MotoGP, 2021, Jerez: Quem pode parar Quartararo?

Por a 28 Abril 2021 13:00

Enquanto se preparam para Jerez, os rivais do francês terão em conta o seu domínio na época passada… mas estamos em 2021, e nada é garantido

Fabio Quartararo (Yamaha Monster Energy) é um homem numa missão. Depois de nem sequer ter começado a época com um pódio, o francês reagrupou-se e reorientou-se para a segunda ronda, obtendo uma retumbante vitória no GP de Doha antes de, em Portimão, termos visto mais do mesmo.

E o mesmo não foi simplesmente ser o homem mais rápido no domingo, mas também uma masterclass tática de quando e onde atacar, e quem, antes de decidir onde puxar o pino final.

Os seus dois sucessos projetam o foguete El Diablo para o topo da classificação e fazem dele o homem a bater.

A pista seguinte no calendário é aquela em que ele também dominou duas vezes no ano passado, e embora tenha sido no calor de Julho, isso é um bom presságio. Quem poderá parar o ímpeto de Quartararo?

O mais próximo de o fazer em Portugal foi Francesco Bagnaia (Ducati Lenovo Team), e o italiano fê-lo a partir da quarta fila da grelha.

Se não tivesse sofrido uma penalização por Bandeira Amarela na qualificação, onde um novo recorde eletrizante de volta foi apagado, poderia até ter ganho…

É uma encomenda difícil, mas Pecco deu um grande passo em frente até agora nesta época. Jerez, no entanto, não foi o mais simpático para a Ducati dos últimos tempos… embora isso signifique que outro pódio ou desafio na frente seria uma afirmação ainda maior.

Os seus colegas de Borgo Panigale, do companheiro de equipa Jack Miller (Ducati Lenovo Team) a Johann Zarco (Pramac Racing), também vão querer muito da Andaluzia, pois ambos procuram recuperar rapidamente de quedas, para Zarco uma que o viu perder a liderança do Campeonato.

A recuperação é também a missão de Maverick Viñales (Yamaha Monster Energy). Depois de uma lição de classe na abertura da época, Viñales acabou de perder em Doha e depois uma qualificação difícil, com duas voltas rápidas limpas por infinitesimais infracções de limite de pista impostas pela prepotente Dorna em Portugal colocou-o no pé de trás.

Apesar de um mau começo e de ter sido engolido pelo grupo, Top Gun permanece em terceiro lugar, com o seu 11º lugar suficiente para manter Zarco à distância.

De volta a casa, reiniciado e recarregado, conseguirá Viñales soltar o ritmo que mostrou no primeiro encontro e levar a luta de volta ao seu companheiro de equipa? E quanto à Yamaha Petronas SRT?

É justo dizer que as duas primeiras rondas da época não foram o que a mais recente equipa independente da grelha esperava, com Franco Morbidelli e Valentino Rossi a parecerem fora de posição.

Morbidelli colocou isso em ordem em Portugal, uma vez que foi o melhor piloto Independente e ficou apenas fora do pódio em quarto, logo, será que ele consegue manter isso a rolar em Jerez?

E poderá o ‘Doutor’, de volta a terreno familiar e com mais tempo de pista, recuperar de algumas duras primeiras corridas da época?

Joan Mir (Suzuki Ecstar), entretanto, estava de volta ao pódio da última vez. E, no ano passado, isso desencadeou a sua corrida para a coroa.

No entanto, o Campeão reinante disse que até agora não são os seus circuitos ideais para começar a fazer uma corrida semelhante, por isso será ‘apenas’ um desafio ao pódio de novo? Ou mais?

O companheiro de equipa Alex Rins também estará ansioso por corrigir os erros da última vez, depois da exibição em Portimão ter sido cortada por uma queda de segundo, mas será que desta vez pode ficar com Quartararo?

Jerez é também uma boa notícia para alguns outros na grelha, e um deve ser Brad Binder (KTM Red Bull Factory Racing).

No ano passado, como novato, os resultados não chegaram, mas o ritmo do TL4 do sul-africano abriu os olhos a muitos… e essa foi a primeira vez numa MotoGP.

Agora, a sua segunda temporada começou numa pista difícil para a KTM e num local onde nunca tinha corrido, pois a classe de MotoGP não competiu no Qatar no ano passado, e depois em Portimão, levou um impressionante quinto lugar que levantou as sobrancelhas dos finalistas do pódio.

Jerez é onde tem mais experiência e algumas boas recordações para arrancar, tendo ganho em Moto3 desde a parte de trás da grelha.

O companheiro de equipa Miguel Oliveira, depois de uma corrida mais dura em casa desta vez, estará também concentrado em levar a fábrica austríaca de volta para a frente.

Há, claro, um cavalo escuro na grelha na forma do oito vezes Campeão do Mundo Marc Márquez (Honda Repsol).

O seu regresso em Portugal foi um sucesso, pois ficou em sétimo lugar, e compreensivelmente emocionado após completar a sua primeira corrida desde Valência em 2019.

Passou mais tempo desde que se apagaram as luzes no Algarve para Márquez continuar a sua recuperação, e agora é Jerez que o aguarda.

Cena do seu acidente, mas também cenário de glória anterior, bem como um território muito mais familiar.

O que pode ele fazer? E poderá Pol Espargaró (Honda Repsol) dar um passo em frente ao afastar-se de Alex Márquez (Honda LCR Castrol) e Takaaki Nakagami (Honda LCR Idemitsu) na batalha das Honda?

Há também o piloto de testes Stefan Bradl de volta à pista fazendo um wildcard para a HRC em Jerez, uma referência interessante como sempre.

Por falar em referência, Portugal viu a Aprilia continuar em casa no grupo da frente.

Aleix Espargaró (Aprilia Gresini) fez outra prova impressionante para igualar o melhor resultado da fábrica de Noale em MotoGP em sexto, e vai querer continuar o seu rol para sublinhar os passos em frente dados pelo novo pacote. Depois de um certo Andrea Dovizioso ter levado a RS-GP a dar uma volta recentemente no mesmo Jerez também, houve algum feedback de Dovi para Noale, ou terá sido mais uma prova para o piloto do que um exercício de recolha de dados?

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x