MotoGP, 2020: Martin lisonjeado pelo interesse da Ducati

Por a 20 Maio 2020 15:30

Jorge Martin, da KTM Red Bull Ajo, foi um dos convidados da mais recente edição do Podcast espanhol da MotoGP, apresentado por Ernest Riveras. Durante a entrevista, o campeão do mundo de Moto3 de 2018 falou sobre uma entrevista recente do diretor desportivo da Ducati Corse, Paolo Ciabatti, na qual este admitiu que o piloto espanhol estava no radar da fábrica italiana como futuro piloto.
Nos últimos anos, tem havido uma mudança geracional no MotoGP que se tornou mais notável no final de 2019, quando Jorge Lorenzo se reformou e continuou com o Rookie of the Year Fabio Quartararo 2019 a assinar pela Yamaha Monster Energy para substituir Valentino Rossi em 2021.
Martin acha que esta mudança representa uma oportunidade para os jovens talentos que estão a fazer o seu caminho em Moto2, dizendo que “é o momento em que os pilotos mais jovens tomam medidas”.
É claro que a Ducati começou a planear para 2021 e não só, uma vez que todas as fábricas olham para o talento da classe Moto2 com a intenção de contratar alguém num futuro próximo. Isto foi sugerido pelo próprio Ciabatti, sugerindo Lorenzo Baldassarri (FlexBox HP 40), Enea Bastianini (Italtrans Racing) e Martin como potenciais candidatos à Ducati.
O jovem espanhol disse ao Podcast espanhol da MotoGP que ficou lisonjeado com as palavras de Ciabatti e mostrou-se satisfeito com o facto de o seu trabalho árduo estar a dar frutos.
“Se as equipas de MotoGP pensam em ti, é porque estás a fazer algo bem”, disse Martin, que no entanto, afirmou que o seu principal desejo é subir à classe rainha com a KTM.
No entanto, Martin disse que acredita que o seu estilo de pilotagem pode adaptar-se ao desempenho da Desmosedici de MotoGP.

A Ducati é uma moto a que, devido ao meu estilo atual de condução, eu poderia adaptar-me melhor”, enquanto uma mudança para uma das equipas da KTM em MotoGP significaria que ele teria de trabalhar no seu estilo, porque “a KTM é uma moto que me obriga a travar super tarde, parar e dar gás mais cedo”.
Este ano, Martin utiliza um chassis Kalex em vez de KTM, que se retirou da classe, o que o espanhol admite ter sido complicado para começar.

“Quando andei na Kalex, achei difícil. Não é que não seja rápida, porque com o meu estilo posso andar rápido, mas para cuidar dos pneus e tirar o máximo partido do chassis da Kalex, tenho de andar mais rápido nas curvas. É mais um estilo Yamaha.”
“Este ano vou ter de mudar o meu estilo e depois, dependendo de onde vou no futuro, volto a mudá-lo. É um pouco complicado, mas é o que é”, acrescentou Martin, que explicou que deixa negociações fora do normal, como os rumores do interesse da Ducati, serem tratadas pelo seu empresário.

Vamos ver Martin subir à classe rainha em 2021? E se assim for, com que fabricante estará?

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png