MotoGP, 2020: Ciabatti explica sucesso de Zarco

Por a 4 Janeiro 2021 16:00

Porque é que Johann Zarco foi, por vezes, o melhor piloto da Ducati no ano passado com uma GP19 usada? O diretor desportivo da Ducati, Paolo Ciabatti, tem uma explicação

“Zarco só conheceu a Ducati com os pneus de 2020”

Paolo Ciabatti

A temporada encurtada pelo Covid em 2020 causou surpresas em várias áreas. Uma característica marcante foi que em três dos fabricantes, pilotos com material de 2019 eram por vezes mais rápidos do que os de fábrica com o material mais recente.

Na Yamaha, Franco Morbidelli foi o único do quarteto de MotoGP com uma máquina de especificação A, mas venceu três corridas e foi segundo classificado no Campeonato do Mundo de Pilotos como melhor piloto da Yamaha.

Takaaki Nakagami, numa Honda de 2019, deu à Honda a única pole position da temporada e terminou o Mundial no 10º lugar como melhor piloto da Honda.

Na Ducati, este fenómeno manifestou-se com Johann Zarco, que alcançou a única pole position para a Ducati em toda a temporada com a GP19 da equipa Esponsorama Avintia em Brno, e terminou em terceiro na corrida como melhor piloto da Ducati.

Os pilotos de fábrica da Ducati Petrucci e Bagnaia também conseguiram apenas um lugar no pódio na Desmosedici GP20 na temporada encurtada para 14, em vez de 20 corridas.

“Johann Zarco até teria conseguido a segunda pole position em Valência, mas foi atrapalhado por uma bandeira amarela”, diz o diretor desportivo da Ducati, Paolo Ciabatti.

“No entanto, é preciso também ter em conta que Zarco recebeu uma máquina de 2019 com as últimas peças de desenvolvimento que tínhamos planeado para 2020. Também conseguiu o “ajustador de altura” em Brno. As diferenças entre as motos de um ano para o outro são sempre mínimas, como vimos com Morbidelli e Nakagami. Claro, os engenheiros tentam sempre melhorar a moto. Não é inteiramente correto afirmar que Zarco tinha uma Ducati de 2019. Mas é verdade, era uma versão inicial da máquina de 2020. É compreensível que as diferenças sejam geríveis. Há novos desenvolvimentos todos os anos, mas nunca se pode ter a certeza de que isso levará a melhores tempos de volta.”

“Johann Zarco não pôde participar nos dois primeiros testes em Valência e Jerez em Novembro”, recorda Ciabatti.

“Magoou um tornozelo no GP de Valência depois da queda da moto do Lecuona. Johann sentou-se pela primeira vez na Ducati nos testes de inverno em Sepang e Doha, e já conheceu a moto com o novo pneu traseiro da Michelin, por isso era o único dos nossos pilotos que não estava pré-formatado. Não se lembrava dos pneus traseiros de 2019 associados à Ducati. Os outros pilotos da Ducati sabiam conduzir a Desmosedici com os pneus de 2019… Isto foi especialmente verdade para a nossa geração mais velha, Andrea e talvez Danilo. Conduzem a Ducati há muitos anos, mas o seu estilo habitual de condução não se tem provado eficiente com os novos pneus. Johann, por outro lado, estava sem ideias pré-concebidas. Foi uma vantagem para ele. É por isso que se habituou mais rapidamente ao novo pacote.”

5 1 vote
Article Rating
1 Comentário
antigo
recente mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
alessandrohansenvargas
alessandrohansenvargas
1 mês atrás

Um sincera opinião acerca de Zarco:
Penso que a Ducati fez a opção certa de instalar o Zarco na Pramac, com equipamento atualizado e assistência idêntica a Miller e Bagnaia.
Zarco já teve uma experiência como “desenvolvedor” em equipa de fábrica (KTM) e reprovou, porém, por duas ocasiões distintas (Tech3 e Avintia) fez modelos defasados andarem a frente das equipas oficiais!
Se Zarco conseguir superar sua tendência a “altos e baixos” e conseguir equilibrar consistência e velocidade (como a época da Moto2), certamente poderá vir a ser, novamente, o piloto mais destacado de Borgo Panigale em 2021.

Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
1
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x