MotoGP, a atualidade: Valentino Rossi, Parte 4

Por a 25 Maio 2020 16:00

Em 2013, Rossi voltou à Yamaha e começou bem a temporada, ultrapassando Márquez na última volta para cruzar a linha 0,211 segundos à frente do estreante espanhol e acabar mesmo atrás de Jorge Lorenzo. Nas duas corridas seguintes, nas Américas e em Espanha, Rossi terminou na sexta e quarta posição. Na ronda francesa, porém, terminaria um décimo segundo decepcionante e em Itália, registou a sua única queda do ano ao colidir na primeira volta com Álvaro Bautista.

Na Catalunha, Rossi terminou em quarto lugar, mas a seguir em Assen registou a sua primeira vitória de MotoGP desde a Malásia em 2010, acabando uma série de 46 corridas sem vencer.

Depois marcou mais dois pódios nas provas alemã e norte-americana, em que Márquez ultrapassou Rossi no saca-rolhas de forma semelhante ao que Rossi fizera a Casey Stoner em 2008 para vencer a corrida.

De Indianápolis a San Marino, Rossi marcou 4 quartos lugares consecutivos, antes de somar mais um terceiro pódio em Aragón, após uma batalha a três com Álvaro Bautista, Stefan Bradl e Cal Crutchlow.

Rossi voltou a terminar em quarto lugar na Malásia, mas conseguiu um pódio com terceiro lugar na ronda australiana e nas duas últimas rondas no Japão e na Comunidade Valenciana, terminou em sexto e quarto para ficar em 4º lugar no campeonato, o seu melhor resultado desde 2010.

Em 2014, Rossi acabou a sua longa colaboração com Jeremy Burgess e começou bem a temporada com um segundo lugar no Qatar, perdendo na última volta por 0,259 segundos. Nas duas corridas seguintes, o Grande Prémio das Américas e o novo traçado na Argentina, Rossi só terminou em oitavo e quarto lugares.

Um melhor resultado foi alcançado na quarta ronda em Espanha, onde optou por utilizar um pneu traseiro extra-duro que lhe permitiu ultrapassar Márquez no final da primeira volta, mas Márquez afastou-se na Dry Sack e Rossi teve de se contentar com segundo.

Outro segundo lugar surgiu em França, e a 1 de Junho de 2014, Rossi apareceu no seu 300ª Grande Prémio em Itália e terminou em terceiro lugar. Foi 4º no GP da Catalunha, liderando grande parte da corrida, mas acabando por perder o primeiro lugar para Márquez na fase final. Prestações sem brilho seguiram-se nas rondas holandesa e alemã, quinto e quarto, até que uma série de terceiros lugares se seguiu nas rondas de Indianápolis, Checa e Britânica.

Na “corrida em casa”, em San Marino, Rossi venceu a sua primeira corrida desde Assen 2013. A vitória colocou-o acima dos 5.000 pontos na carreira, tornando-o no primeiro, e até agora único, piloto a conseguir isso.

Na 14.ª ronda em Aragón, Rossi caiu violentamente e ficou inconsciente, ou como ele disse “fez uma pequena sesta”.

Na Austrália, conseguiu a sua segunda vitória do ano, a sexta vitória de Rossi no circuito, depois de cinco consecutivas de 2001 a 2005. Na Malásia, seguiu-se mais um segundo lugar e na corrida da Comunidade Valenciana, a sua 60ª pole, terminou em segundo lugar, atrás de Márquez, e em segundo no campeonato.

Iniciou a temporada de 2015, a sua 20ª no Campeonato do Mundo, ao vencer no Qatar. Com Dovizioso, da Ducati, segundo e Andrea Iannone, em terceiro, foi o primeiro pódio totalmente italiano desde o Grande Prémio do Japão de 2006.

Na segunda corrida nas Américas, Rossi conseguiu o terceiro lugar e a sua segunda vitória da temporada aconteceu na Argentina, onde Márquez caiu na penúltima volta e entregou a vitória a Rossi.

Esta vitória consolidou a sua liderança no campeonato, e a seguir Rossi registou o seu quarto pódio do ano, oitavo consecutivo e o 200º da carreira, com um terceiro lugar em Espanha, e seguiu com um segundo lugar em França e um terceiro lugar em solo caseiro em Itália.

Na Catalunha, Rossi terminaria em segundo, e alcançou a sua terceira vitória da temporada em Assen depois de uma longa batalha com Márquez.

Rossi alargou ainda a sua liderança no campeonato na Alemanha, com terceiro lugar, e continuou a sua série de pódios com outros terceiros em Indianápolis e na República Checa.

Depois da quarta vitória na Grã-Bretanha, os pódios em 16 corridas terminaram com um quinto lugar em São Marino, mas Rossi ampliou a sua vantagem no campeonato para 23 pontos depois de Lorenzo ter caído. Lorenzo venceu a ronda de Aragón, com Rossi a terminar em terceiro, reduzindo a diferença para 14 pontos, com quatro corridas restantes. Os resultados da dupla foram suficientes para a equipa conquistar o respetivo título, o primeiro desde 2010.

No Japão, Rossi ampliou a sua vantagem no campeonato para 18 pontos, com a sua primeira vitória da temporada.

Lorenzo tinha começado na pole, baixou para terceiro com problemas de pneus, mas cortou a vantagem para 11 pontos na Austrália, com um segundo lugar para o quarto de Rossi.

Lorenzo ainda cortou a vantagem para sete, depois de um segundo lugar na Malásia; Rossi terminou em terceiro após uma controversa colisão com Márquez, na qual somou três pontos de penalidade, o suficiente para impor um arranque do fundo da grelha para a última corrida na Comunidade Valenciana.

Rossi acusou Márquez de tentar deliberadamente prejudicar o seu campeonato, algo que Márquez repetidamente negou. Rossi subiu ao quarto lugar da prova, mas com Lorenzo a vencer a corrida, Lorenzo assumiu o campeonato por cinco pontos.

Em 2016, à espera de um início de temporada difícil devido aos novos pneus Michelin, Rossi conseguiu adaptar-se, e iniciou a temporada com quarto lugar no Qatar. Na corrida seguinte, na Argentina, Rossi regressou ao pódio com um segundo lugar atrás de Marc Márquez, após uma colisão entre os pilotos da Ducati, Andrea Iannone e Andrea Dovizioso.

Na terceira ronda nas Américas, Rossi sofreu o seu primeiro abandono desde o Grande Prémio de Aragón de 2014, pondo fim a uma série de 24 top-5 consecutivos, depois de ter caído no início da terceira volta.

Em Espanha, Rossi conquistou a sua primeira pole position do ano, a sua 52ª pole position em total e liderou a prova logo de início, a primeira vez na sua carreira de MotoGP que liderou todas as voltas de uma corrida para vencer a partir da pole.

Na ronda francesa, Rossi saiu de um humilde sétimo lugar na grelha, mas recuperou na corrida, ultrapassando Márquez e Dovizioso no processo, para terminar em segundo com a volta mais rápida da corrida ganha pelo companheiro de equipa, Lorenzo.

Rossi sofreu uma falha no motor em Itália, ao lutar com Lorenzo pela liderança depois de partir da pole. Foi a primeira falha técnica de Rossi desde o Grande Prémio de São Marino de 2007.

Rossi recuperou na Catalunha ao vencer depois de uma batalha tardia com Márquez e dedicou a vitória ao piloto de Moto2 Luis Salom, morto nos treinos de sexta-feira.

A primeira corrida realizada no Domingo em Assen, onde tradicionalmente se corria ao Sábado, viu desilusão para Rossi, uma vez que as condições húmidas o viram cair após uma vantagem confortável.

Após as férias de verão, o regresso do MotoGP à Áustria pela primeira vez desde 1997, viu a Ducati dominar para um 1-2 final, e Rossi em quarto, atrás de Jorge Lorenzo. Outra corrida molhada na República Checa viu Rossi ir contra a maioria na escolha do pneu de chuva mais duro. Inicialmente parecia um erro, pois do 6º baixou para o 12º lugar, mas recuperou durante toda a corrida para terminar em segundo para Cal Crutchlow.

A Grã-Bretanha viu Rossi alinhar no segundo lugar da grelha atrás de Crutchlow, e após uma intensa batalha com Márquez, acabou por terminar em terceiro atrás de Crutchlow e do vencedor estreante, Maverick Viñales. Uma semana depois, Rossi terminou em segundo na sua “corrida em casa” em San Marino. Depois de liderar a maior parte da corrida, foi passado por Dani Pedrosa. Rossi voltou a liderar por um período em Aragón, antes de terminar em terceiro.

As corridas ultramarinas começaram mal para Rossi depois de cair do segundo lugar no Japão, tendo começado da pole. Na corrida australiana, depois de uma chuva que afetou a qualificação, Rossi recuperou para terminar em segundo.

Garantiu mais uma vez o segundo lugar no molhado na Malásia, atrás de Andrea Dovizioso, tendo voltado a liderar por períodos da corrida, resultado que lhe garantiu o segundo lugar no campeonato, 49 pontos atrás do campeão Marc Márquez. A temporada terminou da mesma forma que em 2015, com o quarto lugar em Valencia, depois de uma longa batalha com Iannone.

Em 2017, Rossi teve um período difícil de testes de inverno depois de sofrer com um novo pneu dianteiro Michelin de construção mais macia.

No entanto, para a estreia da temporada no Qatar, saiu de décimo na grelha para terminar em terceiro. Rossi continuou a sua melhoria ao conquistar o segundo lugar na Argentina, após uma batalha com Cal Crutchlow e nas Américas assumiu a liderança do campeonato por seis pontos.

Rossi teve o seu quinhão de quedas, mas poucas lesões

A temporada europeia começou mal com uma décima posição em Espanha, enquanto o piloto da Honda, Dani Pedrosa, venceu a corrida. Na corrida seguinte em França, Rossi caiu na última volta enquanto lutava contra Viñales pela vitória. Rossi também perdeu a liderança do campeonato. Após a corrida francesa, Rossi sofreu uma queda de treino em motocross que ameaçou a sua participação em Mugello, mas acabou por ser considerado apto a correr, vindo a terminar fora do pódio em quarto lugar. Uma semana depois, na Catalunha, os dois pilotos da Yamaha deram-se mal nas condições quentes e só conseguiram terminar em oitavo e décimo.

Os testes de um novo quadro após a corrida catalã foram positivos e viram Rossi conquistar a sua primeira e única vitória da temporada na ronda holandesa depois de uma batalha tardia com a Ducati Pramac de Danilo Petrucci, o italiano mais velho prevalecendo por apenas 0,063 segundos.

O resultado também fez de Rossi o mais velho vencedor de uma corrida na era do MotoGP, superando Troy Bayliss. Depois da vitória em Assen, Rossi terminou em quinto, quarto e sétimo nas três rondas seguintes na Alemanha, República Checa e Áustria.

Ainda regressou ao pódio na Grã-Bretanha, liderando grande parte da corrida, mas acabou por ter de conceder a vitória a Dovizioso e o segundo a Viñales, a três voltas do fim. Após a corrida em Silverstone, Rossi sofreu outra queda de motocross no final de Agosto, onde sofreu fraturas da tíbia e do perónio da perna direita, a mesma que já tinha partido no acidente de alta velocidade em Mugello em 2010 e o colocou fora de contenção, faltando a sua “corrida em casa” em San Marino.

Rossi regressou em Aragón para terminar em quinto e no Japão, viria a registar a sua segunda desistência da temporada quando caiu do molhado no início da corrida. No GP da Austrália, Rossi viria a somar o seu último pódio da temporada ao terminar no segundo lugar, lutando com Johann Zarco na Yamaha Tech 3, e terminando à frente do companheiro de equipa Viñales por apenas 0,016 segundos.

Rossi terminaria a temporada com resultados dececionantes na Malásia e Valencia, conseguindo apenas somar um sétimo e quinto lugares, pelo que terminou em quinto lugar no campeonato com 208 pontos, a sua posição mais baixa desde a sua última temporada com a Ducati em 2012.

Durante os testes de pré-temporada de 2018, Rossi e Maverick Viñales da Yamaha voltaram a debater-se com a YZR-M1, preocupados com os problemas de entrada e saída de curva, e com a duração dos pneus.

Na primeira ronda no Qatar, Rossi começou bem ao conseguir o primeiro pódio da temporada com um terceiro.

Na Argentina, Rossi terminou fora dos pontos no 19.º lugar, após uma colisão com a Honda de Márquez, que estava a ultrapassar depois de partir de trás. Após a corrida, Rossi acusou Márquez de “destruir o nosso desporto” por “não ter respeito pelos seus rivais” e Márquez recebeu uma penalidade de 30 segundos. Nas rondas seguintes nas Américas e Espanha, Rossi terminaria fora do pódio duas vezes no quarto e quinto lugares, mas voltaria a subir ao somar três pódios consecutivos em terceiro, mais uma vez beneficiando de um arranque relâmpago, em França e na rondas italiana e catalã.

Em Mugello, viria a marcar a sua primeira e única pole position da temporada, a primeira desde o GP do Japão de 2016.

Rossi acabaria em quinto lugar na ronda holandesa, mas fez o seu primeiro e único segundo lugar da temporada na Alemanha, a 2,196 segundos do vencedor Márquez, alegando que terminou tão bem numa pista que normalmente não se adequa à Yamaha porque “estudou tudo” do ausente Jonas Folger.

Depois do pódio no Sachsenring, Rossi voltaria a terminar fora do pódio na Checa e na Áustria, no quarto e sexto lugares.

Com a corrida na Grã-Bretanha cancelada devido a chuva intensa na recém-repavimentada superfície de Silverstone, Rossi não terminaria no pódio por cinco corridas consecutivas: San Marino em sétimo, Aragón em oitavo, Tailândia e Japão em quarto, e na Austrália em sexto.

A melhor hipótese de Rossi para uma vitória aconteceu na penúltima ronda da temporada na Malásia. Assumiu a liderança na primeira curva, depois de Zarco ter feito um mau arranque, mas Márquez atacou e a diferença entre eles era de 1,1 segundos a dez voltas do fim, quando Rossi caiu.

Márquez venceu a corrida, com Rossi a montar e terminar em 19º lugar, fora dos pontos. Na ronda da Comunidade Valenciana, Rossi subiu a partir do 16º lugar da grelha em condições húmidas, sendo ajudado por algumas quedas à frente nas condições deteriorantes.

Quando a corrida foi interrompida, Rossi caiu do segundo lugar e terminou em terceiro no campeonato com 198 pontos, 123 pontos atrás do campeão Marc Márquez, a primeira temporada sem vitórias de Rossi desde 2012 com a Ducati, e a sua primeira temporada sem vitórias com a equipa da Yamaha.

Durante os testes de pré-temporada, de 2019, Rossi disse que “algumas coisas funcionavam bem e melhorámos o nosso desempenho, outras das quais esperávamos muito, infelizmente, não nos trouxeram o que precisamos”.

No Qatar, Rossi alinhou em 14º lugar da grelha, mas acabou por terminar em quinto lugar, a 0,6 segundos do vencedor Andrea Dovizioso. Na corrida seguinte, na Argentina, Rossi montou uma corrida forte onde lutou com a Ducati de Dovizioso, ultrapassando-o na última volta para terminar em segundo, o seu primeiro pódio desde a ronda alemã de 2018.

Na terceira ronda nas Américas, Rossi voltou a terminar na segunda posição, depois de Marc Márquez ter caído e Rossi ter sido ultrapassado a quatro voltas do fim pela Suzuki de Alex Rins, que veio a vencer a sua primeira corrida de MotoGP.

Com quatro melhores resultados de 8º em Aragón, Tailândia, Austrália e Valencia, Rossi terminou a época passada em 7º sem vitórias.

Rossi em Ralie

Para além das Motos e do seu interesse na F1, a forte paixão de Rossi são os Ralies. Na juventude de Rossi, um dos seus heróis foi o campeão do WRC Colin McRae, que ensinou a Rossi o básico de dirigir um carro de rali. A sua primeira incursão oficial em rali foi em 2002 no Ralie da Grã-Bretanha num Peugeot 206 WRC.

Rossi chegou a dizer que mudaria para os rallies, mas até agora, não fala de se retirar pelo menos até 2022… 24 anos, uma data de momentos emocionantes, 115 vitórias em 402 Grandes Prémios e 234 pódios mais tarde, aqui estamos…

 

 

 

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x