MotoGP, história: Os anos de Barry Sheene

Por a 24 Março 2020 16:30

Se Rossi foi a estrela indisputada dos últimos 20 anos na MotoGP, nos anos 70 e 80 essa honra cabia a Barry Sheene, um pequeno e descarado Londrino que projetou o motociclismo para a ribalta como nunca antes, tendo sido dos primeiros a obter patrocínios que extravasavam a cena das duas rodas e a tornar-se uma estrela e um ícone de casa em Inglaterra.

Barry Steven Frank Sheene nasceu a 11 de Setembro de 1950 e foi bi-campeão mundial de 500, conquistando títulos consecutivos em 1976 e 1977, incidentalmente os primeiros na classe rainha para a Suzuki.

O título de Sheene em 1977 manteve-o como o último campeonato mundial de motociclismo da Grã-Bretanha até Danny Kent em 2015 na categoria Moto3.

Sheene nasceu no centro de Londres, segundo filho dos pais Iris e Frank, um engenheiro residente no Royal College of Surgeons, e ele próprio um piloto competitivo e experiente mecânico que se reformara em 1956. Cresceu em Queen Square, Holborn, Londres mostrando pouco interesse pela escola, passando os dias a desenhar motos, sendo famoso o comentário do professor que lhe disse: “Deixa de sonhar com as motos, não são elas que te vão sustentar!”

Antes de começar a correr em velocidade, Sheene encontrou trabalho como rádio mensageiro e depois começou a competir em motociclismo em 1968, vencendo as suas primeiras corridas em Brands Hatch montando Bultacos 125cc e 250cc do pai Frank. Em 1969, já conseguiu o segundo lugar atrás de Chas Mortimer na classe de 125cc na Bultaco, tornando-se um visitante frequente à fábrica de Barcelona e aprendendo Espanhol.

Em 1970, Sheene tinha-se tornado campeão britânico de 125c aos 20 anos, montando uma antiga moto de fábrica da Suzuki que comprou por 2.000 libras. A Suzuki RT67 bicilíndrica de de 1967 já tinha sido pilotada no Mundial pelo piloto oficial Stuart Graham em 1968 e em provas selecionadas em 1969.

Em 1971, ainda montando o mesmo bicilíndrico Suzuki, terminou em segundo lugar no Campeonato do Mundo de 125cc, provavelmente perdendo o título devido a lesões sofridas numa corrida bem remunerada em Hengelo (Holanda) e durante a Corrida do Ano em Mallory Park, que lhe deram fraturas de compressão de três vértebras e cinco costelas partidas.

À sua primeira vitória no Grande Prémio da Bélgica, que se realizava no Circuito de Spa-Francorchamps, logo se seguiu outra vitória num Kreidler Van Veen de 50cc no Grande Prémio da Checoslováquia, onde terminou com mais de dois minutos e meio de avanço!

Para a temporada de 1972, Sheene foi contratado pela Yamaha para montar uma Yamaha YZ635 apoiada pela fábrica para o Campeonato do Mundo de 250cc sob a bandeira do importador francês da Yamaha Sonauto. Na altura, não havia nenhuma equipa de fábrica da Yamaha como tal, mas Sheene era um de seis pilotos que recebiam apoio da fábrica.

No entanto, na terceira ronda na Áustria, depois de perder um sprint até à meta com o australiano John Dodds pelo terceiro lugar, expressou o seu desagrado à equipa sobre o desempenho da moto. O próximo Grande Prémio era o Grande Prémio das Nações em Imola no final de Maio, mas Sheene caiu nos treinos e quebrou a clavícula, impedindo-o de participar na corrida, e também na Ilha de Man TT, que foi o quinto Grande Prémio de 1972.

Infelizmente para ele, as próximas sete corridas do campeonato do mundo decorriam todas em sucessão em Junho e Julho e Barry não estaria apto a participar nelas.

Após o Grande Prémio da Jugoslávia, a Yamaha YZ635 de Sheene, apoiada pela fábrica, foi dada a Jarno Saarinen, já piloto de fábrica da Yamaha na classe 350cc, que passou a vencer quatro corridas e o Campeonato do Mundo de 250cc nesse ano.

Uma vez de volta à forma física, Sheene voltaria a ter Yamahas apoiadas pela fábrica para as corridas britânicas durante o verão (Silverstone, Scarborough, Mallory Park) e para o último Grande Prémio da temporada, no antigo circuito urbano de Montjuïc, em Espanha, no dia 23 de Setembro, onde obteve um terceiro lugar na classe 250cc.

A seguir, Sheene foi contratado pela Suzuki durante a temporada de 1972-1973 e ganhou o recém-formado Campeonato da Europa de Fórmula 750 em 1973, numa moto baseada numa RG500 de estrada que construiu com a ajuda do  preparador Colin Seeley. Como piloto oficial da Suzuki, Sheene, tinha dois contratos, com as provas do Campeonato do Mundo a prioridade sobre o seu contrato da Suzuki GB para eventos caseiros e internacionais, caso alguma data de corrida chocasse.

Em 1974, a Suzuki introduziu a RG500 que Sheene usou para um segundo, terceiro e quarto lugares em GPs, marcando 30 pontos e terminando em sexto no Campeonato do Mundo.

Os GP em 1975: A pista de Imatra na Finlândia atravessava a linha férrea

A sua fama começaria a subir após uma queda espetacular nas 200 Milhas de Daytona 200 no começo da temporada de 1975. Sheene caiu no relevé de Daytona a mais de 280 Km/h quando o pneu traseiro rebentou, e a foto tremida obtida na altura do momento, seguida de numerosas lesões e fraturas ao longo da carreira, iria ajudar a torná-lo famoso.

Na altura, fraturas da coxa esquerda, braço direito, clavícula e duas costelas, quase ameaçaram terminar a sua carreira, mas o Londrino recuperou com uma técnica que requeria força de vontade inusitada, dispensando gesso e evitando assim atrofia muscular à custa de estar absolutamente imóvel e, incrivelmente, voltou a correr sete semanas depois.

Novamente montando a sua RG500, conseguiu uma impressionante primeira vitória nas 500 no TT holandês em Assen.

Na temporada de 1976, recuperado e com apoios importantes, venceu cinco Grands Prix de 500cc, trazendo-lhe o Campeonato do Mundo.  Sheene ainda conquistou novamente o Campeonato na temporada de 1977 com seis vitórias. Para a temporada de 1977, a equipa crescera para dois pilotos, sendo o seu parceiro Steve Parrish, que montou a Suzuki 500cc de Sheene de 1976 e é hoje comentador da BBC.

Tom Herron (3) completava a formação da Suzuki Heron

Com Parrish, (6) protagonizou muitos episódios divertidos e marotos, só um deles, aproveitando a sua fluência em Espanhol, ao conseguir convencer os estivadores  do aeroporto a baralhar os caixotes das motos à chegada ao Grande Prémio da Venezuela num ano, o que fez que, quando os outros concorrentes conseguiram tirar as motos, já eles treinavam há um dia no circuito!

Era também um exímio piloto de helicóptero e nos EUA o seu amigo e companheiro de partidas era o igualmente colorido Gary Nixon, falecido recentemente.

A batalha de Sheene com Kenny Roberts no Grande Prémio da Grã-Bretanha de 1979 em Silverstone foi citada como uma das maiores corridas de Grande Prémio de MotoGP da década de 1970.

(continua)

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png