MotoGP 2021, Texas: Fonsi Nieto avisa: “os pilotos estão no limite!”

Por a 9 Outubro 2021 15:00

Fonsi Nieto, sobrinho do campeão e antigo piloto de 250, trabalha atualmente como treinador da Pramac e vê, cada vez mais, pilotos de MotoGP que estão exaustos fisicamente

Uma situação de rutura que levará os engenheiros a alterar a sua abordagem à concepção das suas bicicletas. De facto, de que serve conceber mísseis terra-terra de alta tecnologia a grande custo se ninguém é capaz de explorar o seu potencial?

O mundo das corridas de Grande Prémio, tal como o conhecemos, atingiu os seus limites?

A questão da segurança através da gestão do comportamento na pista e da educação de uma nova geração está ainda muito em dia, e agora Fonsi Nieto acrescentou a estas questões já sensíveis a resiliência humana dos pilotos de MotoGP.

Numa declaração recente, o Espanhol disse:

“Se continuarmos assim, teremos de procurar super-homens para andar nestas motos, em vez de pilotos de talento”.

É justo dizer que a lista de deficiências físicas está a tornar-se cada vez mais longa entre os protagonistas. Há aqueles que lutam para voltar de uma lesão, enquanto os mais aptos sofrem de síndrome de tendinite, frequentemente, ou de uma vez por outra.

As máquinas evoluíram ao ponto de talento excepcional, por si só, já não ser suficiente para se destacar no MotoGP.

Os pilotos precisam da condição física de um atleta de classe mundial se quiserem explorar as capacidades de aceleração, travagem e curvas dos protótipos atuais.

Os avanços feitos pelos engenheiros em electrónica de motos e a força descendente de que a MotoGP tem desfrutado ao longo dos anos graças às melhroais arerodinâmicas resultaram nas motos mais rápidas e mais eficientes da história. Mas há um preço a pagar…

Fonsi Nieto detalha o custo:

“Os pneus têm cada vez mais aderência, as motos andam mais, a travagem melhora… o estado físico está a tornar-se cada vez mais importante. Tenho visto corridas com muitos problemas físicos para os pilotos. Já não se pode fazer todas as voltas a 100%, especialmente para preservar a condição física. Mesmo às sextas-feiras e aos sábados muitos pilotos já estão a recuar!”

E termina com esta reflexão: “Os engenheiros trabalham durante meses para obter milésimos de segundo com cada peça que fazem, depois no domingo os pilotos não podem dar 100% porque as motos se tornam muito físicas. Há corridas em que tem de poupar os pneus, mas ultimamente há muitos circuitos em que também tem de poupar o físico.”

Fonsi Nieto diz que as fábricas estão conscientes deste limite humano: “A direcção das fábricas no próximo ano, será vermos muitas mudanças nas motos, estará centrada em torná-las mais fáceis de pilotar. Assim, a tendência já não é de fazer motos ainda mais rápidas e mais potentes, mas sim de fazer protótipos mais humanos e menos exigentes para o corpo dos pilotos, para que estes possam andar mais tempo no limite sem terem de gerir tanto o cansaço…”

5 2 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x