MotoGP, Teruel: Honda com reservas de motores, Oliveira o menos gastador após dez corridas

Por a 20 Outubro 2020 16:00

Há muito que a Yamaha está preocupada com a situação dos motores na temporada de MotoGP de 2020. A quatro corridas do fim, a Suzuki e Ducati colocaram agora o seu quinto motor em funcionamento, a KTM apenas 3.

A maioria dos pilotos de MotoGP terá de competir na temporada encurtada pelo Covid-19 com um máximo de cinco motores, já que apenas as chamadas “equipas com concessões”, a Aprilia e até ao final da temporada a KTM estão autorizadas a utilizar sete motores por piloto.

Se um piloto de MotoGP não fizer os 14 Grandes Prémios com os cinco ou sete motores permitidos, há penalizações severas: para cada motor adicional, ou terá de fazer um arranque do Pit Lane (5 segundos após o apagar do semáforo) ou uma penalização de “volta longa” ou uma penalização “drive through” através do pitlane.

Em média, são rodados 500 km por cada Grande Prémio, e os motores são normalmente retirados da “alocação” após 2.500 a 3.000 km e revistos.

Na Suzuki, Alex Rins, o oitavo vencedor da temporada, bem como o novo líder do Campeonato do Mundo Joan Mir, usaram em Aragón no fim-de-semana passado o quinto motor pela primeira vez. A Ducati fez o mesmo com os pilotos de fábrica Andrea Dovizioso e Danilo Petrucci, bem como Jack Miller e Francesco Bagnaia, que também têm máquinas GP20 na Pramac.

Em comparação, o vice-campeão do mundo Fabio Quartararo (Yamaha Petronas) colocou o quinto motor em funcionamento na Catalunha há três semanas. Foi o mesmo caso com o piloto de fábrica da Yamaha, Maverick Viñales, no GP da Andaluzia.

A Yamaha teve problemas com válvulas danificadas logo no início da temporada e sofreu um total de três motores danificados. Valentino Rossi teve apenas três motores em funcionamento. No entanto, a M1 da superestrela de 41 anos, que testou positivo ao Covid-19, permanecerá nas boxes para o GP de Teruel.

A Yamaha, como sabemos, não poderá ainda nomear um substituto no próximo fim de semana de corrida.

A melhor posição é dos fabricantes sem privilégios Honda, onde quatro Grandes Prémios antes do final todos os pilotos ainda têm um motor fresco na reserva, e o substituto de Márquez Stefan Bradl até os seus dois.

Na KTM, Oliveira tinha usado até agora apenas 3 da sua alocação de 7, o número mais baixo se levarmos em conta que o outro com 3, Cal Crutchlow, já perdeu 3 corridas por lesão e Oliveira esteve presente em todas as 10.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x