciado que Crutchlow tinha assinado um acordo de dois anos com a equipa Ducati de fábrica, tendo como parceiro Andrea Dovizioso. O início da sua temporada foi atormentado por problemas. Um transponder avariado fez com que a electrónica da sua Ducati Desmosedici se comportasse de forma estranha durante a primeira corrida no Qatar, onde terminou em sexto lugar.

Teve problemas com pneus e depois caiu da corrida em Austin. No acidente sofreu uma lesão na mão, fazendo-o perder o Grande Prémio da Argentina e, assim, perdeu uma corrida do campeonato pela primeira vez na sua carreira. Regressou em Jerez, mas foi obrigado a retirar-se após três voltas, tendo sofrido problemas com os travões.

Depois de mais uma temporada positiva em 2013, Crutchlow terminou em quinto lugar no campeonato com 188 pontos. Obteve quatro pódios, com o segundo lugar em França e Alemanha e o terceiro lugar em Itália e holandês. Alcançou também a primeira pole position da sua carreira no Assen. Crutchlow lutou consistentemente entre o segundo grupo de pilotos, juntamente com Andrea Dovizioso, Stefan Bradl e Álvaro Bautista.

A 2 de Agosto de 2014, exatamente um ano depois de se ter juntado à equipa, foi anunciado que Crutchlow ia deixar a Ducati. Mais tarde, no mesmo dia, foi anunciado que Crutchlow tinha assinado pela LCR Honda para a temporada de 2015, montando uma RC213V de especificação de fábrica, substituindo Stefan Bradl. Ainda alcançou o seu primeiro pódio com a Ducati em Aragón, terminando em terceiro lugar.

A seguir, Crutchlow rescindiu contrato com a Ducati para ingressar na Honda LCR para a temporada de 2015, montando uma Honda de fábrica apesar de se tratar de uma equipa satélite.

Crutchlow iniciou a temporada de 2015 com a CWM-LCR Honda, ocupando o sétimo lugar no Qatar e Austin. Depois conseguiu o seu primeiro pódio com a equipa, com um terceiro lugar na Argentina, depois de um passe a Andrea Iannone na última volta.

No processo, Crutchlow alcançou o primeiro pódio da LCR desde que Stefan Bradl terminara em segundo no Grande Prémio dos Estados Unidos de 2013. Crutchlow retirou-se de cada uma das três corridas seguintes do calendário, em França, Itália e na Catalunha, antes de um sexto lugar na Holanda e somando a isso um sétimo lugar na Alemanha, terminou em oitavo lugar no campeonato.

No ano seguinte, Crutchlow venceu a sua primeira corrida de MotoGP no GP da República Checa de 2016.

Primeira Honda em MotoGP

Esta vitória terminou com um período de seca de 35 anos para os Britânicos, uma vez que a última vitória de um piloto britânico no primeiro escalão fora a de Barry Sheene no Grande Prémio da Suécia de 1981. Também ganhou o GP da Austrália, a sua primeira vitória a seco. Tornou-se no primeiro britânico a vencer o Grande Prémio da Austrália. Terminou o ano com 141 pontos, em sétimo lugar no campeonato.

Porém, Crutchlow caiu na abertura da temporada de 2017 no Qatar, mas regressou na segunda corrida na Argentina para subir ao pódio no 3º lugar. Seguiu-se um resultado com dois top 5 nas suas próximas três corridas para produzir um início de temporada sólido e prolongou o seu contrato com a LCR e a Honda até 2019.

Em 2018, Crutchlow alcançou a sua terceira vitória na carreira de MotoGP na Argentina. Com um total de 3 pódios e 148 pontos, terminou em sétimo lugar no campeonato, apesar de ter perdido as últimas 3 corridas da temporada devido a lesão na Austrália.

Na altura, as primeiras radiografias não mostraram rutura no tornozelo, no entanto ficou claro que Crutchlow estava com dores consideráveis. Um exame mais aprofundado mostrou um tornozelo esquerdo partido e deslocado, e levantou questões sobre a participação de Crutchlow na corrida. Foi-lhe dado o alerta pelos médicos, e passou num teste de aptidão no circuito. Começando na parte de trás da grelha, Crutchlow correu com determinação característica, e terminou num altamente louvável 6º lugar.

No geral, Crutchlow teve uma temporada muito positiva, terminando em sétimo lugar no campeonato, correndo consistentemente dentro dos cinco primeiros classificados e obtendo dois pódios – terceiro lugar em ambas as ocasiões – na República Checa e na Austrália.

Para 2019, Crutchlow voltou a ter 3 pódios e terminou de forma consistente nos pontos. No entanto, 6 abandonos relegaram-no para apenas 9º lugar no campeonato de pilotos e Cal chegou a falar de se retirar no fim da época.

Os treinos pré-época viram Cal em forma mais uma vez

Em privado, Crutchlow casou-se com Lucy Heron em Janeiro de 2014, anunciando no Twitter que ele e Lucy deram as boas-vindas a uma menina chamada Willow, no dia 2 de Agosto de 2016.

Cal reside em Ramsey, na Ilha de Man, mais uma vez por razões fiscais, mas passa o seu tempo durante a temporada de corridas na Toscana, onde tem uma casa desde 2012.

Também tem uma casa na Califórnia e passa lá algum tempo durante o inverno quando não há corridas. Com 157 partidas em Grande Prémio, que lhe deram 3 vitórias, 19 pódios, 4 poles e 4 voltas mais rápidas, o seu palmarés já é considerável e poderá crescer em 2020…

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x