MotoGP, 2021, Qatar: A nova gama de pneus Michelin

Por a 24 Março 2021 15:30

O fornecedor oficial de pneus da Classe MotoGP tem vindo a desenvolver a sua gama de 2020 e vai simplificar os pneus fornecidos às equipas da classe rainha

”Focámos num nível de dureza ligeiramente superior a 2020, preservando ao mesmo tempo os níveis globais de desempenho.” Piero Taramasso

Mais uma vez, na nova temporada, a começar no Qatar, as equipas e os pilotos de MotoGP vão estar a lutar pela glória com a confiança da Michelin debaixo deles. Antes do arranque da temporada de 2021, a Michelin explicou como a sua nova gama será composta para responder ao apelo da Dorna Sports para estabilidade técnica.

Ao mesmo tempo que garante a continuidade do desempenho, a Michelin tem-se focado no desenvolvimento da gama 2020. O resultado é uma nova gama mais simples e composta por menos pneus de referência, mas mais versáteis e consistentes.

À conversa sobre os novos desenvolvimentos, Piero Taramasso, diretor de duas rodas da Michelin Motorsport, disse:

“A evolução da gama 2020 baseia-se na experiência da temporada de 2020. A mudança de data de alguns eventos permitiu-nos testar os nossos pneus numa ampla gama de temperaturas: de 60 graus em Jerez em julho, até 13 graus em Barcelona no final da temporada. Fomos capazes de estudar como os pneus funcionam nestas condições extremas, e descobrimos que algumas misturas eram ainda mais versáteis do que esperávamos.”

“A procura pela configuração certa foi um tema recorrente da temporada de 2020”, explica Taramasso. “Ansiosa para fornecer os melhores pneus para as condições de corrida, a Michelin ofereceu aos seus parceiros mais de 35 especificações diferentes ao longo da última temporada.”

É aqui que entra a gama “mais simples”. Uma redução significativa dos pneus facilitará a instalação nas motos, tornando as vantagens de cada pneu mais facilmente compreendidas inicialmente.

“A consistência dos pneus é a assinatura da Michelin”, continua Taramasso. “Trabalhámos, portanto, para reequilibrar a situação introduzindo pneus assimétricos para determinados circuitos, especialmente na frente, enquanto até agora oferecemos opções compostos únicos. Graças a todas as medidas tomadas pela equipa de desenvolvimento, focámos o nosso leque para um nível de dureza ligeiramente superior a 2020, preservando ao mesmo tempo os níveis globais de desempenho.”

“Utilizamos todos os elementos à nossa disposição para desenvolver a gama no que diz respeito à escolha de “continuidade técnica” da Dorna. Esperamos uma temporada que será certamente complicada pelo Covid-19, mas ainda aberta e emocionante. Os nossos objetivos são claros: satisfazer os nossos parceiros, simplificando a gama e aumentando a versatilidade, e quebrando novos recordes de tempo de corrida devido à consistência dos nossos pneus.”

Então, o que têm os pilotos à sua disposição todos os fins de semana?

– A atribuição de pneus dianteiros pode ser feita com a escolha de um máximo de cinco pneus de cada especificação: Macio, Médio, Duro.

– A atribuição de pneus traseiros pode ser feita com a escolha de um máximo de seis Macios, cinco Médios e quatro Duros. 

– Os dois pilotos que progredirem da Q1 para a Q2 terão atribuídos um pneu dianteiro e traseiro adicional, que pode ser qualquer um dos três compostos.

Devido à localização de Losail no deserto e à frequência com que o vento sopra areia para o asfalto, a superfície é notoriamente abrasiva e tende a tornar-se mais escorregadia pois os níveis de aderência caem à medida que o sol se põe.

Os pneus disponíveis para o Grande Prémio de Barwa do Qatar e o Grande Prémio de Tissot de Doha a seguir são os seguintes:

As frentes Macias e Duras são simétricas, enquanto a frente Média e as três opções traseiras são assimétricas, com um composto mais duro no ombro direito devido às 10 curvas da direita do circuito em comparação com seis à esquerda.

“Estou muito orgulhoso do que as equipas da Michelin Motorsport em Clermont-Ferrand e no terreno conseguiram. Apesar das circunstâncias difíceis que tiveram de enfrentar, e trabalhando dentro do quadro técnico existente, conseguiram basear-se na experiência que adquirimos em 2020 para rever em profundidade a nossa gama de MotoGP”, comenta Taramasso. 

“Estes ganhos foram elogiados pelos nossos parceiros no teste de pré-época no Qatar, onde os nossos pneus participaram no estabelecimento de dois novos recordes de MotoGP para Losail: o da volta mais rápida para a pista, que foi obra de Jack Miller, da Ducati, com um tempo de 1:53.183s e a da velocidade mais alta alguma vez alcançada quando a Ducati Pramac de Johann Zarco foi cronometrada a 357,6 km/h na reta principal!”

5 3 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x