MotoGP, a atualidade: Valentino Rossi

Por a 22 Maio 2020 16:00

Que dizer de Valentino Rossi que não tenha sido dito ainda? Adorado ou odiado, o Italiano, nascido a 16 de Fevereiro de 1979, é um piloto excecional, globalmente considerado um dos maiores pilotos de motociclismo de todos os tempos, com nove Campeonatos do Mundo em seu nome, sete dos quais na classe rainha. Rossi é também o único piloto de velocidade que competiu em mais de 400 Grands Prix. Andou com o número 46 durante toda a sua carreira, também nos anos em que poderia ter ostentado o número 1.

Rossi está atualmente contratado para correr até ao final da temporada de 2020, quando fará 41 anos. Apesar de ter sido confirmado que Rossi deixará a equipa de fábrica da Yamaha no final de 2020, a Yamaha já ofereceu a Rossi uma moto de fábrica e apoio para ele permacer na marca com a equipa da Petronas. Até ao momento, Rossi confirmou que continuará a correr em 2021, mas eventuais negociações com a Petronas foram adiadas devido à pandemia global.

Rossi é também dono de equipa da equipa júnior Sky Racing Team VR46 que compete em Moto3 e Moto2, esta última com o seu meio-irmão materno, Luca Marini.

Rossi nasceu em Urbino, Marche e ainda era criança quando a família se mudou para Tavullia. Filho de Graziano Rossi, antigo piloto do Mundial, começou a andar muito jovem. O seu primeiro amor foi o karting, alimentado pela mãe, Stefania, preocupada com a segurança do filho.

Rossi ganhou o campeonato regional de karts em 1990, mas depois disso, com os custos a elevarem-se, mudou para as minimoto e antes do final de 1991 tinha vencido numerosas corridas regionais. Entre 1992 e 1993, Valentino continuou a aprender nas minimotos.

Em 1993, com a ajuda do pai, de Virginio Ferrari, Claudio Castiglioni e Claudio Lusuardi (que dirigia a equipa oficial da Cagiva Sport Production), Rossi experimentou uma Cagiva Mito 125cc para a equipa, que logo danificou num acidente de primeira curva a de cem metros das boxes, mas terminou em nono o seu primeiro fim de semana de corridas em pista.

Embora a sua primeira temporada no Campeonato Italiano de Promoção tenha sido variada, alcançou a pole position na última corrida em Misano, e acabaria por terminar no pódio. No segundo ano, Rossi tinha uma Mito de fábrica dada por Lusuardi e ganhou o título italiano.

Em 1994, Rossi correu no Campeonato Italiano de 125 com um protótipo chamado Sandroni, usando um motor Rotax. A mota foi construída por Guido Mancini, um antigo piloto e mecânico que já tinha trabalhado, no passado, com Loris Capirossi.

Em 1995, Rossi mudou para a Aprilia, ganhou o Campeonato Italiano de 125 e foi terceiro no Campeonato Europeu, sendo recordada a sua passagem por Braga.

A temporada de 1996 marca a estreia de Rossi no Mundial com algum sucesso, marcando pontos consistentes e terminando perto do pódio desde a sua primeira corrida na Malásia até Itália, mas retirando-se nas rondas francesa e holandesa. Marcou mais pontos ao terminar em quinto lugar no GP alemão, mas voltou a retirar-se na ronda britânica.

No Grande Prémio da Áustria, Rossi viria a somar o seu primeiro pódio na forma de um terceiro lugar, depois de ter lutado com Jorge Martínez. Na corrida seguinte, que foi o Grande Prémio da Checa, obteve a sua primeira pole e a sua primeira vitória numa prova de 125 numa Aprilia RS.

Após a vitória, Rossi continuaria a somar pontos em Imola, retirar-se-ia duas vezes nas rondas catalãs e do Rio de Janeiro e marcaria ainda mais pontos na última ronda na Austrália. Terminaria a sua primeira temporada no nono lugar com 111 pontos.

Rossi na Aprilia AGV nas 125

No seu segundo ano, em 1997, mudou-se da equipa AGV para a equipa oficial da Aprilia Nastro Azzurro e viria a dominar a temporada. Começaria imediatamente com uma pole e uma vitória no Grande Prémio da Malásia de 1997, retirar-se-ia na próxima corrida no Japão, mas voltaria a recuperar nas duas corridas seguintes, vencendo as rondas espanhola e italiana.

Terminou em segundo lugar na Áustria, a apenas 0,004 segundos do vencedor Nobby Ueda, mas viria a somar uma série de vitórias em corridas da França para a Grã-Bretanha, incluindo três poles nas rondas de Assen, de Imola e na Alemanha.

Marcou o terceiro lugar na ronda Checa e viria a conseguir mais duas vitórias na Catalunha e Indonésia. Quando terminou em sexto lugar na Austrália, ganhou o título de 125, vencendo 11 das 15 corridas com 321 pontos. Ao longo da temporada de 1997, por vezes celebrava vestindo-se como Robin dos Bosques e carregava uma boneca insuflável. Essa primeira de várias personagens divertidas deu-lhe muitos fãs ao longo dessa e futuras temporadas.

Rossi na Aprilia 250 da Nastro Azzuro

Depois de ganhar o título em 1997, Rossi subiu à classe de 250 no ano seguinte. Em 1998, o Aprilia RS250 estava a atingir o seu auge e tinha uma equipa de pilotos de topo com Rossi, Loris Capirossi e Tetsuya Harada. O ano de Rossi começou pobre, sem acabar as duas primeiras rondas: Japão e Malásia. Voltaria a recuperar ao marcar três segundos lugares consecutivos em Espanha, Itália e França, mas voltaria a retirar-se na ronda de Madrid.

Conseguiu a sua primeira vitória no TT holandês de 1998, vencendo a mais de 19 segundos do segundo classificado, Jürgen Fuchs. Voltaria a desistir na ronda britânica, mas recuperou ao marcar um lugar no pódio na Alemanha, terminando em terceiro.

Voltaria a retirar-se na República Checa, com uma queda, mas uma onda de vitórias de Imola para a Argentina viu-o terminar em segundo lugar no seu ano de estreia na classe com 201 pontos, a apenas 23 pontos de distância do campeão de 1998 Loris Capirossi.

Em 1999, no seu segundo ano na classe de 250, Rossi tornou-se o único piloto da equipa oficial do Grande Prémio da Aprilia, e voltaria a dominar a temporada, começando com um quinto na Malásia. Viria a conquistar mais pontos no Japão e a vencer a sua primeira corrida da temporada na terceira ronda em Espanha.

Rossi conseguiu a sua segunda pole da temporada em França, mas retirou-se da corrida no Domingo. Recuperou com vitórias consecutivas em Itália e na Catalunha, e terminaria no segundo lugar da ronda holandesa, perdendo por pouco vitória na prova para Loris Capirossi. Venceu mais três corridas da Grã-Bretanha para a República Checa, incluindo uma pole na Alemanha.

Rossi terminou em segundo em Imola e fora do pódio no oitavo lugar da ronda da Comunidade Valenciana. Terminou a temporada em força, com mais três vitórias na Austrália, onde lutou com Olivier Jacque, África do Sul e Rio de Janeiro, e um terceiro lugar na Argentina.

Terminou a temporada no primeiro lugar com 309 pontos, o seu segundo título Mundial.

Rossi foi recompensado em 2000 pelo seu Campeonato do Mundo de 250 ao receber um contrato com a Honda, herdando a NSR500 do pentacampeão mundial de Mick Doohan, e também o seu engenheiro-chefe Jeremy Burgess.

Foi também a primeira vez que Rossi correu contra Max Biaggi.

Rossi iniciou o seu primeiro ano na classe 500cc com duas quedas nas duas primeiras provas na África do Sul e Malásia. Marcou pontos na terceira ronda no Japão e viria a conseguir dois terceiros lugares em Espanha e França. Rossi conquistou mais pontos em Itália e viria a conseguir mais um terceiro lugar na ronda catalã. Conquistou pontos ao terminar em sexto lugar no TT holandês de 2000, mas foram precisas nove corridas antes de Rossi vencer na Honda, a sua primeira vitória de 500 a vir depois de uma batalha feroz com a Suzuki de Kenny Roberts Jr. e a Aprilia de Jeremy McWilliams em Donington.

Numa pista afetada pela mudança das condições meteorológicas e apesar de apenas se qualificar na sétima posição, Rossi escolheu os pneus certos e subiu na ordem para vencer. Depois da vitória em Donington Park, Rossi viria a somar lugares consecutivos no pódio em três corridas: dois segundos classificados na Alemanha e na República Checa e um terceiro lugar em Portugal.

Retirar-se-ia da ronda valenciana depois de ter caído.

A seguir, Rossi ganhou a ronda do Rio, no entanto, foi Kenny Roberts Jr. quem conquistou o título de 2000 depois de terminar na sexta posição, e Rossi terminou em segundo na sua época de estreia na classe de 500 com 209 pontos.

Último Campeão das 500 em 2001

Porém, Rossi dominou a sua segunda temporada na classe 500, marcando 11 vitórias e terminando fora do pódio apenas três vezes. Começou o ano com uma vitória no Japão, depois de ter lutado com Max Biaggi e duas poles e vitórias nas rondas sul-africanas e espanholas. Terminaria a corrida francesa no terceiro lugar, mas caiu na ronda italiana enquanto liderava a corrida molhada, depois de ter marcado mais uma pole.

Rossi recuperou e venceu a corrida seguinte na Catalunha, apesar de ter feito um mau arranque que o deixou em 15º lugar no final da primeira volta. Viria a somar um segundo lugar, depois de perder por pouco a vitória na luta com Biaggi na ronda holandesa, e mais uma vez ganhou no GP da Grã-Bretanha.

Rossi terminou em sétimo lugar na Alemanha, mas conseguiu vitórias consecutivas na República Checa (ganhando uma vantagem de 29 pontos sobre Biaggi) e Portugal. Viria a marcar mais um resultado dececionante na ronda da Comunidade Valenciana, quando terminou no 11.º lugar, mas marcaria uma série de vitórias consecutivas do Pacífico até ao Rio de Janeiro.

Rossi conquistou o seu primeiro título de 500 com 325 pontos e o terceiro título no total, 106 pontos à frente de Biaggi. Rossi também se juntou a Colin Edwards para a corrida de resistência das 8 horas de Suzuka a bordo de uma Honda VTR1000SPW, tornando-se o primeiro piloto italiano a vencer a corrida.

Na Honda Camel de Pons

 

O ano inaugural das motos de 4 tempos em MotoGP foi 2002, e os pilotos tiveram problemas a habituarem-se às novas motas, embora mais fáceis de guiar que uma 500.

Rossi começou o ano em força e venceu a primeira corrida no molhado no Japão, batendo vários pilotos locais que corriam como wildcards. Também conquistou a pole nas cinco primeiras corridas.

Terminou em segundo na África do Sul, onde o seu companheiro de equipa Tohru Ukawa conseguiu a sua primeira e única vitória na classe MotoGP. Em seguida, obteve vitórias entre as rondas de Espanha e da Alemanha, incluindo duas poles nos GPs holandese e britânico. Registou a sua única saída da temporada na República Checa, antes de marcar vitórias consecutivas em Portugal e no Brasil, dois segundos no Pacífico e na Malásia, mais uma vitória na Austrália e mais um segundo lugar na última corrida na Comunidade Valenciana.

Rossi venceu oito das primeiras nove corridas da temporada, acabando por conseguir 11 vitórias no total e conquistou o seu segundo título e quarto título no total, a quatro corridas do fim.

A dar autógrafos no Circuito das Américas

Foi mais do mesmo para Rossi em 2003. Rossi marcou pódios consistentes, conquistou a pole e venceu a primeira ronda no Japão, na corrida marcada pela morte do japonês Daijiro Kato, que caiu e bateu numa barreira a alta velocidade. Rossi terminou em segundo na ronda sul-africana antes de voltar a vencer em Espanha, apesar de ter caído para o nono lugar na primeira volta.

Rossi obteve três poles nas três corridas seguintes e terminou em segundo em França, depois de defrontar Sete Gibernau, que o ultrapassou na última volta, primeiro em Itália e o segundo mais uma vez na Catalunha. Marcou dois terceiros lugares nas rondas holandesa e britânica, esta última fruto de uma penalidade de 10 segundos por ultrapassar sob bandeiras amarelas, oferecendo a vitória a Max Biaggi e mais um segundo lugar na Alemanha, voltando a defrontar Gibernau que lhe negou a vitória, com apenas 0,060 segundos a separar ambos na linha de chegada.

Depois da Alemanha, Rossi venceu mais três corridas e marcou mais duas poles: uma pole convertida em vitória na Checa, mais uma vez a defrontar o rival Gibernau, que Rossi ultrapassou na última volta para conquistar a vitória por apenas 0,042 segundos, e uma vitória regular em Portugal e mais uma na ronda do Brasil. Terminou em segundo no GP do Pacífico depois de um erro que o fez ir à gravilha e o relegou para nono.

Rossi terminou a temporada em grande estilo ao marcar três poles consecutivas e vitórias nas rondas da Malásia, Austrália e Valencia. O Grande Prémio da Austrália em Phillip Island é considerado por muitos observadores como um dos maiores momentos de carreira de Rossi devido às circunstâncias únicas. Depois de ter sido condenado a uma penalização de dez segundos por ter ultrapassado Marco Melandri numa bandeira amarela, Rossi afastou-se do resto depois de ter sido informado da grande penalidade, acabando por terminar mais de 15 segundos à frente, ultrapassando o tempo perdido com a penalidade e vencendo a corrida.

Rossi conquistou o título de 2003 na Malásia, o seu terceiro na classe rainha e quinto título ao todo, e venceu a última corrida na ronda da Comunidade Valenciana com uma decoração especial, a sua última vitória para a Honda.

(continua)

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png