MotoGP, 2021: O combustível na MotoGP

Por a 29 Julho 2021 17:30

Já foi referido várias vezes que uma das recentes mudanças para melhor da KTM se ficou a dever a um novo combustível… mas a FIM está a pensar em regular esse aspeto também

Antes mesmo de falarmos sobre o futuro do combustível no MotoGP, é importante fazer um balanço da situação atual. As equipas estão limitadas a 22 litros, mas podem arrefecer o combustível para este ocupar menos espaço.

Ao contrário dos pneus e da eletrónica, não existe um fornecedor único de combustível na categoria rainha do Grande Prémio, e existem muitos autocolantes de companhias petrolíferas nas carenagens dos protótipos.

Contudo, por detrás destas estratégias comerciais que beneficiam o mundo das corridas de moto, há menos fabricantes que comercializam combustível para o MotoGP.

De facto, existem apenas 4 para as 11 equipas presentes nesta categoria:

– Total-ELF para todas as Yamaha, Aprilia e KTM Tech3

– Repsol para todas as Honda desde que a LCR abandonou a ELF

– Shell para todas as Ducati

– ETS Racing Fuels para a Suzuki desde 2020 à custa da ELF, e para as KTM oficiais desde Maio deste ano.

Os combustíveis permitidos no MotoGP são 99% semelhantes aos encontrados nas estações de serviço. O 1% que difere, no entanto, é muito complexo e faz a diferença.

A gasolina altamente regulada utilizada no MotoGP é também muito semelhante à utilizada na Fórmula 1, não só em termos de octanagem (resistência à detonação, que impede de grilar ou bater), mas também nas suas proporções máximas de chumbo e benzeno, dois constituintes tóxicos do combustível.

No entanto, e paradoxalmente, os regulamentos do MotoGP são 10 vezes mais permissivos do que os do seu homólogo para automóveis no que diz respeito às di-olefinas, um aditivo particularmente suspeito de favorecer a potência mas cuja inocuidade tem sido amplamente debatida no paddock.

A presença de olefinas é traída por um odor nauseante que emana de certas bancadas no momento de encher os depósitos.

Depois, os mecânicos que estão por perto fazem questão de estar protegidos por máscaras, óculos de segurança e luvas até aos cotovelos…

Esta é provavelmente a razão pela qual as companhias petrolíferas tradicionais não se precipitaram para aproveitar esta incongruência dos regulamentos do MotoGP.

Pode não ser o caso para todos e, por coincidência ou não, este ano a organização dos Grandes Prémios decidiram prosseguir com a decisão de procurar utilizar um combustível mais amigo do ambiente no futuro.

Em Maio, o seguinte comunicado foi distribuído a todas as equipas de MotoGP, Moto2 e Moto3:

“A MotoGP centra-se na sustentabilidade, e estamos a começar investigações sobre combustíveis mais ecológicos, visando um futuro mais sustentável para todas as classes do campeonato.

A FIM, IRTA, MSMA e Dorna Sports começaram a trabalhar na reorientação dos objectivos de sustentabilidade a longo prazo do Campeonato Mundial de MotoGP.

Todas as partes concordam com a importância da sustentabilidade, tanto dentro do Campeonato como globalmente, e estão a desenvolver um plano para tornar todas as categorias do Campeonato Mundial de MotoGP da FIM mais amigas do ambiente, com ênfase em combustíveis mais sustentáveis.

Num dos períodos mais competitivos da história, construído sobre muitos anos de mudanças de regras técnicas e desportivas destinadas a criar o maior espetáculo, todos os intervenientes estão empenhados em criar um Campeonato mais verde sem comprometer o padrão incrivelmente elevado do desporto e entretenimento, visando um futuro sustentável tanto para o ambiente global como para o paddock do MotoGP.

Como resultado, todas as partes também concordam que esta oportunidade deve ser utilizada para propor soluções globais para abordar o desempenho das máquinas da categoria MotoGP para continuar a melhorar a segurança do piloto.

Mais informações sobre o futuro sustentável do Campeonato serão fornecidas nas próximas semanas e meses, à medida que o trabalho continua a criar uma visão exequível de um MotoGP mais verde.”

De acordo com relatórios do paddock, espera-se para breve a introdução de uma nova gasolina menos tóxica e mais amiga do ambiente, máximo até 2024, com possivelmente menos benzeno, menos chumbo e … menos di-olefinas.

De acordo com as nossas informações, a maioria das principais companhias petrolíferas já está pronta.

Poderia isto remodelar o cenário para algumas equipas? Só o tempo o dirá.

5 2 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x