MotoGP, 2021: A grande vantagem da Suzuki GSX-RR, segundo Guintoli

Por a 31 Janeiro 2021 14:00

Sylvain Guintoli conhece os passos decisivos de desenvolvimento que valeram a Joan Mir e à Suzuki Ecstar o título de MotoGP em 2020

“Sou uma aberração, porque depois de cada sessão analiso as folhas de tempos e toda a informação!”

Sylvain Guintoli desempenhou o seu papel nos bastidores da Suzuki Ecstar 2020 a apoiar  Joan Mir, que 20 anos depois de Kenny Roberts Jr. ganhou o título na classe rainha do Campeonato do Mundo de Motociclismo.

Além disso, a Suzuki ganhou o Campeonato do Mundo de Equipas e muito do mértito pertence ao piloto de testes Francês.

“Costumo averbar cerca de 10.000 quilómetros em testes, mas em 2020 foi muito mais difícil devido à pandemia”, revelou o piloto.

O francês de 38 anos está a testar para a fábrica japonesa em Hamamatsu desde 2017.

No seu blogue Suzuki, recorda as suas primeiras voltas na GSX-RR. Ainda assim, reconheceu uma força decisiva na Suzuki: “A minha primeira impressão foi que a GSX-RR estava muito equilibrada, mas havia um problema com o motor. De certa forma, este equilíbrio tornou-se o objetivo da GSX-RR e é a coisa mais importante nos GP porque estas motos acabam por ser demasiado potentes para as pistas e demasiado potentes para o nível de aderência, por isso a chave é gerir o que temos e tirar o melhor partido delas.”

Em retrospetiva, Guintoli deu um passo decisivo no desenvolvimento da GSX-RR na temporada de 2018:

“O motor estava muito melhor e todos os meios que tinham sido usados para contrariar o problema com o motor ainda eram úteis e benéficos. Aprofundamos ao máximo os conhecimentos sobre a moto e por isso aprendemos ainda mais sobre a GSX-RR.”

Depois disso, tudo se resumiu a pequenos passos, como Guintoli disse: “Aerodinâmica, travagem motor, estabilidade. Foram feitos pequenos ajustes, mas todas estas pequenas coisas somam- se. No ano seguinte, 2019, a moto melhorou e melhorou, tal como os resultados”, disse, referindo-se às duas vitórias de Alex Rins.

Mas o que fez da Suzuki GSX-RR uma moto campeã mundial?

“Em 2020, o chassis foi a grande diferença. Testei-o pela primeira vez no teste de inverno em Sepang e foi uma grande melhoria. Dá ao condutor a oportunidade de travar com mais força. Foi uma grande vantagem. O Joan trava tarde e trava com força, o que o ajudou muito. O novo motor também estava melhor em algumas áreas em 2020. Por isso, demos um grande passo no ano passado.”

Conclusão de Guintoli: “A Suzuki sempre construiu motos que são boas comportamento e a curvar. Isto está enraizado no seu DNA e a GSX-RR de 2020 foi o exponente máximo a esse respeito.”

O piloto de testes da Suzuki seguiu a temporada de Mir e Rins até ao mínimo detalhe e recorda tudo. “Adoro ver como o trabalho se transforma em ação, vejo todas as sessões, mesmo quando estou em casa. No ano passado, claro, foi mais emocionante do que nunca, com a Joan e o Alex a entregarem-se tão bem”, exultou Guintoli, enquanto confessava:

“Sou uma aberração, porque depois de cada sessão analiso as folhas de tempos e toda a informação. Estou muito interessado e isso ajuda-me a compreender os diferentes estilos de condução e os pontos fortes dos condutores e a reconhecer exatamente o que eles precisam. E para além disso, sou apenas um grande fã do desporto motorizado!»

5 1 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x