MotoGP, 2020: Taramasso fala da estratégia Michelin para 2021

Por a 17 Dezembro 2020 15:00

O lançamento de um novo pneu traseiro em 2020 foi culpado por muitas das dificuldades das equipas. Agora, a Michelin espera não repetir o erro com um novo dianteiro…

“Há uma tendência para culpar os pneus quando as coisas não correm bem”

Há dois anos, depois de uma ausência do MotoGP que durou de 2009 a 2016, e depois de ter feito uma marca indelével no campeonato, a Michelin regressou à classe rainha do motociclismo como fornecedor exclusivo.

A continuidade está assegurada, uma vez que a promotora Dorna Sports alargou a sua associação com a Michelin como Fornecedor oficial de pneus do MotoGP por mais cinco anos, de 2019 a 2023.

Piero Taramasso, Gerente Michelin Motorsport em duas rodas, fala dos resultados da temporada de MotoGP 2020 e muito mais

A Michelin fechou a temporada de MotoGP de 2020 com um resultado positivo, apesar de um calendário de “emergência” devido à pandemia coronavírus, condições meteorológicas imprevisíveis e muitas vezes extremas e de uma certa tendência, por parte de muitos pilotos, de culpar os pneus quando as coisas não estão a correr bem.

“2020, afinal, foi um ano positivo, uma época especial dada a situação de saúde. Foi difícil por causa do calendário, 14 GPs concentraram-se em apenas cinco meses, com fins de semana consecutivos… Foi também um desafio industrial produzir todos os pneus, e um desafio logístico levá-los a tempo a todos os circuitos. Mesmo desse ponto de vista, foi satisfatório. Em termos de desempenho puro, em termos de pneus, tudo foi bom no geral. Batemos recordes em Jerez com 50 ou 60 graus na pista, e batemos recordes em Misano e Aragón. A Suzuki, Yamaha, Ducati, KTM e até a Honda subiram ao pódio, mostrando equilíbrio!”

“Isto significa que os pneus funcionaram globalmente para todos, uns tiveram mais dificuldades, outros menos. Ficámos um pouco desapontados em Barcelona, onde encontrámos temperaturas muito baixas, cerca de 15 graus, enquanto esperávamos temperaturas mais altas, acima dos 25. Só o pneu macio é que funcionou, por isso há uma certa desilusão por não termos antecipado estas condições. Foi também dececionante em Brno, onde sabemos que o nível de aderência é muito baixo. Este ano foi muito pior porque não reasfaltam a pista há muitos anos.”

“Em 2021, queremos melhorar a regularidade do desempenho, para oferecer compostos mais consistentes em todas as voltas da corrida. Para ser capaz de melhorar o período de durabilidade, para que os pilotos possam atacar do início ao fim, de modo a não ter que gerir tipo pastilha elástica. Trabalharemos um pouco nos compostos, mantendo as mesmas estruturas. Não vamos mudar nada a partir de 2020, porque há um congelamento de desenvolvimento, por isso até os pneus serão semelhantes.”

“O novo pneu dianteiro não vai chegar em 2021. Se tivermos a oportunidade de testar em 2021, continuaremos a testar esta nova frente, uma nova carcaça que dá mais aderência, tanto em curva como na travagem. Já tínhamos tentado em Brno e Misano com resultados positivos. Queremos continuar a testá-lo em 2021 e finalmente introduzi-lo em 2022.”

“Falou-se de pressão da Ducati para haver um novo pneu dianteiro, mas isso não é verdade, e o Gigi Dall’Igna também negou. Não recebemos pressão de qualquer equipa.”

“Há uma tendência para culpar os pneus quando as coisas não estão a correr bem, sempre foi assim nas corridas, tanto nas motos como nos carros. O mais simples é culpar os pneus, assim não culpas a tua marca e não te culpas a ti próprio. Então é mais fácil. Hoje, as motos têm sensores em todo o lado, e aquisição de dados. Estudamos tudo com os pilotos, analisamos os dados com as equipas, e muitos deles não confirmam o que os pilotos dizem. Ouvimos os pilotos, mas olhamos para os dados em conjunto e, na maioria dos casos, eles não estão certos. O condutor tem sensações corretas, mas a responsabilidade não é só ao nível do pneu, outros fatores entram em jogo como a pressão, como travar, arrefecer o pneu… Isto não é por o pneu estar defeituoso, há outros parâmetros.”

“Os pneus desempenham um papel importante no desporto motorizado. O pneu dá aderência, faz-te travar, acelerar, e em alguns casos, se escolheres o pneu errado, podes perder a corrida. Em vez de ser primeiro ou o segundo, pode-se ser quinto ou sexto. É certamente muito importante, mas não é tudo, diria que joga uns 30%. Diria 33% para os pneus, 33% para o piloto e 33% para a moto. As equipas percebem que são intransigentes na compreensão e utilização do pneu, razão pela qual muitas equipas investem dinheiro e tempo para entender essa relação!”

4 1 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x